Práticas educativas no Museu de Arte do Rio

Autores

  • José Alberto Romaña Díaz Universidade do Vale do Taquari
  • Angélica Vier Munhoz Universidade do Vale do Taquari

Palavras-chave:

Museu de Arte do Rio, Arte, Educação, Práticas Educativas

Resumo

A presente investigação partiu de uma doca de pesquisa, o Grupo de Pesquisa Currículo, Espaço, Movimento (CEM), para uma imersão no MAR – o Museu de Arte do Rio, no Rio de Janeiro. Mergulhar no MAR teve como propósito compreender de que modo um museu pode tecer tramas entre educação e a arte por meio de práticas educativas permeadas por um registro poético. Museu, educação, mediação e práticas educativas tornaram-se as noções para operar esta investigação. Destaca-se a aproximação de autores que têm se ocupado em estudar a instituição museu, como Tony Bennett, Carol Duncan e George Yúdice. A carta de MAReAR – processo que implicou mergulhar, ir e voltar, traçar mapas, tornando-se o próprio procedimento metodológico da referida investigação; possibilitou imergir em espaços ainda não pensados, marear territórios existenciais inéditos, vivenciar práticas educativas. Os resultados da investigação ajudaram a compreender que práticas educativas inventivas, construídas pelos educadores do MAR, podem ser produtoras de novas experiências de ensinar e aprender. Além disso evidenciou-se que a tensão existente entre professor e educador de museus parece um reflexo da tensão arte versus educação. Destaca-se que a presente investigação foi realizada com apoio da CAPES, Brasil, sob o Código de Financiamento 001.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Alberto Romaña Díaz, Universidade do Vale do Taquari

Bolsista de Mestrado CAPES, PPG Ensino/ UNIVATES. Possui Diplomado em Psicologia Clínica e graduação em Psicologia pela Universidade Minuto de Dios; campus Bello (Antioquia, Colômbia). Atualmente Integrante (desde 2014) do grupo de pesquisa Currículo, Espaço, Movimento (CEM/CNPq/Univates), e Voluntário do projeto de Extensão Pensamento Nômade.

Angélica Vier Munhoz, Universidade do Vale do Taquari

Possui graduação em Pedagogia pela Pontifícia Universidade Católica, PUCRS (1987); Mestrado (2003) e Doutorado (2009) em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), com estágio doutoral (Capes) na Université Paris VIII (Vincennes Saint Denis), Departements de Arts, Philosophie et Esthétique. Atualmente é professora Titular da Universidade do Vale do Taquari - Univates atuando nos cursos de graduação em Pedagogia e Psicologia e no Programa de Pós-graduação - Mestrado e Doutorado em Ensino e Mestrado Profissional em Ensino de Ciências Exatas. É líder do Grupo de pesquisa Currículo, Espaço, Movimento (CEM/Univates/CNPq) e integra o Grupo de pesquisa Escrileituras da diferença em Filosofia-educação (UFRGS/CNPq). Coordena o projeto de extensão Formação pedagógica e pensamento nômade. Atua na área de educação com ênfase em currículo, aprendizagem, corpo e Filosofia da diferença.

 

Referências

ADÓ, M. D. L.; CORAZZA, S. M. La escrita sociográfica como didáctica transcreadora y productora de presencia. ETD: Educação Temática Digital, Campinas/SP, v. 17, n. 2, p. 271-288, maio/agos, 2015. Disponível em: <https://goo.gl/2tdeMC>. Acesso em: 25 mai de 2018.

BARRETT, J. Museums and the Public Sphere. Chichester: Wiley-Blackwell, 2011, 204 p.

BENNETT, T. The Birth of the Museum: History, Theory, Politics. London and New York: Routledge, 1995, 278 p.

BOING, Maria Clara B. A educação praticada no/com o MAR: o que nos dizem gestos e narrativas dos educadores do museu? 2015. 106 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro, 2016.

CANÔNICO, M. A.; CYPRIANO, F. Leia a íntegra da entrevista com Paulo Herkenhoff, diretor do Museu de Arte do Rio. Ilustrada, Folha de São Paulo. São Paulo, 28 fevereiro 2013. Disponível em: <https://goo.gl/XVk3oo>. Acesso em : 5 de mai de 2018.

CASTRO, M. V.; NIKITA, D. Breaking the Rules: Education and Post-Colonialism. Diaphanes, Zürich, v. 12, p. 317-332, 2009. Disponível em: <https://goo.gl/AHFfZc>. Acesso em : 15 de jul de 2017.

