RELATO DE EXPERIÊNCIA DE UMA OPERAÇÃO DO NÚCLEO EXTENSIONISTA RONDON (NER-UDESC)

APONTAMENTOS DA APLICAÇÃO DE UMA OFICINA SOBRE A TEMÁTICA SEXUALIDADE

Autores

  • Willian Clemente dos Passos Universidade Federal de Santa Catarina
  • Lívia da Cruz
  • Katia Alexandre

DOI:

https://doi.org/10.5965/2594641205012021171

Palavras-chave:

Extensão Universitária, Núcleo Extensionista Rondon (NER), Sexualidade, Gênero

Resumo

Compreende-se a indissociabilidade entre o ensino, a pesquisa e a extensão no que cabe à sustentação e formação da instituição universitária, como a etapa de desenvolvimento técnico e profissional da comunidade que representa, atua e se forma nesse espaço. E tendo a ciência de que as práticas interventivas e formativas nesses espaços possuem variação, é pertinente investir na aproximação entre os saberes científicos, populares e, principalmente, humanizados, o que é reforçado pelas ações de extensão. Desta forma, o presente trabalho tem como objetivo apresentar os resultados obtidos a partir da aplicação de uma oficina desenvolvida e aplicada com a temática sexualidade durante uma Operação do Núcleo Extensionista Rondon da Universidade do Estado de Santa Catarina (NER-UDESC) intitulada de Operação Elpídio Barbosa, que ocorreu no município de Joinville no ano de 2015. A sexualidade humana, tema desta oficina, é representada por uma diversidade de aspectos, perspectivas e expressões, no entanto, para o desenvolvimento da oficina em questão, optou-se por focar em três pontos essenciais: identidade de gênero, orientação sexual e sexo biológico. A oficina foi aplicada com três grupos de estudantes, de 13 a 16 anos e teve duração de 90 minutos cada, somando ao todo 50 participantes. A oficina baseou-se na apresentação de um boneco e uma boneca, desenhados em uma folha e representado(a) por três pontos: 1 - a cabeça (espaço das ideias); 2 - o tronco (espaço das emoções); 3 - as genitálias/cromossomos (gênero e interesse sexual); e na motivação aos(as) participantes em apresentarem e compartilharem suas impressões sobre cada um dos pontos. Os resultados apresentados e discutidos neste trabalho foram coletados a partir destes discursos, falas e apontamentos realizados pelos(as) participantes, dos quais podemos destacar: o debate sobre a disposição de um banheiro unissex em empatia com os(as) colegas homossexuais e transgêneros e a minimização da caracterização pelo sexo biológico; as diferenças nos tratamentos no ambiente escolar e familiar demarcadas pelo gênero do(a) estudante; e as reflexões norteadas pelo modo que as relações sociais são constituidas, na percepção fragilizada sobre os discursos verbalizados pelos(as) jovens, e da urgência da legitimação política dos mesmos. Por fim, concluímos com o presente trabalho que a extensão universitária permite que os diálogos entre a teoria e a prática ultrapassem o ambiente acadêmico, e se envolva com a comunidade geral, e que as Operações e Ações do NER-UDESC tem promovido encontros, debates e atividades pautadas na lógica do compartilhamento de saberes e de aproximação entre o ambiente acadêmico e a comunidade. Exposto isso, esperamos que este trabalho contribua para uma maior valorização da extensão universitária, bem como no aumento do interesse de estudantes, professores(as) e técnicos(as) em participar destas ações.

Referências

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Parâmetros curriculares nacionais: Orientação sexual: temas transversais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998. p. 287-338. Disponível em: https://cptstatic.s3.amazonaws.com/pdf/cpt/pcn/volume-10-6-temas-transversais-orientacao-sexual.pdf. Acesso em: 17 fev. 2021.

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Decreto nº 5.773/06. Qual é a diferença entre faculdades, centros universitários e universidades. 2018. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/decreto/d5773.htm. Acesso em: 15 fev. 2021.

COMISSÃO PARA A CIDADANIA E A IGUALDADE DE GÉNERO (CIG). Presidência do Conselho de Ministros. Glossário - orientação sexual, identidade e expressão de género e características sexuais. Portugal, 2021. Disponível em: https://www.cig.gov.pt/lgbti/glossario-orientacao-sexual-identidade-expressao-genero-caracteristicas-sexuais/. Acesso em: 18 fev. 2021.

