Revista de Ciências Agroveterinárias https://revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria <p style="margin: 0cm; margin-bottom: .0001pt;">Periódico da área de Ciências Agrárias e Veterinárias e áreas correlatas, vinculado ao Centro de Ciências Agroveterinárias, da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc).<br /><strong>Periodicidade</strong>: trimestral<br /><strong>Ano de criação</strong>: 2002</p> CAV/UDESC pt-BR Revista de Ciências Agroveterinárias 1676-9732 <p>Os autores que publicam nesta revista estão de acordo com os seguintes termos:</p> <p>a) Os autores mantêm os direitos autorais e concedem à revista os direitos autorais da primeira publicação, de acordo com a <strong><a href="http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/"><span style="color: #2e2e2e;">Creative Commons Attribution Licence</span></a></strong>. Todo o conteúdo do periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons do tipo atribuição BY.</p> <p>b) Autores têm autoridade para assumir contratos adicionais com o conteúdo do manuscrito.</p> <p>c) Os autores podem fornecer e distribuir o manuscrito publicado por esta revista.</p> Manejo da Myzus Persicae com folhas de Jatropha Curcas e Ricinus Communis em diferentes estágios vegetativos https://revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/21375 <p>Embora os inseticidas químicos sejam usados ​​com sucesso na agricultura, vários problemas podem estar relacionados ao seu uso indiscriminado. Isso tem incentivado o desenvolvimento de métodos alternativos para o controle de pragas e insetos, bem como a pressão social por produtos livres de pesticidas. A jatropha (<em>J. curcas</em>) e a mamona (<em>Ricinus communis</em>) são plantas que apresentam potencial inseticida. Assim, o objetivo deste trabalho foi estudar folhas de <em>J. curcas </em>e<em> R. communis </em>de diferentes idades sobre o pulgão-da-couve (<em>Myzus persicae)</em>. Foram utilizadas cinco concentrações de solução e cinco tipos de folhas. Cada tratamento consistiu de dez indivíduos <em>M. persicae</em>, mantidos em placas de Petri (10,0 x 1,2 cm), sobre discos de folhas de couve. Cada placa de Petri foi considerada uma repetição, totalizando dez. Para aplicação direta, utilizou-se um aerógrafo conectado a um compressor calibrado a pressão constante e 5 mL de solução por repetição. Na aplicação indireta, os discos de repolho foram imersos por cinco segundos nos diferentes tratamentos e oferecidos aos pulgões. Para ambos os testes, as avaliações foram realizadas 72 horas após a aplicação. Os dados foram submetidos à análise de regressão linear e teste de médias. Para ambas as plantas houve interação entre o tipo de aplicação, tipo de folha e concentrações. Reiteramos que as folhas de pinhão-manso e mamona, em suas diferentes idades, apresentam potencial inseticida no manejo de <em>M. persicae</em>.</p> Anderson Holtz Priscila Stinguel Julielson Ataide Ronilda Lana Aguiar Ana Beatriz Mamedes Piffer Ariana Magnago Copyright (c) 2022 Autores e Revista de Ciências Agroveterinárias https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2022-10-19 2022-10-19 21 3 308 314 10.5965/223811712132022308 Pesquisa agropecuária: uma análise histórica da produção científica da Epagri https://revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/21866 <p>A Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri) é uma das principais referências em pesquisa agropecuária no estado. O objetivo desse trabalho foi fazer uma análise bibliométrica das publicações científicas geradas pela Epagri, cujos metadados estão cadastradas no Sistema Epagri de Produção Técnico-Científica (Seprotec). Foram utilizados os seguintes metadados: ano de publicação, título, palavras-chave e tipo de publicação. Os metadados foram analisados no pacote estatístico R, utilizando a biblioteca UDPIPE. De 1972 até outubro de 2021 havia 15.841 publicações no Seprotec, das quais 67% são publicações científicas. Durante as décadas de 1970 e 1980 a pesquisa focou nos aspectos agronômicos, buscando o aumento de produtividade das culturas. A partir da década de 1990 a componente ambiental ganhou relevância, abordando aspectos de conservação de solos e da água. Hoje a pesquisa agropecuária em Santa Catarina está diante de um novo desafio, que é tornar a atividade agropecuária do estado viável econômica, social e ambientalmente. Dentre as novas frentes de pesquisa destacam-se a agroecologia e a agricultura regenerativa.