A presença que se produz na escuta do outro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/198431781820231e0040

Palavras-chave:

deficiência visual, inclusão, jogos de improvisação, teatro na escola

Resumo

Discutir as novas possibilidades do teatro e dos processos cênicos pode ser um caminho para compreendermos os redimensionamentos que tais temáticas alcançam na contemporaneidade, considerando, inclusive, novos processos pedagógicos em contexto escolar. Nesse sentido, apresentamos uma provocação relativa à ideia de que a presença pode ser produzida a partir da escuta do outro. Tomamos como referência para tal empreitada, a experiência que tivemos a partir de um estudo de mestrado, com jovens entre 13 e 17 anos de uma escola pública na cidade de Natal/RN, utilizando a metodologia das oficinas pedagógicas e dos jogos de improvisação. O estudo possibilitou que avançássemos na experimentação de um processo que procura redimensionar o conceito de presencialidade no teatro, por meio da transposição da cena teatral, tendo como referência a sonoridade como desdobramento cênico. Dessa forma, instaura-se um jogo de convergência e distinções entre presença (cena teatral) e ausência (cena sonora), cujos resultados permitiram aferir que a expansão do processo cênico se deu de forma a deflagrar nos alunos princípios alteritários relacionados a novas formas de perceber a si e ao outro, além de provocar a experiência de que a recepção por meio da matriz da audibilidade pode expandir a compreensão da presença cênica e, no caso deste estudo, da própria ideia de inclusão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thiago de Lima Torreão Cerejeira, Federal University of Rio Grande do Norte

Possui Graduação em Educação Artística - Licenciatura Plena com habilitação em Artes Cênicas (2006) e Mestrado em Educação (2020) pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Especialização em Artes Visuais: Cultura e Criação (2014) pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (SENAC) e em Mídias na Educação (2020) pela Universidade Estadual do Rio Grande do Norte (UERN). Aperfeiçoamento em Audiodescrição na Escola (2019) pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). É Membro do Grupo de Trabalho e Acessibilidade (GTA) do Centro de Educação (UFRN), da Comissão de Acessibilidade do Museu Câmara Cascudo (MCC/UFRN) e Consultor em audiodescrição e acessibilidade comunicacional do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN).

Jefferson Fernandes Alves, Federal University of Rio Grande do Norte

Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (1991), mestrado em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (1997) e doutorado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (2004). Professor Associado do Departamento de Práticas Educativas e Currículo, do Centro de Educação/UFRN. É membro dos Programas de Pós-Graduação em Educação e em Artes Cênicas da UFRN. Orienta e pesquisa na interface Arte, Deficiência e Acessibilidade, com ênfase na relação Teatro e Deficiência Visual.

Referências

ALVES, Jefferson Fernandes. Audiodescrição e recepção teatral: um diálogo (im)pertinente entre o invisível e o visível da cena. In: DESGRANGES, Flávio.

SIMÕES, Giuliana (Orgs.). O Ato do Espectador: perspectivas artísticas e pedagógicas. São Paulo: Hucitec Editora, 2017. p. 181-195.

ARAÚJO, José Sávio. O papel da tecnologia cênica e seus desdobramentos para uma economia da produção cultural no Nordeste. Moringa. João Pessoa, Vol. 2, n. 1, 113-129, jan./jun. de 2011.

BACHELARD, Gaston. A poética do espaço. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2008. (Coleção Tópicos).

BAITELLO JUNIOR, Norval. A era da iconofagia: reflexões sobre a imagem, comunicação, mídia e cultura. São Paulo: Paulus, 2014.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2017.

BUSATTO, Cléo. Práticas de oralidade na sala de aula. 1. ed. São Paulo: Cortez, 2010. (Coleção Oficinas aprender fazendo).

DESGRANGES, Flávio. A pedagogia do teatro: provocação e dialogismo. 3. ed. São Paulo: Hucitec, 2017.

DUBATTI, Jorge. Teatro, convívio e tecnovívio. In: CARREIRA, André Luiz Antunes Netto; BIÃO, Armindo Jorge De Carvalho; NETO, Walter Lima Torres (orgs.). Da cena contemporânea. Porto Alegre: VI Reunião Científica da ABRACE - Associação Brasileira de Pesquisa e Pós-Graduação em Artes Cênicas, 2011. p. 12-39.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. Produção de Presença: o que o sentido não consegue transmitir. Rio de Janeiro: Contraponto, 2010.

JOBIM E SOUZA, Solange; ALBUQUERQUE, Elaine Deccache Porto e. A pesquisa em ciências humanas: uma leitura bakhtiniana. Revista Bakhtiniana, São Paulo, v. 7, p. 109- 122, Jul./Dez. 2012.

LÉVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 1999.

PASSERINO, liliana Maria. A tecnologia assistiva na política pública brasileira e a formação de professores: que relação é essa? In: BAPTISTA, Claudio Roberto.(Org.). Escolarização e deficiência: configurações nas políticas de inclusão escolar. São Carlos/SP: Marquezine & Manzini; ABPEE, 2015, p. 189- 204

SCHAFER, R. Murray. O ouvido pensante. São Paulo: UNESP, 1991.

SPOLIN, Viola. Jogos teatrais na sala de aula: um manual para o professor. São Paulo: Perspectiva, 2007.

ZUMTHOR, Paul. Performance, recepção, leitura. 2. ed. São Paulo: Cosac Naify, 2007.

Downloads

Publicado

12-07-2023

Como Citar

CEREJEIRA, Thiago de Lima Torreão; ALVES, Jefferson Fernandes. A presença que se produz na escuta do outro. Revista Educação, Artes e Inclusão, Florianópolis, v. 19, n. 1, p. e0040, 2023. DOI: 10.5965/198431781820231e0040. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/arteinclusao/article/view/e0040. Acesso em: 25 maio. 2024.