Aspectos inclusivos da moda com foco nas pessoas com deficiência visual

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1982615x09012015116

Palavras-chave:

moda inclusiva, design de superficie, tecnologia assistiva

Resumo

Há um número elevado de pessoas com algum grau de deficiência visual no Brasil, as quais têm dificuldades em tarefas comuns do dia a dia como se vestir e escolher uma peça. Este trabalho propõe discutir os aspectos inclusivos aplicáveis ao design de moda para pessoas com deficiência visual, buscando fundamentar uma proposta de vestuário que contemple a autoestima, praticidade, conforto e autonomia destes usuários sem, entretanto, diferenciá-los dos consumidores em geral. As propostas são baseadas no design de superfície – por meio da aplicação de detalhes em relevo e braile - moda inclusiva e design universal. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

IBGE. Censo 2010. Disponível em:<http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/default.shtm>.

CALDERÓN, G. C. 2010. ESTAMPARIA: O processo criativo do designer gráfico a elaboração de estampas para uma coleção de moda. Universidade Federal de Pelotas, Pelotas. 9º Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design.

RUTSCHILLING, E. A. 2008. “Design de superfície. Porto Alegre”: ED. da UFRGS. 104 p.

RUBIM, R. 2005. “Desenhando a Superfície”. Edições Rosari: São Paulo.

LEVINBOOK, M. 2008. “Design de superfície: técnicas e processos em estamparia têxtil para produção industrial”. 105 p. Dissertação (Mestrado em Design). Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu, Universidade Anhembi Morumbi, São Paulo.

BRIGGS-GOODE, A. Design de Estamparia Têxtil. Porto Alegre: Ed Bookman,2014.

YAMANOE, L. A. Estamparia Têxtil. USP. São Paulo, 2008. Disponível em: <http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/27/27159/tde.../5281852.pdf>. Acesso em 05 mai. 2015.

PETRY, M. C.; ABREU, J. A. P. 2011. “Reflexões sobre o Mercado de Design para Estamparia Têxtil no Rio de Janeiro”. In: Redige, v. 2, n. 1. SENAI: Rio de Janeiro. Disponível em: <http://www.cetiqt.senai.br/ead/redige/index.php/redige/article/viewArticle54>. Acesso em 30 abr. 2015.

SCHWARTZ, A. R. D. “Design de Superfície: por uma visão projetual geométrica e tridimensional”. 2008. Dissertação (Pós Graduação em Desenho Industrial) –Universidade Estadual Paulista, São Paulo. 216 p.

SASSO, A. MEDEIROS, D. P. Design de superfície, moda e tendência: Relações e multidisciplinaridade criativa. 2012. In: Anais do 1º CIMODE. Congresso Internacional de Moda e Design: Guimarães, Portugal. Guimarães: Unminho. p. 336-344.

GIJON, A. Estamparia corrida. 2008. Disponível em: http://www.fashionbubbles.com/historia-da-moda/estamparia-corrida-parte-33/. Acesso em 26 out 2013.

BATISTELLA, L. R. 2014. “Moda inclusiva: Considerações e Novidades no Projeto de Vanguarda da Moda Brasileira”. São Paulo: Catálogo de Moda Inclusiva.

World Health Organization. “International classification of impairments, disabilities, and hadicaps: a manual of classification relating to the consequences of disease”. Geneva: 1993.

AMIRALIAN M. LT. PINTO. E. B. GHIRARDI M. IG. LICHTIG. I. MASINI. E. FS. PASQUALIN. L. 2000. “Conceituando deficiência". Ver. Saúde Pública, 34 (1): 97-103. Disponível em: Acesso em: 03 mai 2015.

BARBOSA, M. B.; ALBUQUERQUE, R. de M. A. 2010. “Comunicação, Sinalização e Acessibilidade”. In: PRADO, A. R. de A.; LOPES, M. E.; ORNTEIN, S. W. (Org.) “Desenho Universal: caminhos da acessibilidade no Brasil”. São Paulo: Annablume. p. 279-290..

MARGOLIN, V; MARGOLIN, S. “Um modelo Social de Design: questões de prática e pesquisa”. 2004. Revista Digital em Foco, V. 1, nº 001, Salvador: Universidade do Estado da Bahia.

BRITO, I. J. G; JARDIM, M. D. P; CARDOSO, A. M; MING, W. C. 2010. “O design de moda como inclusão social de portadores de deficiência visual”. Revista Eletrônica de Educação e Tecnologia de Senai –SP. ISSN 1981-8270. V. 4. N. 9, out 2010.

MOSQUEIRA, C. 2014. “Deficiência visual: do currículo aos processos de reabilitação”. Curitiba: Editora do Chain, 232 p.

CANEJO, Elizabeth. 2005. “Apostila introdução ao sistema Braille”. Fundação de Apoio à Escola Técnica –FAETEC. Diretoria do Desenvolvimento da Educação –Gerência de Programa de Inclusão. Governo do Estado do Rio de Janeiro.

