Mapas conceituais como metodologia para aprendizagem significativa com alunos surdos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/19843178172021e0002%20

Palavras-chave:

Mapas conceituais; Ensino de Surdos; Aprendizagem Significativa;

Resumo

Este trabalho tem por finalidade relatar um trabalho desenvolvido com sete alunos surdos do 4º ano de uma escola de Ensino Fundamental I, com proposta de educação bilíngue em uma cidade do Oeste do Paraná, na qual foram utilizados mapas conceituais como abordagem metodológica, com base na Teoria da Aprendizagem Significativa de David Ausubel. A fim de cumprir com os conteúdos presentes no Projeto Político Pedagógico da escola, a professora regente que ministra de forma interdisciplinar as disciplinas de Português, Matemática, História, Geografia, Ciências e Ensino Religioso, buscou pensar em temas que pudessem ser geradores da aprendizagem dos conteúdos que deveriam ser explorados em cada disciplina. A partir do tema gerador “Alimentação Saudável – Pirâmide Alimentar”, definido para o desenvolvimento das atividades que englobaram de forma mais ampla os conteúdos selecionados, organizou atividades e materiais a serem utilizados para facilitar a aprendizagem da temática. Verificou-se que os Mapas Conceituais se configuram como uma abordagem metodológica importante que contribui para a Aprendizagem Significativa e que auxiliaram os estudantes surdos na compreensão dos conceitos especialmente pelo potencial visual que oferecem.

Referências

ALVAREZ, A. M. Processamento Auditivo: Processamentos e Terapias. São Paulo: Editora Lovise, 2001.

AUSUBEL, D. P.; NOVAK, J. D.; HANESIAN, H. Psicologia educacional. Rio de Janeiro: Editora Interamericana, 1980.

AUSUBEL, D. P. A aprendizagem significativa. São Paulo: Moraes, 1982.

BARHAM, J.; BISHOP, A. Mathematics and the deaf child. In: K. Durkin; B. Shire (Eds.). Language in Mathematical Education: Research and Practice. Philadelphia: Open University Press, 1991.

BRASIL. República Federativa do Brasil. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: DF, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm . Acesso em: 01 mar. 2021.

BRASIL. Ensino de Língua Portuguesa para Surdos: Caminhos para uma Prática Pedagógica. Secretaria de Educação Especial. Brasília: SEESP, 2004.

CAMPELLO, A. R. Pedagogia Visual: sinal na educação dos surdos. In: QUADROS, R. M.; PERLIN, G. (Orgs.). Estudos Surdos II. Petrópolis: Arara Azul, p. 100-131, 2007.

FILATRO, A.; CAIRO, S. Produção de Conteúdos Educacionais: Design instrucional, tecnologia, gestão, educação e comunicação. São Paulo: Saraiva, 2015.

KOCHHANN, A.; MORAES, A. C. Aprendizagem significativa na perspectiva de David Ausubel. Anápolis: Editora da Universidade de Goiás, 2014.

LOBATO, H. K. G.; BENTES, J. A. de O. O uso de Mapas Conceituais na Pesquisa de Representações Sociais. In: OLIVEIRA, I. A. de; OLIVEIRA, W. M. M. de; LOBATO, H. K. G. (Orgs.). Pesquisa educacional sobre representações sociais: o uso da técnica do desenho e dos mapas conceituais. São Carlos: Pedro & João Editores, 2017.

MACHADO, P. C. A política Educacional de Integração/Inclusão – Um Olhar do Egresso Surdo. Florianópolis: Ed. UFSC, 2008.

MORAN, J. M. Mudando a educação com metodologias ativas. In: SOUZA, C. A. de; MORALES, O. E. T. (Org.). Convergências Midiáticas, Educação e Cidadania: aproximações jovens. Ponta Grossa: Foca, 2015.

MOREIRA, M. A. Aprendizagem significativa: da visão clássica à visão crítica. In: Encontro internacional sobre aprendizagem significativa, V. Madri: 2006. Disponível em: http://twixar.me/JWg1. Acesso em: 02 mar. 2021.

MOREIRA, M. A. Mapas conceituais e aprendizagem significativa. Cadernos da Aplicação, v. 11, nº 2, p. 143-156, 2012a.

MOREIRA, M. A. O Que é Afinal Aprendizagem Significativa? Qurriculum, La Laguna, Espanha, 2012b. Disponível em: http://twixar.me/zWg1. Acesso em: 02 mar. 2021.

MOREIRA, M. A. Organizadores prévios e aprendizagem significativa. Revista Chilena de Educación Científica, v. 7, nº 2, p. 23-30, 2012c.

MOREIRA, M. A. Aprendizagem significativa em mapas conceituais. In: Workshop sobre mapeamento conceitual, I, SP, USP/Leste, 2013. Disponível em: http://encurtador.com.br/uyFZ9. Acesso em: 02 mar. 2021.

MOREIRA, M. A. Teorias de Aprendizagem. São Paulo: E.P.U, 2018.

OLIVEIRA, E. B.; PAIXÃO, G. S.; SANTOS, F. N.; SAMPAIO, B. S. Temas geradores como contribuição metodológica para a prática docente. Revista Kiri Kerê. v. 2, nº 1, p. 8-19, 2017. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/kirikere/article/view/14300. Acesso em: 01 mar. 2021.

QUADROS, R. M; CRUZ, C. R. Língua de sinais: instrumentos de avaliação. Porto Alegre: Artmed, 2011.

RIBEIRO, L. O. M.; RIBEIRO, W. O. Espaço Vivido e Aprendizagem Significativa: o Educando com Deficiência Visual nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental. Educação, Artes e Inclusão, v. 14, n. 4, p. 57-77, 2018. Disponível em: http://encurtador.com.br/dfnV6. Acesso em: 02 mar. 2021.

RODRIGUES, M. E. C. Etapas para elaboração do tema gerador. In: FÓRUM DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS. Goiânia, 2000. Disponível em: http://twixar.me/L32K. Acesso em: 01 mar. 2021.

RUDNER, L. M. Using Standard Tests with the Hearing Impaired: The problem of item bias. Volta Review, v. 80, nº 1, p. 31-40, 1978.

SKLIAR, C. Educação e exclusão: abordagem socioantropológica em Educação Especial. Porto Alegre: Mediação, 1997.

TAVARES, R. G. Aprendizagem Significativa. Conceitos. v. 10, nº 1, p. 55-60, 2004.

TOZONI-REIS, M. F. C. Temas ambientais como ‘temas geradores’: contribuições para uma metodologia educativa ambiental crítica, transformadora e emancipatória. Educar, v. 27, nº 1, p. 93-110, 2006.

Downloads

Publicado

2021-06-17