Considerações acerca do Tempo: Contribuições de Bergson e Deleuze aos estudos da performance

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1414573101432022e0210

Palavras-chave:

Performance, Política, Estética, Corpo, Processos de subjetivação

Resumo

Este artigo propõe um modo de olhar para a arte da performance através da lente da esquizoanálise. Aborda questões relativas à compreensão do Tempo enquanto fluxo contínuo, a partir dos conceitos de duração e devir encontrados nas obras de Henri Bergson e Gilles Deleuze, tomando como objeto de análise a performance Às vezes fazer alguma coisa não leva à nada do artista belga Francis Alÿs. Partindo da noção de subjetividade como movimento e da atividade criadora enquanto afirmação da diferença e da vida, o trabalho discute linhas possíveis para se pensar as relações estéticas, transversalizando-as também com as filosofias de Nietzsche e Espinosa, além de outros intercessores para tecer suas considerações a respeito do Tempo na arte e do Tempo da arte.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Manolo Kottwitz, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Mestre em Psicologia Social e Cultura com ênfase em Práticas Culturais e Processos de Subjetivação - Relações Éticas, Estéticas e Processos de Criação pela Universidade Federal de Santa Catarina. Bacharel em Artes Cênicas pela Faculdade de Artes da Universidade Estadual do Paraná. Especialista em Artes Híbridas com ênfase em Fundamentos e Crítica das Artes pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Artista, esquizoanalista e agente cultural.

Referências

BERGSON, Henri. Matéria e Memória. Trad. Paulo Neves. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

BERGSON, Henri. As duas fontes da moral e da religião. Trad. Miguel Serras Pereira. Coimbra: Almedina, 2005a.

BERGSON, Henri. Curso sobre a filosofia grega. Trad. Bento Prado Neto. São Paulo: Martins Fontes, 2005b.

BERGSON, Henri. A evolução criadora. Trad. Bento Prado Neto. São Paulo: Folha de São Paulo, 2015.

DELEUZE, Gilles. Diferença e Repetição. Trad. Luiz Orlandi e Roberto Machado. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

DELEUZE, Gilles. O ato de criação. Trad. José Marcos Macedo. Coluna Traffic, Jornal Folha de São Paulo, 27 de junho de 1999.

DELEUZE, Gilles. Foucault. São Paulo: Brasiliense, 2005.

DELEUZE, Gilles. Espinosa: filosofia prática. Trad. Daniel Lins e Fabien Pascal Lins. São Paulo: Escuta, 2002.

DELEUZE, Gilles. A ilha deserta e outros textos. Prep. David Lapoujade. Org. Luiz B. L. Orlandi. São Paulo: Iluminuras, 2006.

DELEUZE, Gilles. Bergsonismo. Trad. Luiz B. L. Orlandi. São Paulo: Editora 34, 2012.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O Anti-Édipo: capitalismo e esquizofrenia 1. Trad. Luiz B. L. Orlandi. São Paulo: Editora 34, 2010a.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O que é a filosofia?. Trad. Bento Prado Jr. e Alberto Alonso Muñoz. São Paulo: Editora 34, 2010b.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia 2, vol. 3. Trad. Aurélio Guerra Neto, Ana Lúcia de Oliveira, Lúcia Cláudia Leão e Suely Rolnik. São Paulo: Editora 34, 2012a.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia 2, vol. 4. Trad. Suely Rolnik. – São Paulo: Editora 34, 2012b.

ESPINOSA, Baruch de. Ética. trad. Tomaz Tadeu. 2ª ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2014a.

ESPINOSA, Baruch de. Breve tratado de Deus, do homem e do seu bem-estar. Trad. Emanuel Ângelo da Rocha Fragoso e Luís César Guimarães Oliveira. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2014b.

FEITOSA, Charles. Da utilidade do esquecimento para a filosofia. In: FEITOSA, Charles; BARRENECHEA, Miguel. (Orgs.). Assim falou Nietzsche II. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2000.

GROS, Frédéric. Caminhar: uma filosofia. Trad. Lilia Ledon da Silva. São Paulo: É Realizações, 2010.

LINS, Daniel. Esquecer não é crime in LINS, Daniel; GADELHA, Silvio; VERAS, Alexandre. (Orgs.). Nietzsche e Deleuze: Intensidade e Paixão. Rio de Janeiro: Relume Dumará; Fortaleza, CE: Secretaria de Cultura e Desporto do Estado, 2000, p. 45-62.

NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm. Os discursos de Zaratustra. Trad. José Mendes de Souza. Rio de Janeiro: PocketOuro, 2008.

RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível: estética e política. Trad. Monica Costa Netto. São Paulo: Editora 34. 2ª Edição, 2009.

ROLNIK, Suely. O retorno do Corpo-que-Sabe. In: Hemispheric Institute of Performance and Politic, 88 min, 2013. Disponível em: http://hemisphericinstitute.org/hemi/pt/enc13-keynote-lectures/item/2085-enc13-keynote-rolnik. Acesso em: 12 jun. 2020.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. Estética e Política, Memória e Esquecimento: novos desafios na era do Mal de Arquivo. Rev. Remate de Males, vol. 29, nº 02, p. 271 – 281, 2009. Disponível em:

https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/remate/article/download/8636279/3988. Acesso em: 16 set. 2020.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. Antimonumentos: trabalhos de memória e de resistência. Rev. de Psicologia da USP, São Paulo, vol. 27, nº 01, p. 49-60, 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/j/pusp/a/Vyft9fND6TVQywwV3bSkM6q/?lang=pt&format=pdf. Acesso em: 15 jul. 2021.

SILVA, Márcio Sales da. O devir-criança em três tempos: Heráclito, Nietzsche e Deleuze. In: Anais do V Colóquio Internacional de Filosofia da Educação UERJ, Rio de Janeiro: Universidade Do Estado do Rio de Janeiro, 2010.

ZOURABICHVILLI, François. Deleuze: uma filosofia do acontecimento. Trad. e prefácio de Luiz b. L. Orlandi. São Paulo: Editora 34, 2016.

Downloads

Publicado

2022-04-06

Como Citar

KOTTWITZ, M. Considerações acerca do Tempo: Contribuições de Bergson e Deleuze aos estudos da performance. Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v. 1, n. 43, p. 1-26, 2022. DOI: 10.5965/1414573101432022e0210. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/urdimento/article/view/20700. Acesso em: 8 ago. 2022.