Desempenho agronômico de novos cultivares de morango no sul do Brasil

Autores

  • Marllon Fernando Soares dos Santos Universidade do Estado de Santa Catarina
  • Antonio Felippe Fagherazzi Universidade do Estado de Santa Catarina, Lages, SC. https://orcid.org/0000-0002-8731-2618
  • Juliana Martins de Lima Universidade do Estado de Santa Catarina, Lages, SC.
  • Bruna Miranda Costa Universidade do Estado de Santa Catarina, Lages, SC.
  • Francine Regianini Nerbass Universidade do Estado de Santa Catarina, Lages, SC.
  • Aike Anneliese Kretzschmar Universidade do Estado de Santa Catarina, Lages, SC.
  • Leo Rufato Universidade do Estado de Santa Catarina, Lages, SC.

DOI:

https://doi.org/10.5965/223811712022021149

Palavras-chave:

Fragaria x ananassa Duch, adaptabilidade, produtividade

Resumo

A escolha dos cultivares a serem utilizadas pelos produtores de morangos é fundamental, pois pode determinar o sucesso da cultura. O presente estudo tem como objetivo avaliar o desempenho produtivo e qualitativo de genótipos de morangueiro cultivados em Vacaria, RS, Brasil. Foram comparados 12 genótipos de morangueiro, constituindo os diferentes tratamentos: cultivares Strawberry Festival, Oso Grande, Jonica e Pircinque, e seleções FRF PA3, FRF CE 51, FRF CE 56, FRF PIR 29, FRF PIR 54, FRF 85,04, FRF 149,18, e FRF 102,21. As mudas foram transplantadas em 13 de maio de 2014, em sistema de cultivo semi-hidropônico, adotando-se o delineamento em blocos casualizados, com quatro blocos e unidade experimental de dez plantas úteis. As variáveis ​​avaliadas foram número de frutos, produção total por planta, produtividade, produtividade comercial, massa fresca do fruto, porcentagem comercial, sólidos solúveis, acidez titulável, relação (sólidos solúveis/acidez total), firmeza da polpa e a sazonalidade da produção. Os valores médios foram submetidos à análise de variância e análise multivariada, e suas médias comparadas pelo teste de Scott-Knott a 5% de probabilidade de erro. O cultivar Strawberry Festival e seleção FRF 102,21 apresentaram maior produção (1138 e 1019 g planta-1) e quantidade de frutos produzidos (85 e 87 un planta-1). A cultivar Jonica e a seleção FRF 85,4 apresentaram maior porcentagem de frutos comerciáveis. O cultivar Pircinque se destacou-se pelo seu teor de açúcares, apresentando um valor 24% superior à média geral dos cultivares. As cultivares Strawberry Festival, Jonica e Pircinque e seleção FRF 102,21 apresentaram os maiores ganhos qualitativos e quantitativos para a região de Vacaria, RS.

 

Referências

ANTONIOLLI LR et al. 2007. Boas práticas na cultura do morangueiro. Porto Alegre: SEBRAE/RS.

ANTUNES LEC. 2018. Brasil é o maior produtor de morango da América do Sul. Campo & Negócio-Hortifruti 7: 92-94.

ANTUNES LEC & RESENDE JUNIOR C. 2007. Fragole, i prodottori brasiliani mirano all´esportazione in Europa. Frutticoltura 69: 60-65.

ASSIS M. 2004. Produção de matrizes e mudas de morangueiro no Brasil. In: Simpósio Nacional do Morango e Encontro de Pequenas Frutas e Frutas Nativas. Anais... Pelotas: Embrapa Clima Temperado. p. 45-50.

OLIVEIRA ACB & BONOW S. 2012. Novos desafios para o melhoramento genético da cultura do morangueiro no Brasil. Informe Agropecuário 33: 21-26.

BRACKMANN A et al. 2011. Avaliação de genótipos de morangueiro quanto à qualidade e potencial de armazenamento. Revista Ceres 58: 542-547.

BRUGNARA EC et al. 2017. Morango. In: Avaliação de cultivares para o estado de Santa Catarina 2017-2018. Florianópolis: Epagri. p.56-57. (Boletim Técnico 176).

CARVALHO SF et al. 2013. Comportamento e qualidade de cultivares de morango (Fragaria x ananassa Duch.) na região de Pelotas-RS. Revista Iberoamericana de Tecnología Postcosecha 14: 176-180.

CASALI ME. 2004. Atraso no resfriamento e modificação da atmosfera para morangos. Dissertação (Mestrado em Fitotecnia). Porto Alegre: UFRGS. 65p.

CASTRO RL. 2004. Melhoramento genético do morangueiro: avanços no Brasil. In: RASEIRA MCB et al. (Ed.) Simpósio Nacional do Morango e Encontro de Pequenas Frutas e Frutas Nativas do Mercosul. Pelotas: Embrapa Clima Temperado. 296p. (Documentos 124).