CHAGAS, M.; NASCIMENTO J. Subsídios para a criação de Museus Municipais. Rio de Janeiro: Ministério da Cultura/Instituto Brasileiro de Museus e Centros Culturais/Departamento de Processos Museais, 2009, 40 p. Disponível em: <https://goo.gl/Pqsrto>. Acesso em: 10 de jul de 2018.

CORAZZA, S. Didática da tradução, transcriação do currículo (uma escrileitura da diferença). Pro-Posições. v. 26, n. 1. Campinas,SP. 2015. Disponível em: <https://goo.gl/JCSKJ7>. Acesso em: 22 set 2017.

DALLA ZEN, Laura Habckost. O dispositivo pedagógico da arte. 2011. 108f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Programa de Pós-graduação em Educação, UFRGS, Porto Alegre, 2011.

DALLA ZEN, Laura Habckost. O lugar das experiências culturais na constituição de um ethos docente. 2016. 203 f. Tese (Doutorado) - Programa de Pós-graduação em Educação, UFRGS, Porto Alegre, 2017.

DELEUZE, G. Foucault. Minneapolis: University of Minnesota Press, 1988b, 209 p. Tradução de Seán Hand.

DÍAZ. J. R.; MUNHOZ, A. V. Economia Ambiental y Biopolítica: a experiência de uma escola colombiana. Revista Perspectiva. Florianópolis, v. 36, n. 1, p. 296-307. 2018.

DUNCAN, C. Civilizing Rituals: Inside Public Art Museums. New York: Routledge, 1995, 178 p.

FOUCAULT, M. Em defesa da sociedade. São Paulo: Martins Fontes, 1999, 357 p. Tradução de Maria Ermantina Galvão.

FOUCAULT, M. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. 30. ed. Petrópolis: Vozes, 2005, 288p. Tradução de Raquel Ramalhete.

FOUCAULT, M. Nascimento da biopolítica. São Paulo: Martins Fontes, 2008, 363 p. Tradução de Eduardo Brandão.

GALEANO, E. O livro dos abraços. Porto Alegre: L&PM, 9.ed, 2002, 219 p.Tradução de Eric Nepomuceno.

GUEDES, Betina S. Nos arquivos da bienal do mercosul: democratizar, educar, investir. 2015. 228 f. Tese (Doutorado) - Programa de Pós-graduação em Educação, UNISINOS, Porto Alegre, 2015.

JOVÉ, G. M.; FERRERO, M. O.; SELFA, M. S.. A la derriba: una propuesta de enseñanza y aprendizaje a través del arte contemporáneo. ASRI: Arte y sociedad. Revista de investigación. Málaga/ESP, n. 12, p. 15-25, 2017. Disponível em: < https://goo.gl/es7Vpm>. Acesso em: 15 de agos de 2018.

MARTINS, Mirian Celeste. Verbete Mediação. In: Instituto Brasileiro de Museus. Caderno da Política Nacional de Educação Museal. Brasília, DF: IBRAM, 2018, 132 p

MÖRSCH, C. En una encrucijada de cuatro discursos. Educación en museos y mediación educativa en la documenta 12: entre la afirmación, la reproducción, la deconstrucción y la transformación. In: CEVALLOS, A. (org.). Contradecirse una misma, Museos y mediación educativa crítica. Quito: Alcaldía de Quito. 2013, 213 p. Traducción de N.Landkammer; C. Molestina; J.Rodrigo. Disponível em: <https://goo.gl/fTvHfY>. Acesso em : 10 de outu de 2016.

MUSEU DE ARTE DO RIO (MAR). Escola do Olhar: práticas educativas do Museu de Arte do Rio 2013­-2015; Melo, J. (Org). Rio de Janeiro: Instituto Odeon, 2016, 103 p.

PASSOS, E.; BENEVIDES, R. A cartografia como método de pesquisa-intervenção. In: PASSOS, Eduardo.; KASTRUP,Virgínia & DA ESCÓSSIA, Liliana. (Orgs). Pistas do método da cartografia: Pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2015, p.17-32.

YÚDICE, G. Museu molecular e desenvolvimento cultural. In: NASCIMENTO JUNIOR, José do (Org.). Economia de museus. Brasília: MINC/IBRAM, 2010, p.21-54.

Downloads

Publicado

2019-04-01

Como Citar

ROMAÑA DÍAZ, J. A.; MUNHOZ, A. V. Práticas educativas no Museu de Arte do Rio. Revista Educação, Artes e Inclusão, Florianópolis, v. 15, n. 2, p. 208-232, 2019. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/arteinclusao/article/view/14157. Acesso em: 30 nov. 2022.