PACHECO, M. S.; MEDEIROS, D. P.; GONÇALVES, M. M. Design Inclusivo: Criação de estampas em prol da inclusão social. 2014. 11º P&D Design, Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design, Gramado.

L. S. VYGOTSKY. 2007. “A Formação Social da Mente”. São Paulo: Martins Fontes.

BOFF, A. P. “O Aprendizado da escrita braile por meio dos dizeres da pessoa com cegueira adventícia na fase adulta”. FURB, IX ANPED SUL, 2012.

VIGOTSKI, L. S. 1997. “Obras escolhidas. Fundamentos da defectologia”. Madrid: Visor.

NEVES, E. P.; PASCHOARELLI, L. C.; MENEZES, M. S. dos. 2014. Moda e ergonomia: Contribuição emocional à percepção do vestuário. 14º Ergodesign, USIHC. Congresso Internacional de Ergonomia e Usabilidade de Interfaces Humano-Tecnologia: Produto, Informações, Ambiente Construído e Transporte. ISBN 978-85-8209-028-02. Joinville.

GRAVE, M. F. de. 2004. A modelagem sob a ótica da ergonomia. Zennex Publishing: São Paulo, SP. 103 p.

FRANÇA, V. Etiqueta em braile deixa moda mais acessível. Publicado em 20 jan2011. Disponível em: <http://sao-paulo.estadao.com.br/noticias/geral,etiqueta-em-braile-deixa-moda-mais-acessivel-imp-,668553> Acesso em 05 jan 2015.

ALBUQUERQUE, H. Coleção de roupas em braille. Publicado em 07 jun 2013. Disponível em:<http://www.bemparana.com.br/indumentaria/colecao-de-roupas-em-braille/> Acesso em 06 jan de 2015.

Bibliografia

ABERGO. Associação Brasileira de Ergonomia. Norma ERG BR 1002 –Código de Deontologia Do Ergonomista Certificado. Outubro, 2003. Disponível em: <http://www.abergo.org.br/arquivos/normas_ergbr/norma_erg_br_1002_deontologia.pdfAcessado em 21 dez 2013.

BARBOSA, M.J.S. (Org.). Passo e compasso: nos ritmos do envelhecer. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2003.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Manual de Atenção à Mulher no Climatério/Menopausa/Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. (Série A. Normas e Manuais Técnicos) (Série Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos –Caderno, n.9). Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2008;

CASOTTI, L.; CAMPOS, R.. Consumo da beleza e envelhecimento: histórias da pesquisa e de tempo. In: GOLDENBERG, M. (org.). Corpo, envelhecimento e felicidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011, p. 109-131.

CASTILHO, K. Moda e Linguagem. São Paulo, SP: Editora Anhembi Morumbi, 2009.

CRONEY, J. Antropometria para diseñadores. Barcelona: Editorial Gustavo Gili, S.A, 1971.

FLÜGEL, J. C.A psicologia das roupas. São Paulo: Editora Mestre Jou, 1966.

GRAVE, M. F. A moda-vestuário e a ergonomia do hemiplégico. São Paulo: Escrituras Editora, 2010.

HALBE, A. F. P. Repercussões emocionais do climatério. In HALBE, H.W. Tratado de Ginecologia. 3ͣ ed. São Paulo: Roca, 2000. 198-204 p.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de Orçamento Familiares 2008-2009: Análise do Consumo Alimentar Pessoal no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 2011. Disponível em:<http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/condicaodevida/pof/2008_2009_analise_consumo/pofanalise_2008_2009.pdf>. Acesso em: 12 mar. 2014.

IIDA, I. Ergonomia:Projeto e Produção. SãoPaulo: editora Edgard Blucher, 2005.

MATTHEWS, K.A. et al. Body mass index in mid-life women: relative influence of menopause, hormone use, and ethnicity. In: International Journal of Obesity and related metabolic disorders: Journal of International Association for Study of Obesity, London, vol. 25, n. 06, 863-873 p., jun. 2001. Disponível em:<http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/11439301>. Acesso em: 12 mai. 2014.

ORSATTI, et al. Indicadores antropométricos e as doenças crônicas não transmissíveis em mulheres na pós-menopausa da região Sudeste do Brasil. In: Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia[online], Rio de Janeiro, vol. 30, n. 04, 182-189 p., abr. 2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbgo/v30n4/05.pdf>. Acesso em 13 jan. 2014.

Downloads

Publicado

2015-03-15

Como Citar

OLIVEIRA, Driélli Valério de; FAGANELLO, Laís Regina; ROSSI, Andressa; MEDOLA, Fausto Orsi; PASCHOARELLI, Luís Carlos. Aspectos inclusivos da moda com foco nas pessoas com deficiência visual. Modapalavra e-periódico, Florianópolis, p. 116–139, 2015. DOI: 10.5965/1982615x09012015116. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/modapalavra/article/view/6719. Acesso em: 24 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos