Caracterização agronômica de plantas de morangueiro de terceiro ciclo de produção cultivadas em substrato

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/223811712242023594

Palavras-chave:

Fragaria x ananassa, slab, vaso, orgânico

Resumo

O morangueiro (Fragaria x ananassa Duchesne) é a principal pequena fruta produzida no Brasil. Essa pode ser cultivada em sistemas de cultivo no solo e/ou substrato, o que permite que esta planta possa ser utilizada por mais de um ciclo produtivo. Dessa forma, o presente trabalho tem como objetivo avaliar o desempenho agronômico de morangueiros de terceiro ciclo de produção cultivados em substrato conduzido de forma orgânica. As cultivares utilizadas foram Randoce (dia curto) e Bella (dia neutro). Os recipientes utilizados foram vasos e slabs. O delineamento experimental foi completamente casualizado em esquema fatorial. As avaliações realizadas foram: número de folhas e coroas, diâmetro da coroa, teor de clorofila total, datas de início de floração e colheita, número de frutas, diâmetro e comprimento de frutas, teor de sólidos solúveis, massa fresca e produção total. Os dados foram comparados pelo teste de Tukey. A cultivar de dia neutro independente do sistema de cultivo, iniciou a floração antecipadamente em relação a de dia curto. Os resultados produtivos foram inferiores aos esperados para a cultura. A temperatura, o baixo acúmulo de reservas das plantas e o consequente aparecimento de pragas e doenças podem ter influenciado no desempenho inferior das plantas de terceiro ciclo. Conclui-se que plantas de morangueiro de terceiro ciclo, independente da cultivar e do recipiente de cultivo, apresentam desempenho agronômico inferior em relação aos dois anos de cultivo anteriores.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Katia Birgeier Baldin, Universidade Federal da Fronteira Sul

.

Welton Schiles Negrelli, Universidade Federal da Fronteira Sul

.

Cláudia Simone Madruga Lima , Universidade Federal da Fronteira Sul

.

Josimeire Aparecida Leandrini , Universidade Federal da Fronteira Sul

.

Rivael de Jesus Oliveira , Universidade Federal da Fronteira Sul

.

Leo Rufato, Universidade do Estado de Santa Catarina

.

Referências

ANDRIOLO JL et al. 2011. Nitrogen levels in the cultivation of strawberries in soil less culture. Horticultura Brasileira 29: 516-519.

ANTUNES LEC et al. 2022. Produção de morango. Revista Campo e Negócios, Anuário HF: 86-88.

ANTUNES LEC et al. 2021. Morango. Produção aumenta ano a ano. Revista Campo e Negócios, Anuário HF: 87-90.

ANTUNES LEC et al. 2016. Morangueiro. 1.ed. Brasília: Embrapa. 590p.

ANTUNES LEC & JUNIOR CR. 2019. Recomendação da Utilização do Sistema de Produção Fora de Solo para Morangueiro. Pelotas: Embrapa Clima Temperado. (Circular Técnica 203). 12p.

ANTUNES MC et al. 2014. Postharvest quality of strawberry produced during two consecutive seasons. Horticultura Brasileira 32:168-173.

ANTUNES OT et al. 2006. Floração, frutificação e maturação de frutos de morangueiro cultivados em ambiente protegido. Horticultura Brasileira 24: 426-430.

BACKES DB et al. 2020. Poda de renovação para segundo ciclo produtivo e origem da muda de morangueiro. Rev. Elet. Cient. da UERGS 6:110-119.

BRASIL. 2012. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução normativa nº 28, de 18 de setembro de 2012. Diário Oficial da União.

CALVETE EO et al. 2008. Fenologia,produção e teor de antocianinas de cultivares de morangueiro em ambiente protegido.Revista Brasileira de Fruticultura 30: 396-401.

CARVALHO SF et al. 2011. Produtividade de cultivares de morangueiro de dia neutro na região de Pelotas- RS. In: XIII ENPOS. Resumos... Pelotas: UFPel. 3p.

CAVIGLIONE JH et al. 2000. Cartas climáticas do Paraná. Londrina: IAPAR. CD.

CECATTO AP et al. 2013. Culture systems in the production and quality of strawberry cultivars Acta Scientiarum. Agronomy 35: 471-478.

COCCO C et al. 2015. Crescimento, desenvolvimento e produção de morangueiro a partir de mudas com diferentes volumes de torrão. Revista Brasileira de Fruticultura 37: 961-969.

COSTA RC et al. 2017. Vegetative stage of strawberry duration determined by the crop year. Revista Brasileira de fruticultura 39: 1-7.

DIAS CN et al. 2015. Produtividade e qualidade do morangueiro sob dois ambientes e doses de biofertilizante. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental19: 961–966.

ESHGHI S et al. 2007. M.Changes in carbohydrate contents in shoot tips, leaves and roots of strawberry (Fragaria x ananassa Duch.) during flower-bud differentiation. Scientia Horticulturae 113: 255–260.

FIELDLER L et al. 2020. Produção e mercados do morango orgânico no município de Cascavel (PR). Revista de extensão e estudos rurais 9: 41-59.

FRANCO EO et al. 2017a. Características físicas e químicas de morango ‘San Andreas’ submetido a diferentes posicionamentos de slab, densidades de plantio e meses de avaliação. Revista Iberoamericana de Tecnología Postcosecha 18: 106-114.

