Ácido salicílico e cobertura de solo no cultivo de physalis

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/223811712232023429

Palavras-chave:

Physalis peruviana, Elicitores, Cobertura de solo, Indução a resistência

Resumo

O objetivo neste trabalho foi verificar a influência da aplicação de diferentes concentrações de ácido salicílico e distintas coberturas de solo no cultivo de physalis (Physalis peruviana L). O trabalho foi desenvolvido na área experimental da Universidade Federal da Fronteira Sul, Laranjeiras do Sul-PR. Foram utilizadas mudas de physalis produzidas em casa de vegetação. A campo foram submetidas a cinco concentrações de ácido salicílico (0, 0,001, 0,002, 0,003, 0,004 Mol L-¹), e três coberturas de solo (palhada de gramínea, eucalipto e testemunha sem palhada). Nas avaliações de pré-colheita, o delineamento experimental foi de blocos ao acaso, em esquema fatorial 3x5. Para as avaliações pós-colheita o delineamento experimental foi 3x5x2, sendo considerado também o mês de colheita. Não houve interação entre os fatores para as variáveis analisadas. Para altura e diâmetro, presença de insetos, incidência e severidade de doenças foliares, somente o fator concentrações de ácido salicílico influenciou. Na pós-colheita somente o mês de colheita interferiu nos fatores, sendo a colheita de setembro com maior número e massa dos frutos, mas também o maior ataque de insetos e doenças. Concluiu-se com este trabalho que a aplicação de ácido salicílico influenciou no desenvolvimento de plantas de physalis.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABDEL-MONAIM MF. 2013. Improvement of biocontrol of damping-off and root rot/wilt of faba bean by salicylic acid and hydrogen peroxide. Mycobiol 41: 47-55.

AGROCERES. 1994. Guia Agroceres de Sanidade. São Paulo: Agroceres. 56 p

AL-SOHAIBANI SA et al. 2011. Influence of some biotic and abiotic inducers on root rot disease incidence sweet basil. African J Microbiol Res 5: 3628-3639.

ALVARENGA RC et al. 2001. Plantas de cobertura de solo para sistema plantio direto. Informe agropecuário 22: 25-36.

ANDRADE SB et al 2017. Qualidade pós-colheita de pêssegos cv. maciel submetidos a aplicação de diferentes doses de ácido salicílico. Revista da Jornada de Pós-Graduação e Pesquisa: 2389-2404.

AZEVEDO LAS & LEITE OMC. 1995. Manual de quantificação de doenças de plantas. São Paulo: Ciba Agro, 48 p.

BAI SH et al. 2014. The impact of mulch type on soil organic carbon and nitrogen pools in a sloping site. Biology and fertility of soils 50: 37-44.

BALE JS et al. 2002. Herbivory in global climate change research: direct effects of rising temperature on insect herbivores. Global Change Biology 8: 1-16.

BAXTER HL & STEWART Jr CN. 2013. Effects of alter lignin biosynthesis phenyl propanoid metabolism and plant stress. Biofuels 4: 635-650.

BERTONCELLI DJ et al. 2015. Ácido salicílico na indução de resistência a doenças em pepino e controle de Pythium sp. in vitro. Revista de Ciências Agroveterinárias 14: 124-131.

BETEMPS DL et al. 2014. Época de semeadura, fenologia e crescimento de plantas de fisális no sul do Brasil. Revista Brasileira de Fruticultura 36: 179-185.

BORSATTI FC et al. 2015. Indução de resistência e qualidade pós-colheita de amora-preta tratada com ácido salicílico. Revista Brasileira de Fruticultura 37: 318-326.

BRASIL. 2003. Lei n. 10.831, de 23 de dezembro de 2003. Dispõe sobre a agricultura orgânica e dá outras providências. Brasília: Diário Oficial da União.

CALVIGLIONE JH et al. 2000. Cartas Climáticas do Paraná. Londrina: IAPAR. CD.

CHAVAN RF & SAKHALE BK. 2020. Studies on the effect of exogenous application of salicylic acid on post-harvest quality and shelf life of tomato fruit Cv. Abhinav. Food Res 4: 1444-1450.

COSTA PAA et al. 2017. Aplicação exógena de ácido salicílico e estresse salino em rúcula cultivada em sistema semi hidropônico. In: IV INOVAGRI International Meeting. Resumos... Fortaleza: IV INOVAGRI International Meeting. 11p.

CRUSCIOL CAC et al. 2013. Aplicação foliar de ácido silícico estabilizado na soja, feijão e amendoim. Revista Ciência Agronômica 44: 404-410.

DA ROSA GG et al. 2020. Ácido Salicílico na pós-colheita de morangos cultivar San Andreas. Revista Iberoamericana de Tecnología Postcosecha 21.

DURRANT WE & DONG X. 2004. Systemic acquired resistance. Annual Review of Phytopathology 42: 185-209.

FAGHERAZZI AF et al. 2017. La coltivazione dei piccoli frutti in sudAmerica: non solo mirtilli. Frutticoltura 7/8. 5p.

FAVARO R et al. 2019. Ácido salicílico: indutor de resistência ao ácaro rajado na cultura do morangueiro. Hortic. Bras. [online] 37: 60-64.

GOMES FB et al. 2005. Resistance induction in wheat plants by silicone and aphids. Scientia Agricola 62: 547-551.

GUYOT MSD et. al. 2015. Agroecologia e resiliência às mudanças climáticas na agricultura familiar: Estudo de caso no Semiárido da Bahia. Piracicaba: ESALQ. 134p.

LIMA CSM et al. 2009. Custos de implantação e condução de pomar de Physalis na região sul do estado do Rio Grande do Sul. Revista Ceres 56: 551-561.