</p> Luiz Fernando Vianna Copyright (c) 2022 Autores e Revista de Ciências Agroveterinárias https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2022-10-19 2022-10-19 21 3 315 323 10.5965/223811712132022315 Timomodulina melhora as respostas vacinais contra Streptococcus agalactiae em tilápia-do-Nilo https://revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/22461 <p>A estreptococose causada pelo <em>Streptococcus agalactiae</em> é um grande problema econômico para a produção de tilápia-do-nilo <em>Oreochromis niloticus</em> em todo o mundo. As vacinas inativadas são consideradas um método eficiente para o controle da estreptococose. No entanto, durante o processo de vacinação o estresse durante o manejo dos peixes pode afetar sua resposta imune. Imunomoduladores como a timomodulina, atuam no sistema imunológico e podem melhorar as respostas vacinais. Assim, o objetivo deste estudo foi avaliar o efeito imunomodulador da timomodulina em <em>O. niloticus</em> vacinado contra <em>S. agalactiae</em>. Para isso, os peixes foram distribuídos em esquema fatorial (2x2x6), correspondendo a dois níveis de suplementação de timodulina (0,0 e 0,3%), dois tratamentos (solução salina tamponada com fosfato estéril e vacina <em>S. agalactiae</em> inativada). Inicialmente, os peixes receberam suplementação de timomodulina por 30 dias. Em seguida, os peixes foram vacinados por via intraperitoneal (i.p.) da vacina de <em>S. agalactiae</em> inativada pelo calor. 15 dias após a vacinação, todos os peixes foram desafiados i.p. com <em>S. agalactiae</em> e amostras de sangue foram coletadas aos 7, 14, 21 dias após a infecção (DPI). Os resultados revelaram que os peixes suplementados com timomodulina vacinados ou não desenvolveram melhor proteção contra <em>S. agalactiae</em> do que os peixes vacinados sem timomodulina. Além disso, os peixes vacinados e suplementados com timomodulina apresentaram altos níveis de anticorpos após 14 e 21 DPI, sugerindo que a timomodulina pode promover a resposta imune em tilápia-do-nilo.</p> Rogério Salvador Paulo Fernandes Marcusso Gustavo Silva Claudiano Fausto Almeida Marinho-Neto Jefferson Yunis-Aguinaga Fernando Carlos Ramos-Espinoza Victor Alexander Cueva-Quiroz Julieta Rodini Engracia de Moraes Copyright (c) 2022 Autores e Revista de Ciências Agroveterinárias https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2022-10-19 2022-10-19 21 3 282 289 10.5965/223811712132022282 Bacillus coagulans como alternativa aos antibióticos sobre o desempenho e controle da Salmonella Enteritidis em frangos de corte https://revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/21700 <p>A utilização de promotores de crescimento antimicrobianos na alimentação de frangos de corte tem sido benéfica para melhoria do desempenho e para prevenção de doenças. Porém, o uso indiscriminado destes produtos nas rações pode resultar em desenvolvimento de bactérias resistentes, acúmulo de resíduos nos produtos e desequilíbrio da microflora das aves. Portanto, torna-se necessário avaliar alternativas como microrganismos benéficos que melhorem o crescimento microbiano, sem afetar a saúde do animal e a qualidade dos seus produtos. Objetivou-se com esta pesquisa avaliar a suplementação do probiótico <em>Bacillus coagulans</em> sobre o desempenho, características de carcaça e saúde de frangos de corte de 7 a 42 dias. Utilizou-se 720 frangos de corte distribuídos em delineamento em blocos casualizados, com