ABORDAGEM SOBRE A JUDICIALIZAÇÃO DA SAÚDE NO BRASIL

Autores

  • Rosana Amora Ascari Universidade do Estado de Santa Catarina
  • Ildo Fabris Universidade do Oeste de Santa Catarina - UNOESC
  • Olvani Martins da Silva Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC
  • Jucimar Frigo Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC
  • Édlamar Kátia Adamy Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC

Resumo

As operadoras de plano de saúde possuem os mesmos deveres que o Estado, prestando assistência integral aos usuários, onde muitas vezes, toma-se como verdade científica a prescrição médica, desprestigiando outras formas de conhecimento. O objetivo deste estudo é conhecer judicialização da saúde na Brasil, acerca da tutela antecipada de medicamentos. É sabido que nem todos os medicamentos prescritos promovem a melhora clínica do paciente, e, por vezes, prorrogam o sofrimento, haja visto que não promovem a cura. Acredita-se que a reavaliação da tutela antecipada de medicamentos pode representar a oportunidade de assistência a uma quantidade maior de beneficiários. Este trabalho se propôs a demonstrar a necessidade da reavaliação da tutela antecipada de medicamentos no Brasil. Sente-se a necessidade de implementação de políticas públicas corretas, primando pela saúde da população, não esquecendo-se de que os recursos financeiros, quando bem geridos na saúde, poderá beneficiar um número bem maior de indivíduos.

Biografia do Autor

Rosana Amora Ascari, Universidade do Estado de Santa Catarina

Mestre em Saúde Coletiva. Professora Assistente da Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC. Membro do Grupo de Estudos Sobre Saúde e Trabalho - GESTRA/UDESC.

Ildo Fabris, Universidade do Oeste de Santa Catarina - UNOESC

Mestre em Ciências Contábeis. Especialista em Auditoria e Consultoria Empresarial. Professor titular na área de Ciências Sociais e Aplicadas da Universidade do Oeste de Santa Catarina – UNOESC.

Olvani Martins da Silva, Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC

Enfermeira. Mestre em Terapia Intensiva. Professora Assistente da Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC. Membro do Grupo de Pesquisa Enfermagem, Cuidado Humano e Processo Saúde Adoecimento /UDESC

Jucimar Frigo, Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC

Enfermeira. Mestre em Terapia Intensiva. Professora da Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC.

Édlamar Kátia Adamy, Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC

Mestre em Saúde Coletiva. Professora Assistente da Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC. Membro do Grupo de Estudos Sobre Saúde e Trabalho - GESTRA/UDESC.

Downloads

Publicado

2013-12-31

Como Citar

ASCARI, R. A.; FABRIS, I.; SILVA, O. M. da; FRIGO, J.; ADAMY, Édlamar K. ABORDAGEM SOBRE A JUDICIALIZAÇÃO DA SAÚDE NO BRASIL. Cidadania em Ação: Revista de Extensão e Cultura, [S. l.], v. 7, n. 1, 2013. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/cidadaniaemacao/article/view/3103. Acesso em: 16 jun. 2021.

Edição

Seção

Artigos