GOHN, M. G. Educação Não Formal, Aprendizagens e Saberes em Processos Participativos. In: Investigar em Educação: Revista da Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação, (1), 35-50. 2014. Disponível em:

http://pages.ie.uminho.pt/inved/index.php/ie/article/view/4 . Acesso em: 20 out. 2020

LOURO, G. L.. Pedagogias da sexualidade. In: LOURO, G. L. (Org.). O corpo educado: Pedagogias da sexualidade. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2010. p. 7-34.

MACHADO, M. R. de L. A Indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão na educação a distância: Desafios e experiências. In: CORRADI, W. [et al.] (organizadores). Extensão universitária na EAD: Desafios e experiências da indissociabilidade entre pesquisa, ensino e extensão. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2019. p. 77-94. Disponível em: https://www.ufmg.br/ead/wp-content/uploads/Extens%C3%A3oEaD_comcapa.pdf. Acesso em: 17 fev. 2021.

MELO, S. M. M. de. (Org.). Por que ainda ficamos inibidos diante do tema sexualidade? In: MELO, S. M. M. de. (Org.) Educação e sexualidade. 2.ed. rev. Florianópolis: UDESC/CEAD/UAB, 2011. p. 15-34.

PEREIRA, T. T. e SIERRA, J. C. Uma ficção biológico-conservadora: discursos de ódio contra as dissidências sexuais e de gênero e seus impactos na educação. In: Retratos da Escola - Escola de Formação da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (Esforce). A batalha em torno do gênero: a Educação Básica contra ataca, v. 14, n. 28. Brasília: CNTE, jan./abr. 2020. p. 39-56. DOI: https://doi.org/10.22420/rde.v14i28.1099. Acesso em: 17 fev. 2021.

PINSKY, C. B. Estudos de Gênero e História Social. In: Revista Estudos Feministas, v. 17 n. 1. 2009. Disponível em: DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-026X2009000100009. Acesso em: 12 nov. 2018.

SCHIBELINSKI, D. “Isso é coisa do capeta!”: o papel da “ideologia de gênero” no atual projeto político de poder. In: Retratos da Escola - Escola de Formação da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (Esforce). A batalha em torno do gênero: a Educação Básica contra ataca. v. 14, n. 28. Brasília: CNTE, jan./abr. 2020. p. 15-38. DOI: https://doi.org/10.22420/rde.v14i28.1131. Acesso em: 17 fev. 2021.

SEFFNER, F. Cultura escolar e questões em gênero e sexualidade: o delicado equilíbrio entre cumprir, transgredir e resistir. In: Retratos da Escola - Escola de Formação da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (Esforce). A batalha em torno do gênero: a Educação Básica contra ataca. v. 14, n. 28. Brasília: CNTE, jan./abr. 2020. p. 75-90. DOI: https://doi.org/10.22420/rde.v14i28.1095. Acesso em: 17 fev. 2021.

SOUSA, A. I. O que nos une ou deve nos unir na Graduação, Extensão, Pesquisa e Pós-Graduação? In: XXI ForGRAD Nacional 2018. Diversidade na Educação Superior: há possibilidade de uma identidade nacional? João Pessoa, 26/10/2018. Disponível em: http://forgradnacional2018.ifpb.edu.br/wp-content/uploads/2018/10/Ana-In%C3%AAs-Sousa.pdf. Acesso em: 28 out 2020.

TINTO, V. Dropout from higher education: A theoretical synthesis of recent research. Review of Educational Research, 45, 89-125, 1975.

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA (UDESC). Catálogo de Extensão Udesc 2016. Santa Catarina, 2016. Disponível em: https://www.udesc.br/nucleorondon. Acesso em: 16 fev. 2021.

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA (UDESC). Extensão. 2021. Disponível em: https://www.udesc.br/nucleorondon. Acesso em: 16 fev. 2021.

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA (UDESC). Extensão. 2021. Disponível em: https://www.udesc.br/udescpesquisa/gruposdepesquisa. Acesso em: 16 fev. 2021.

Downloads

Publicado

2021-09-30

Como Citar

PASSOS, W. C. dos; CRUZ, L. da; ALEXANDRE, K. . RELATO DE EXPERIÊNCIA DE UMA OPERAÇÃO DO NÚCLEO EXTENSIONISTA RONDON (NER-UDESC): APONTAMENTOS DA APLICAÇÃO DE UMA OFICINA SOBRE A TEMÁTICA SEXUALIDADE. Cidadania em Ação: Revista de Extensão e Cultura, Florianópolis, v. 5, n. 1, p. 171-184, 2021. DOI: 10.5965/2594641205012021171. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/cidadaniaemacao/article/view/19920. Acesso em: 28 out. 2021.