seis tratamentos e oito repetições. Os tratamentos avaliados foram: Controle; PROB1 (Probiótico 400 g/t); PROB2 (Probiótico 400 g/ton até os 21 dias e 200 g/t dos 22 aos 42 dias); Controle + antibiótico; Controle + inoculação de <em>Salmonella</em>; PROB1 + inoculação de <em>Salmonella</em>. Os tratamentos não influenciaram o consumo de ração, rendimento de carcaça e cortes e a incidência de lesões no peito, jarrete e coxim plantar. O ganho de peso e a conversão alimentar foram melhores nas aves que receberam rações com antibiótico ou probiótico. Houve incidência de <em>Salmonella</em> nas excretas aos 42 dias somente no tratamento com desafio sem adição de probiótico. Conclui-se que o probiótico <em>Bacillus coagulans</em> pode ser usado como alternativa ao antibiótico na ração de frangos de corte, pois proporciona desempenho semelhante e é eficiente no controle da <em>Salmonella </em>Enteritidis.</p> Dielly Inêz de Oliveira Lacerda Mônica Patricia Maciel Wagner Azis Garcia de Araújo Felipe Shindy Aiura Deyvison da Silva Gonçalves Hebert Fernandes de Brito Copyright (c) 2022 Autores e Revista de Ciências Agroveterinárias https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2022-10-19 2022-10-19 21 3 290 297 10.5965/223811712132022290 Incrementos produtivos na cultura da soja pelo uso de arranjos equidistantes e níveis tecnológicos nos sistemas de cultivo https://revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/22271 <p>O arranjo das plantas de soja define sua habilidade em reconhecer o ambiente e aprimorar suas interações bióticas e abióticas com este. Este estudo objetivou avaliar o efeito de diferentes arranjos de plantio associados com dois distintos sistemas de cultivo (alto nível tecnológico ou nível tecnológico convencional), nas variedades8473 RSF e AS 3730, para avaliar a performance e produtividades das plantas à campo. O esquema fatorial duplo foi adotado, sendo: duas variedades e seis arranjos espaciais. Dois experimentos foram conduzidos durante o ano agrícola 2017-2018; no primeiro experimento considerou-se o padrão de cultivo da soja no Cerrado Brasileiro (sem sistema de irrigação a nível adequado de adubação), enquanto no segundo experimento foi adotado alto nível tecnológico (com sistema de irrigação e adubação superior aos padrões convencionados para o Cerrado). Foram avaliados parâmetros morfofisiológicos, índice de vegetação por diferença normalizada (IVDN), conteúdo de pigmentos foliares e parâmetros de produção da cultura. Nosso estudo apontou respostas positivas de ambos genótipos cultivados e sob os dois níveis tecnológicos sob os arranjos equidistantes e submetidos a alta densidade de plantio. Significativas respostas foram observadas para índice de área foliar, conteúdo de pigmentos foliares, IVDN e produção de soja, quando submetida aos diferentes arranjos equidistantes. Entretanto, este procedimento requer ajustes dentro dos níveis tecnológicos e identificação das variedades mais adequada a este modelo de cultivo.</p> Rodrigo Rocha Silva Willian Rodrigues Macedo Copyright (c) 2022 Autores e Revista de Ciências Agroveterinárias https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2022-10-19 2022-10-19 21 3 182 195 10.5965/223811712132022182 Monitoramento e baseline da resistência de capim-amargoso ao herbicida glifosato nas principais regiões produtoras de soja no Brasil https://revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/21931 <p>Este trabalho foi desenvolvido com o objetivo de monitorar a resistência de capim-amargoso ao herbicida glyphosate desenvolver uma baseline de suscetibilidade da espécie e, por consequência, identificar a dose discriminatória de glifosato entre populações resistentes e suscetíveis de capim-amargoso. Todo o trabalho foi dividido em três fases. A primeira fase consistiu da análise de 30 amostras de capim-amargoso, identificando-as e classificando-as em resistentes ou suscetíveis. Na segunda fase, foi elaborada uma