CONTI JH et al. 2002. Produção e qualidade de frutos de diferentes cultivares de morangueiro em ensaios conduzidos em Atibaia e Piracicaba. Horticultura Brasileira 20: 10-17.

COSTA H et al. 2011. Manejo integrado de doenças do morangueiro. Horticultura Brasileira 29: 5856-5877.

DUARTE FILHO J et al. 2007. Morango: conquistando novas fronteiras. Informe Agropecuário 28: 20-23.

FAGHERAZZI AF. 2013. Avaliação de cultivares de morangueiro no Planalto Sul Catarinense. Dissertação (Mestrado em Produção Vegetal). Lages: UDESC. 107p.

FAGHERAZZI AF. 2017a. La cultivazione dei piccoli frutti in Sud America: non solo mirtilli. Embrapa Clima Temperado. Frutticoltura 7/8: 44-47.

FAGHERAZZI AF. 2017b. Adaptabilidade de novas cultivares e seleções de morangueiro para o Planalto Sul Catarinense. Tese (Doutorado em Produção Vegetal). Lages: UDESC. 144p.

FAOSTAT. 2019. Statistics Database. Most produced commodities, Brazil. Disponível em: http://www.fao.org/faostat/en/#data/QC/visualize. Acesso em: 15 nov. 2020.

FARNEZI PKB et al. 2020. Production and physical and chemical characterization of strawberry under diferente sources of phosphate fertilization. Brazilian Journal of Development 6: 65051-65066.

GONÇALVES MA et al. 2016. Comportamento produtivo de cultivares de morangueiro estabelecido a partir de mudas com torrão. Revista Eletrônica Científica da UERGS 2: 277-283.

HAKKINEN S et al. 1999. Screening of selected flavonoids and phenolic acids in 19 berries. Food Research International 32: 345-353.

HONJO M et al. 2016. Simple sequence repeat markers linked to the everbearing flowering gene in long-day and day-neutral cultivars of the octoploid cultivated strawberry Fragaria × ananassa. Euphytica 209: 291-303.

KADER A. 1991. Quality and its maintenance in relation to postharvest physiology of Strawberry. In: DALE A & LUBY JJ. (Ed.). The Strawberry into the 21 st. Oregon: Timber Press. p.145-152.

MORENO JA. 1961. Clima do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Secretaria da Agricultura. 42p.

PASSOS FA & TRANI PE. 2013. Calagem e adubação do morangueiro. Campinas: Instituto Agronômico de Campinas. 16p.

QUINATO EE et al. 2007. Aspectos Nutricionais e Funcionais do Morango. Visão Acadêmica 8: 11-17.

REICHERT LJ & MADAIL JCM. 2003. Aspectos Socioeconômicos morango. Embrapa Informação Tecnológica 40: 35-38.

REIS KM et al. 2011. Sazonalidade de preço e quantidade comercializada de morango nos CEASAs-MG de 1995 a 2010. Horticultura Brasileira 29: 2404-2408.

ROCHA DA et al. 2008. Análise comparativa de nutrientes funcionais em morangos de diferentes cultivares da região de Lavras-MG. Revista Brasileira de Fruticultura 30: 1124-1128.

RUAN J et al. 2013. Flowring and Fruiting of Day-neutral and Ever-bearing Strawberry Cultivars in Highelevation for Summer and Autumn Fruit Production in Korea. Horticulture, Environment, and Biotechnology 54: 109-120.

SANHUEZA RMV et al. 2005. Sistema de produção de morango para mesa na Região da Serra Gaúcha e Encosta Superior do Nordeste. Disponível em: http://sistemasdeproducao.cnptia.embrapa.br/FontesHTML/Morango/MesaSerra

Gaucha/importancia.htm. Acesso em: 03 ago. 2019.

SANTOS AM & MEDEIROS ARM. 2003. Morango: produção. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica. 81p. (Frutas do Brasil 40).

THIMOTEO A. et al. 2006. Expectativa de retorno e risco da produção de morangos no município de Guarapuava - PR. In: 46º Congresso Brasileiro de Olericultura. Goiânia: Horticultura Brasileira 24. CD- Rom.

VIDA JB et al. 2004. Manejo de doenças de plantas em cultivo protegido. Fitopatologia Brasileira 29: 355-372.

WREGE MS et al. 2007. Zoneamento agroclimático para produção de mudas de morangueiro no Rio Grande do Sul. Pelotas: Embrapa Clima Temperado. 27p. (Documentos 187).

ZANIN DS et al. 2019. Agronomic performance of cultivars and advanced selections of strawberry in the South Plateau of Santa Catarina State. Revista Ceres 66: 159-167.

Downloads

Publicado

2021-07-02

Edição

Seção

Artigo de Pesquisa