LIZ KM et al. 2020. Ácido salicílico no cultivo e pós-colheita do morangueiro em sistema de produção fora do solo. Revista cultivando o saber 13: 71-85.

MARCHIORO CA et al. 2017. Estimating the development rate of the tomato leaf miner Tuta absoluta (Lepidoptera: Gelechiidae) using linear and nonlinear models. Pest Management Science 73: 1486-1493.

MARO LAC et al. 2013. Bioactive Compounds, antioxidant activity and mineral composition of fruits of raspberry cultivars grown in subtropical areas in Brazil. Fruits 68: 209-217.

MENESES NB et al. 2016. Crescimento e produtividade de alface sob diferentes tipos de cobertura do solo. Revista agroambiental 10: 123-129.

MIRANDA J et al. 2019. Pre-harvest application of salicylic acid influence physicochemical and quality characteristics of ‘Chimarrita’peaches during cold storage. Emirates Journal of Food and Agriculture 31: 46-52.

MUNIZ J et al. 2011. Sistema de condução para cultivo de physalis no planalto catarinense. Revista Brasileira de Fruticultura 33: 830-838.

MUNIZ J et al. 2015. Physalis: panorama produtivo e econômico no Brasil. Horticultura Brasileira 33.

OLIVARES-TENÓRIO ML et al. 2016. Health-promoting compounds in cape gooseberry (Physalis peruviana L.): review from a supply chain perspective. Trends in Food Science & Technology 57: 83-92.

OLIVEIRA JR et al. 2020. Produção de pequenas frutas no brasil: um mercado em potencial. Enciclopédia biosfera 17: 362-379.

PELIZZA TR et al. 2009. Coberturas do solo e crescimento da macieira na implantação de um pomar em sistema orgânico de produção, Revista Brasileira de Fruticultura 31: 739-748.

PEREDA MSB et al. 2019. Nutritional and antioxidant properties of Physalis peruviana L. fruits from the Argentinean northern Andean region. Plant Foods for Human Nutrition 74: 68-75.

PRIMAK TK & LIMA CSM. 2017. Ácido salicílico nas características agronômicas e físico químicas de couve folhas. Revista científica eletrônica de agronomia 32. 14p

RADIN B et al. 2011. Desempenho de quatro cultivares de morangueiro em duas regiões ecoclimáticas do Rio Grande do Sul. Horticultura Brasileira 29: 287-291.

RAMIREZ F et al. 2013. Cape gooseberry (Physalisperuviana L.) phenology according to the bbch phenologicalscale. Scientia Horticulturae 162: 39-42.

RIBEIRO EC et al. 2016. Onion Yield Under Agroecological Farming system using distinct irrigation depths soil covers. Ciência Rural 46: 783-789.

RITCHIE et al. 1992. How a corn plant develops. Ames: Iowa State University of Science and Technology/ Cooperative Extension Service. (Special Report 48).

RUFATO AR. et al. 2013. A cultura da physalis. Bento Gonçalves: Embrapa Uva e Vinho. 67p.

RUFATO L et al. 2008. Aspectos técnicos da cultura da physalis. Lages: CAV/UDESC e Pelotas: UFPel. 100p

SÁNCHEZ GR et al. 2010. El ácido salicílico y su participación en resistencia a patógenos en plantas. Revista de la DES Ciencias Biológico Agropecuarias 12: 90-95.

SANTOS et al. 2013. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 3.ed. Brasília: Embrapa. 353p.

SILVA LCV et al. 2021. Efeito alelopático do extrato foliar de eucalipto na germinação de sementes de tiririca (Cyperus rotundus L.). Brazilian Journal of Animal and Environmental Research 4: 1315-1320.

SILVA MS et al. 2016a. Aplicação exógena do ácido salicílico em maracujazeiro-amarelo para o controle do vírus do endurecimento dos frutos. Arquivos do Instituto Biológico 83: 1-7.

SILVA DF et al. 2016b. The production of Physalis spp. seedlings grown under different-colored shade nets. Acta Scientiarum. Agronomy 38: 257-263.

SOUZA JTA et al. 2018. Macrofauna do solo cultivado com palma forrageira asem e com cobertura edáfica. Acta Biológica Catarinense 5:.33-41.

TAMAOKI D et al. 2013. Jasmonic acid and salicylic acid activate common defense system in rice. Plant Signaling & Behavior 8: e24260.

VAZ JM et al. 2020. Cobertura morta de solo no cultivo orgânico de physalis (Physalisperuviana L.). Brazilian Journal of Development 6: 80113-80130.

VIEIRA JG. 2011. Exogenous application of salicylic acid in beanstalks. Dissertação (Mestrado em Ciências Agrárias). presidente Prudente: Unoeste. 48p.

VILLELA JCB et al. 2014. Caracterização molecular de variedades crioulas de pimentas (Capsicum baccatum) com marcadores microssatélites. Horticultura Brasileira 32: 131-137.

ZAREIE R et al. 2002. Isolation of fungal cell wall degrading proteins from barley (Hordeum vulgare L.) leaves infected with Rhynchosporium secalis. Molecular Plant-Microbe Interactions 15: 1031-1039.

Downloads

Publicado

2023-08-04

Como Citar

VAZ, Juliana Martins; LIMA, Claudia Simone Madruga. Ácido salicílico e cobertura de solo no cultivo de physalis. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 22, n. 3, p. 429–438, 2023. DOI: 10.5965/223811712232023429. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/22940. Acesso em: 17 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigo de Pesquisa - Ciência de Plantas e Produtos Derivados

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)