baseline para suscetibilidade do capim-amargoso ao herbicida glyphosate, o que permitiu a definição de uma dose discriminatória. Ao final, na terceira fase, obteve-se o monitoramento dos biótipos de capim-amargoso quanto à resistência, considerando-se cinco safras (2016 – 2020) e 809 amostras de capim-amargoso, oriundas de 12 estados brasileiros. Assim sendo, a baseline de suscetibilidade de capim-amargoso ao glyphosate foi estimada, cuja dose discriminatória ideal foi de 960 g ha-1. Populações de capim-amargoso resistentes ao glyphosate foram encontradas em todas as regiões produtoras de soja amostradas. Dentre 809 populações, 25,96% foram consideradas resistentes ao glyphosate. Os estados com maior frequência de populações resistentes foram: Rio Grande do Sul, Mato Grosso do Sul, Bahia, Mato Grosso e Paraná.</p> <p> </p> Acácio Gonçalves Netto Saul Jorge Pinto de Carvalho Marcelo Nicolai Ramiro Fernando Lopez Ovejero Jéssica Cursino Presoto Jeisiane de Fátima Andrade Laís Sousa Resende Copyright (c) 2022 Autores e Revista de Ciências Agroveterinárias https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2022-10-19 2022-10-19 21 3 196 205 10.5965/223811712132022196 Efeito da bioatividade de extratos de Elephantopus Scaber Linn. em Spodoptera litura e na comunidade microbiana do solo https://revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/21500 <p>Este estudo tem como objetivo investigar os efeitos biopesticidas de <em>Elephantopus scaber</em> Linn. extrair na mortalidade de <em>Spodoptera litura, Plutella xylostella</em> e organismos não-alvo e investigar o impacto nos níveis de proteína de <em>S. litura</em> e na estrutura da comunidade microbiana do solo. Experimento realizado em delineamento inteiramente casualizado. Extratos de metanol de folhas de <em>E. scaber</em>, nas concentrações de 2%, 4%, 6%, 8%, 10% e 12%, foram testados para bioatividade contra a larva de 2º ínstar de <em>S. litura, P. xylostella</em> e minhocas. Taxas de mortalidade de larvas e vermes foram observadas. Os dados coletados foram analisados ​​por meio de análise de variância (ANOVA), seguida de probit e análise descritiva. Os resultados mostraram que os extratos metanólicos de <em>E. scaber</em> (12%) influenciaram as maiores taxas de mortalidade para <em>S. litura</em> (93,35%) e <em>P. xylostella</em> (96,65%) com CL50 e CL80 de <em>S. litura</em> foi de 1,867 e 4,763; para <em>P. xylostella</em> foram 4,488 e 7,92, respectivamente. No entanto, a aplicação de biopesticida de <em>E. scaber</em> também influencia a taxa de mortalidade de minhocas. O extrato de 6% de <em>E. scaber </em>resultou em 60% da morte de minhocas durante o período de 20 dias. Para além disso, maiores concentrações de extratos de <em>E. scaber</em> resultaram em menores pesos moleculares e níveis de proteínas de <em>S. litura</em>. A diversidade e a densidade da comunidade microbiana do solo também diminuíram na concentração de 6%.</p> Yuliani Yuliani Copyright (c) 2022 Autores e Revista de Ciências Agroveterinárias https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2022-10-19 2022-10-19 21 3 206 215 10.5965/223811712132022206 Habilidade competitiva de cultivares de soja com Ipomoea indivisa https://revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/21590 <p>Dentre as plantas daninhas que infestam a soja, a corda-de-viola (<em>Ipomoea indivisa</em>) se destaca por competir por água, luz, nutrientes e também interferir no processo de colheita da cultura. O objetivo deste trabalho foi testar a habilidade competitiva de cultivares de soja na presença de <em>I. indivisa</em>, em experimentos substitutivos. Os experimentos foram conduzidos em delineamento inteiramente casualizado, com quatro repetições, utilizando as cultivares de soja M 5838, DM 53i54, DM 57i52, DM 66i68, NS 5445 e NS 6601. Observou-se produtividade final constante para soja e <em>I. indivisa</em> com 24 plantas por vaso. As produtividades relativa e total foram