FRANCO EO et al. 2017b. Crescimento e desenvolvimento de morangueiro ‘san andreas’ em diferentes posicionamentos de slab e densidades de plantio em sistema de cultivo em substrato. Revista eletrônica de Agronomia 31: 1-15.

GIMÉNEZ G et al. 2008. Cultivo sem solo do morangueiro. Ciência Rural 38: 273-279.

GODOI R et al. 2009. Produção e qualidade do morangueiro em sistemas fechados de cultivo sem solo com emprego de substratos. Ciência Rural 39: 1039-1044.

HEIDE O et al. 2013. Physiology and genetics of flowering in cultivated and wild strawberries – a review. Journal of Horticultural Science & Biotechnology 88:1-18.

IQBAL N et al. 2012. Analyzing the significance of defoliation in growth, photosynthetic compensation and source sink relations. Photosynthetica 50: 161-170.

JANISCH DI et al. 2012. Nitrogen for growth of stock plants and production of strawberry runner tips.Soil and Plant Nutrition 71: 394-399.

LEITE CD & MEIRA AL. 2012. Fertilidade do solo e nutrição de plantas. Brasília: Coordenação de Agroecologia - Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. 11p.

LIZ KM et al. 2020. Ácido salicílico na produção de morangueiro em substrato. Revista Cultivando o saber 13: 71- 85.

LOPES HR et al. 2019. A cultura do Morangueiro no Distrito Federal. Brasília: Continental Editora e Gráfica Ltda.

MAPA. 2021. Portaria n°52, de 15 de março de 2021. Sistemas orgânicos de produção e as listas de substâncias e práticas para o uso nos sistemas orgânicos de produção.

MAZON S. 2019. Desempenho de cultivares de morangueiro em sistema de bancada sob manejo orgânico para o Sudoeste do Paraná. Dissertação. (Mestrado em Agronomia). Pato Branco: UTFPR. 44p.

MORITZ P et al. 2021. Fenologia, produção e produtividade de cinco genótipos de morangueiro nas condições edafoclimáticas do Município de Laranjeiras do Sul – PR. Research, Society and Development 10:1-11.

OLIVEIRA RP et al. 2006. Otimização da produção nacional de mudas de morangueiro. Pelotas: EMBRAPA (Boletim Técnico 162) 28p.

PALENCIA P et al. 2009. Effects of climate change on strawberry production. Acta Horticulturae 838: 51-54.

PALOMBINI MC et al. 2019. Sistema aberto ou fechado – Qual o melhor para o morango? Revista Campo & negócios.

ROSA GG et al. 2020. Ácido salicílico na pós-colheita de morangos cultivar San Andreas. Revista Iberoamericana de Tecnología Postcosecha 21: 1-9.

ROSA HT et al. 2013. Crescimento vegetativo e produtivo de duas cultivares de morango sob épocas de plantio em ambiente subtropical. Revista Ciência Agronômica 44: 604-613.

SANTIN A et al. 2020. Plastic soil covers in vegetative development, production and quality of strawberries. Revista Ceres 67: 272 -280.

SAMPIETRO AP. 2021. Comportamento agronômico de dois genótipos de morangueiro submetidos a diferentes formas de cultivo. Trabalho de conclusão de curso (Graduação em Agronomia). Laranjeiras do Sul: UFFS. 43p.

SCHMITT OJ et al. 2016. Produção de estolhos de cultivares de morangueiro em função da condutividade elétrica da solução nutritiva. Horticultura Brasileira 34: 294-301.

SOUZA DC et al. 2021. Selection of experimental strawberry clones for fruit appearance attributes. Horticultural Science 56: 1-12.

STUPP AM et al. 2015. Crescimento de mudas de Mimosa scabrella Benth em função de diferentes tamanhos de recipientes e doses de fertilizante. Revista Ecologia e Nutrição Florestal 3: 40 – 47.

STRASSBURGER AS et al. 2010. Crescimento e produtividade de cultivares de morangueiro de “dia neutro” em diferentes densidades de plantio em sistema de cultivo orgânico. Bragantia 69: 623-630.

TREVISAN F et al. 2017. Ácido Salicílico no desenvolvimento de plantas e nas características físico-químicas de frutas de morango “Milsei-Tudla”. Revista Iberoamericana de Tecnologia Postcosecha 18: 106.

UFFS. 2022. Universidade Federal da Fronteira Sul - Campus Laranjeiras do Sul.

VIDAL HR & SANTOS M. 2017. Variedades de morango para cultivo no verão. Revista Campo e negócios: 66 - 68.

VIGNOLO GK & ANTUNES LEC. 2018. Poda drástica de morangueiro. Pelotas: Embrapa. 2p.

VIGNOLO GK et al. 2011. Produção de morangos a partir de fertilizantes alternativos em pré-plantio. Ciência Rural 41:1755-1761.

Downloads

Publicado

2023-12-29

Como Citar

BALDIN, Katia Birgeier; NEGRELLI, Welton Schiles; LIMA , Cláudia Simone Madruga; LEANDRINI , Josimeire Aparecida; OLIVEIRA , Rivael de Jesus; RUFATO, Leo. Caracterização agronômica de plantas de morangueiro de terceiro ciclo de produção cultivadas em substrato. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 22, n. 4, p. 594–602, 2023. DOI: 10.5965/223811712242023594. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/23504. Acesso em: 24 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigo de Pesquisa - Ciência de Plantas e Produtos Derivados

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 4 > >>