Singularidades em cena: como subverter a lógica normatizadora

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/19843178182022e0029

Palavras-chave:

Inclusão, Normatização, Corpo exotizado, Singularidades, Dança contemporânea

Resumo

Quando falamos sobre os estudos relacionados à inclusão podemos elaborar um histórico de como a discussão foi entendida em diferentes momentos: segregação, inserção da pessoa com deficiência nos espaços sociais, estratégias inclusivas reconhecendo as necessidades de cada sujeito. Nos últimos anos, outro modo de pensar o assunto está em pauta: a deficiência incorporada na lógica de mercado e sua captura como um produto. Autores como Mitchell e Snyder (2015) e Pelbart (2013) são fundamentais para esta pesquisa. O artigo é centrado em exemplos da dança contemporânea, como os artistas Jérôme Bel e Claire Cunningham, para refletir sobre como a normatização tem afetado o universo das artes do corpo. Muitas companhias ainda trabalham em uma perspectiva que reafirma a superação de limites e o apagamento das singularidades – utilizando a cópia de corpos sem deficiência. Assim, busca-se reconhecer os processos normalizadores que têm sido recorrentes na dança, mas também apresentar os trabalhos que conseguem garantir a existência da diversidade no palco, promovendo o debate que parte da singularidade, não da padronização corporal. Espera-se que o artigo possa corroborar estudos de inclusão e artes, ao sinalizar a potência dos artistas com deficiência quando não estão sujeitos aos padrões da normatização.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Virgínia Laís de Souza, Universidade de São Paulo

Possui Doutorado (2017) e Mestrado (2013) em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Graduação em Comunicação das Artes do Corpo (2008) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, com habilitação em dança e performance, e Graduação em Pedagogia (2013) pela Universidade de São Paulo. Atualmente é docente de graduação na Faculdade Estácio de Santo André e na pós graduação da PUC/SP, no curso de Especialização na Técnica Klauss Vianna.

Referências

BARROS, Manoel de. Livro sobre nada. São Paulo: Alfaguara, 2016.

BIANCHI, Paloma. Corporeidades dissonantes: reflexões sobre o espetáculo Disabled Theater. Revista Sala Preta, São Paulo, v. 16, n. 2, p. 145-156, 2016.

BRASIL. Declaração de Salamanca. Brasília: Coordenadoria Nacional para Integração da Pessoa Portadora de Deficiência, 1994. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/salamanca.pdf Acesso em: 17 mar. 2020.

COLLINS, Patricia Hill. What’s in a name? Womanism, Black feminism and beyond. The black scholar, vol. 26, n. 1, p. 9-17, 1996.

COURTINE, Jean-Jacques. Decifrar o corpo: pensar com Foucault. Trad. Francisco Morás. Petrópolis: Vozes, 2013.

MITCHELL, David T.; SNYDER, Sharon L. The biopolitics of Disability – neoliberalism, ablenationalism, and peripheral embodiment. Ann Arbor: University of Michigan Press, 2015.

MUNHOZ, Angelica Vier. Jérôme Bel e o grau zero: dançar, ensinar, viver. Revista Contemporânea de Educação, Rio de Janeiro, v. 13, n. 28, p 844-856, 2018.

PELBART, Peter Pál. O avesso do niilismo – cartografias do esgotamento. São Paulo: n-1, 2013a.

PELBART, Peter Pál. Viver não é sobreviver: para além da vida aprisionada. In: Seminário Internacional Educação Medicalizada: reconhecer e acolher as diferenças, 2013b, São Paulo. Conferência de abertura. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=qaHSIm91OII Acesso em: 17 mar. 2020.

SÃO PAULO (estado). Relatório mundial sobre a deficiência. World Health Organization, The World Bank. Trad.: Lexicus Serviços Linguísticos. São Paulo: SEDPcD, 2012. 334 p. Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/44575/9788564047020_por.pdf?sequence=4 Acesso em: 17 mar. 2020.

SOUZA, Virgínia Laís. Quando o monstro convoca a resistência biopolítica: estratégias comunicativas na arte e na vida. 2017. Tese (Doutorado em Comunicação e Semiótica). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2017.

Downloads

Publicado

29-06-2022

Como Citar

SOUZA, Virgínia Laís de. Singularidades em cena: como subverter a lógica normatizadora. Revista Educação, Artes e Inclusão, Florianópolis, v. 18, p. e0029, 2022. DOI: 10.5965/19843178182022e0029. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/arteinclusao/article/view/17464. Acesso em: 20 abr. 2024.