analisadas por meio de diagramas aplicados a experimentos substitutivos com plantas de soja e <em>I. indivisa</em> nas proporções de 24:0, 18:6, 12:12, 6:18 e 0:24 plantas vaso<sup>-1</sup> (cultivar:planta daninha) . Aos 35 dias após a emergência da cultura e da <em>I. indivisa</em>, foram avaliadas as características morfofisiológicas das plantas e calculados os índices de competitividade relativa considerando a proporção de plantas de 50:50 (12:12 plantas vaso<sup>-1</sup>). A corda-de-viola afetou as características morfofisiológicas das cultivares de soja, demonstrando superior capacidade competitiva por recursos ambientais. Houve competição entre as cultivares de soja e <em>I. indivisa</em>, o que ocasionou reduções na matéria seca da parte aérea para ambas as espécies. Neste estudo, a competição interespecífica foi mais prejudicial do que a competição intraespecífica.</p> Eduarda Posser Pazzini Leandro Galon Daniel Cristian Cavaletti Victor Miguel Senhori Otilo Daniel Henz Neto Caroline Müller Gismael Francisco Perin Copyright (c) 2022 Autores e Revista de Ciências Agroveterinárias https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2022-10-19 2022-10-19 21 3 216 228 10.5965/223811712132022216 Qualidade pós-colheita de frutos de macieira ‘Maxi Gala’ sobre diferentes porta-enxertos https://revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/21633 <p>Este estudo analisou o efeito dos porta-enxertos G.213, M.9 e Marubakaido com filtro de M.9 de 30 e 20cm (MB/M.9-30cm e MB/M.9-20cm) sobre a qualidade pós-colheita, composição mineral e propriedades funcionais de maçãs ‘Maxi Gala’. Os experimentos foram conduzidos utilizando frutos provenientes de um pomar comercial localizado em Vacaria, RS, Brasil. Os frutos foram armazenados por 135 e 147 dias nas safras 2014/2015 e 2015/2016, respectivamente, e analisados um dia após a colheita e após armazenamento refrigerado (1,0±0,2°C) seguido por sete dias em condição ambiente. A composição mineral dos frutos apresentou diferenças pequenas e pouco consistentes entre porta-enxertos. O MB/M.9-20cm proporcionou atividade antioxidante total e teores de compostos fenólicos totais mais elevados na casca dos frutos comparativamente ao MB/M.9-30cm. Para a safra 2014/2015, o teor de sólidos solúveis na colheita foi mais elevado nos frutos provenientes de plantas com porta-enxerto G.213, não diferindo apenas do MB/M.9-30cm. Na safra 2015/2016, o G.213 e o M.9 proporcionaram maior teor de sólidos solúveis após a armazenagem em comparação ao MB/M.9-30cm e MB/M.9-20cm. O porta-enxerto G.213 antecipou a maturação dos frutos em comparação ao M.9 na safra 2014/2015. Os demais atributos de qualidade de maçãs ‘Maxi Gala’, na colheita e após o armazenamento, foram similares entre porta-enxertos G.213, M.9, MB/M.9-30cm e MB/M.9-20cm.</p> Mariuccia Schlichting de Martin Tiago Afonso de Macedo Cristiano André Steffens Cristina Soethe Angélica Schmitz Heinzen Leo Rufato Copyright (c) 2022 Autores e Revista de Ciências Agroveterinárias https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2022-10-19 2022-10-19 21 3 229 237 10.5965/223811712132022229 Capacidade germinativa de plantas nativas com potencial forrageiro em condições de floresta tropical https://revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/22002 <p>Os trópicos úmidos abrigam uma grande diversidade biológica, bem como espécies nativas com potencial forrageiro como alternativas para a alimentação animal. No entanto, a implementação de árvores e arbustos e o estabelecimento de plantações são limitados pela falta de informação sobre o seu crescimento e germinação de sementes. Por conseguinte, o objetivo era avaliar a capacidade germinativa das espécies vegetais nativas com potencial forrageiro em condições de floresta tropical, selecionando oito espécies com importante valor nutricional: <em>Bauhinia tarapotensis, Crescentia cujete, Zygia longifolia, Cecropia ficifolia, Piptocoma discolor, Piper