Inovação, conformidade e outras ambivalências em design de moda

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1982615x14332021014

Palavras-chave:

Design de Moda, Criação, Inovação

Resumo

O artigo problematiza a criação no design de moda. Uma maioria notável de empresa no mercado de moda orienta-se por tendências editadas por bureaux de style, disseminada por estilistas em desfiles internacionais ou ainda em apostas de sucesso pela mídia de moda – profissional e/ou entusiasta (amadora). A investigação resulta dos desdobramentos de uma pesquisa sobre a agência de designers de moda. O presente recorte enfatiza as dialéticas criação x adequação e inovação x segurança. De modo mais específico este artigo aborda as considerações de três entrevistadas no momento de validação dos resultados da investigação. Durante os diálogos – que consistiram em conversações informais por telefone, mas tiveram o auxílio de um roteiro semiestruturado – as profissionais relataram suas observações sobre atos deliberados de criação e a lógica mercantil das corporações de design de moda.

Biografia do Autor

Amanda Queiroz Campos, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutora em Design (2017) em modalidade cotutela - doutorado binacional - pela Bergische Universität Wuppertal (Alemanha) na linha de Teoria do Design (Deisgntheorie/Industrie Design) e pelo Programa de Pós Graduação em Design pela Universidade Federal de Santa Catarina com bolsas da FAPESC e CAPES/DAAD. Possui graduação em Moda com Habilitação em Estilismo pela Universidade do Estado de Santa Catarina (2010), graduação em Design Gráfico pela Universidade Federal de Santa Catarina (2012) e mestrado em Design e Expressão Gráfica pela mesma instituição (2013). Atualmente é professora colaboradora da UDESC, onde organizou pelos últimos dois anos o desfile OCTA Fashion - maior desfile de moda do Estado de Santa Catarina - e editou a revista correlata ao evento, OCTA Mag. Atua ainda como pesquisadora da UFSC, na coedição do periódico científico e-Revista LOGO, e como consultora de tendências e comportamento do consumidor. Tem experiência na área de Design, com ênfase em Pesquisa de Tendências, Comportamento de Consumo, Criação e Comunicação de Moda.

Referências

BAKEWELL, Cathy; MITCHELL, Vincent-Wayne. Male versus female consumer decision making styles. Journal of Business Research. v.59, n.12, pp.1297-1300, February 2006. DOI: 10.1016/j.jbusres.2006.09.008

BIOUSSE, Frédéric. Quel avenir pour les tendances? pp.70-79. In:

BACRIE, Lydia. (ed.). Qu’est-ce qu’une tendance de mode?. Paris : Fédération Française du Prêt à Porter Féminin, 2012.

CAMPOS, Amanda Queiroz. O mito como incremento do produto na gestão da marca de moda: estudo de imagens gráfico publicitárias das marcas Lança Perfume e Morena Rosa. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Design e Expressão Gráfica. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis: 2013.

CAMPOS, Amanda Queiroz. Of tradition and creation: the discourse of fashion designers on trend report use. Tese de Doutorado em cotutela. Programa de Pós-Graduação em Design e Expressão Gráfica. Universidade Federal de Santa Catarina & Doktorprogram in Kunst und Design der Bergischen Universität Wuppertal. Florianópolis/Wuppertal: 2017.

CIARNIENE, Ramune; VIENAZINDIENE, Milita. Management of contemporary fashion industry: characteristics and challenges. Procedia-Social and Behavioral Sciences, v. 156, n. 1, pp. 63-68, 2014. DOI: 10.1016/j.sbspro.2014.11.120

DHURUP, Manilall. Impulsive Fashion Apparel Consumption: The Role of Hedonism, Fashion Involvement and Emotional Gratification in Fashion Apparel Impulsive Buying Behaviour in a Developing Country. Mediterranean Journal of Social Sciences, v.5, n.8, pp.168-177, 2014. DOI: 10.5901/mjss.2014.v5n8p168

GODART, Fredèric. Sociologia da moda. [Sociologie de la mode]. São Paulo, SP: SENAC SP, 2010.

EDELKOORT, Li. Anti-Fashion: A Manifesto for the Next Decade | #BoFVOICES. Disponível em: < https://www.youtube.com/watch?v=LV3djdXfimI>. Acesso em 14 mar. 2018 às 18:18.

HANSEN-HANSEN, Erik. Learning from (luxury) fashion: entrepreneurship and design-led innovation. Proceedings of Innovation Through Design, 2012 International Design Management Research Conference; DMI: Boston, August 8- 9, 2012.

HUNG, Wei-Ken; CHEN, Lin-Lin. Effects of Novelty and Its Dimensions on Aesthetic Preference in Product Design. International Journal of Design. v.6, n.2. pp. 81-90, 2012. Disponível em: <http://www.ijdesign.org/ojs/index.php/IJDesign/article/viewFile/1146/474>. Acesso em: 10 jul. 2015.

JONES, Susan Jenkin. Fashion design. 3rd edition. London: Laurence King Publishing, 2011.

KAWAMURA, Yuniya. Fashion-ology: an introduction to fashion studies. 1a reimp. London/New York: Bloomsburry, 2014.

MOZOTA, Brigitte Borja de. Gestão do Design: usando o design para construir valor de marca e inovação corporativa. [Design management]. Porto Alegre, RS: Bookman, 2011.

OECD. Oslo Manual: guidelines for collecting and interpreting innovation data. 2005. Disponível em: <https://www.oecd.org/sti/inno/2367580.pdf >. Acesso em 10 abr. 2016.

SAVIOLO, Stefania; TESTA, Salvo. La gestión de las empresas de moda. [Strategic Management in the Fashion Companies]. 1a ed. 10a reimp. Barcelona: Gustavo Gili, 2015.

SCHÜßLER, Elke. Strategische Prozesse und Persistenzen: Pfadabhängige Organisation der Wertschöpfung in der Bekleidungsindustrie. Tese de doutorado. Freie Universität Berlin, 2008.

SKOV, Lise; MELCHIOR, Marie Riegels. Research approaches to the study of dress and fashion. In: EICHER, J.O. Berg Encyclopedia of World Dress and Fashion, pp.1-18. Oxford: Berg, 2010.

SVENDSEN, Lars. Filosofia da moda. [Fashion: A Philosophy]. Rio de Janeiro, RJ: Zahar, 2011.

VERGANTI, Roberto. Design-driven innovation: mudando as regras da competição: a inovação radical do significado de produtos. [Design-Driven Innovation: Changing the Rules of Competition by Radically Innovating What Things Mean]. São Paulo: Canal Certo, 2011.

Downloads

Publicado

2021-07-01