Práticas Teatrais e Resistência: entre a desrazão e a governamentalidade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1414573103362019273

Palavras-chave:

Arte e resistência, Teatro e política, Ação cultural, Grupos de teatro e ação artística

Resumo

Este artigo levanta questões em torno do teatro como veículo de libertação e resistência política. Busca indicar como o seu potencial enquanto técnica de si e espaço de experiência foi enredado nas malhas da governamentalidade. Indica as questões que tradicionalmente se direcionam ao trabalho artístico como prática pedagógica, procurando refletir sobre as linhas de força que constituem os embates entre poder e liberdade. Concentra-se na experiência do coletivo paulista II Trupe de Choque, em sua residência artística no Hospital Psiquiátrico Pinel, refletindo sobre as formas de resistência e contraconduta gestadas nesse processo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Suzana Schmidt Viganó, Universidade do Estado de São Paulo (USP)

Doutora em Pedagogia do Teatro e Mestre em Artes pela ECA-USP. Professora da Licenciatura no Departamento de Artes Cênicas da ECA-USP e da Pós-Graduação em Arte-Educação no Senac-SP. Pesquisadora atuante no campo da Ação Cultural, é consultora em Projetos Educacionais e Políticas Públicas de Cultura. É coordenadora do Núcleo Quanta, de pesquisa e produção artística para a primeira infância.

Referências

CAVALCANTE, Amanda. Entrevista concedida a Suzana Schmidt Viganó. São Paulo, 15

de maio de 2016.

DELEUZE, Gilles. O que é um dispositivo. In: O Mistério de Ariana. Lisboa: Vega – Passagens, 1996. Disponível em: http://www.uc.pt/iii/ceis20/conceitos_dispositivos/ programa/deleuze_dispositivo, Acesso em: 18 jul. 2019.

DELMANTO, Ivan. Entrevista concedida a Suzana Schmidt Viganó. São Paulo, 06 de junho de 2016.

FOUCAULT, Michel. Aula de 8 de fevereiro de 1978. IN: Segurança, Território e População. São Paulo: Martins Fontes, p.155-180, 2008.

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade, vol.1 – a vontade de saber. Rio de Janeiro, Graal, 1985.

FOUCAULT, Michel. O sujeito e o Poder. In: DREYFUS, H.; RABINOW, P. Michel Foucault, uma trajetória filosófica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, P.231-249, 1995.

GARBOIS, Pedro Forniciari. Resistência e revolução no pensamento de Michel Foucault: contracondutas, sublevações e lutas. Cadernos de Ética e Filosofia Política 19, pp.07-27, 2/2011,

LIMA, José Maurício. Entrevista concedida a Suzana Schmidt Viganó. São Paulo, 22 de setembro de 2014.

NASCIMENTO, Leila. “Esperando Godot com os moradores do Pinel”. Em Negativo, ano II, número 3. São Paulo, junho/2012, p.50.

OLIVEIRA, Sansorai. “O começo, o meio e o fim”. Em Negativo, ano II, número IV, São Paulo, novembro/2012, pp.17-21.

RANCIÈRE, Jacques. A Noite dos Proletários, São Paulo: Companhia das Letras, 1988. SENELLART, Michel. A Crítica da razão governamental em Michel Foucault. Tempo

Social, Rev. Soc. USP, São Paulo 7 (1-2) 1 a 14 outubro de 1995.

Suzana Schmidt Viganó. Por entre as trilhas chuvosas de uma travessia: teatro, ação cultural e formação artística na cidade de São Paulo. 2017. Tese (Doutorado em Artes Cênicas) – Escola de Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017.

Downloads

Publicado

2019-12-13

Como Citar

VIGANÓ, S. S. Práticas Teatrais e Resistência: entre a desrazão e a governamentalidade. Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v. 3, n. 36, p. 273-285, 2019. DOI: 10.5965/1414573103362019273. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/urdimento/article/view/15796. Acesso em: 28 set. 2022.

Edição

Seção

Dossiê Temático - Pedagogia do Teatro: vozes da América Latina