bredemeyeri, Calathea lutea e Heliconia rostrata. </em>Foram avaliados dois tratamentos: T1: Sementes (sexuais e assexuais) imersas durante 12 horas em água, e T2: Sementes (sexuais e assexuais) sem qualquer tratamento pré-germinativo (controle). Foram encontradas diferenças significativas na percentagem de germinação entre espécies, tratamentos e a interação dos dois fatores (p &lt; 0,01). As espécies <em>C. cujete,</em> <em>C. ficifolia e</em> <em>P. discolor</em> apresentaram melhores percentagens de germinação com o T<sub>1</sub>, em contraste com <em>P. bredemeyeri </em>que melhor se adequou ao T<sub>2.</sub> No mesmo sentido, <em>H. rostrata</em> (93%), <em>C. cujete</em> (91%) e <em>Z. longifolia </em>(89%) com T<sub>1</sub>, foram as espécies com maior capacidade germinativa quando comparadas com as outras espécies, sendo desejáveis para utilização como forragens em sistemas de produção agrícola, devido ao seu elevado poder germinativo. Em geral, o tratamento pré-germinativo com água foi muito eficaz para aumentar a permeabilidade do tegumento da semente, e por isso favoreceu a superação da dormência fisiológica endógena.</p> Faver Alvarez Carrillo Armando Sterling Paula Andrea Rios Parra Copyright (c) 2022 Autores e Revista de Ciências Agroveterinárias https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2022-10-19 2022-10-19 21 3 238 246 10.5965/223811712132022238 Análise multivariada como ferramenta nas seleções iniciais de linhaça dourada (Linum usitatissimum L.) https://revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/21610 <p>A variabilidade genética em populações de plantas pode ser estimada através da análise multivariada, que permite analisar os genótipos com base em um conjunto de características, identificar aquela com maior influência para a divergência e a correlação entre elas. Neste sentido, o objetivo do presente trabalho foi estimar a divergência genética entre linhagens de linhaça dourada, a partir de análises multivariadas, para seleções iniciais de plantas. Para tanto, 73 linhagens, além da testemunha, foram testadas em delineamento de blocos ao acaso, com três repetições, sendo medidas as características de ciclo, estatura e produtividade. Foram obtidos 12 grupos, sendo a característica mais importante para a dissimilaridade o comprimento técnico. O gráfico de dispersão das variáveis canônicas mostrou as progênies mais divergentes, sendo que a maior divergência foi verificada entre os grupos III e IV. A análise multivariada foi importante ferramenta para a escolha inicial das linhagens superiores de linhaça dourada.</p> Ana Carolina da Costa Lara Fioreze Cirio Parizotto Nicole Orsi Ana Caroline Basniak Konkol Copyright (c) 2022 Autores e Revista de Ciências Agroveterinárias https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2022-10-19 2022-10-19 21 3 247 255 10.5965/223811712132022247 Caracterização de genótipos de arroz utilizados no Brasil quanto à tolerância à salinidade no estádio de plântula https://revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/21754 <p>O arroz (<em>Oryza sativa</em> L.) é uma espécie com grande importância econômica no mundo. A salinidade do solo ou da água reduz a produtividade da cultura. Por isso, a identificação e/ou desenvolvimento de genótipos de arroz com tolerância à salinidade é uma estratégia para minimizar esse problema. O desenvolvimento de novos genótipos depende da presença de variabilidade genética, e o conhecimento da herdabilidade da característica de interesse pode auxiliar no processo de seleção. Dessa forma, esse estudo teve como objetivo identificar genótipos superiores, analisar a variabilidade genética e estimar a herdabilidade para tolerância a salinidade no estádio de plântula em genótipos de arroz utilizados no Brasil. Para isso, plântulas de 69 genótipos foram mantidas em solução hidropônica acrescida de 40mM de NaCl (4 dSm<sup>-1</sup>) durante sete dias. Foram avaliados comprimento de parte aérea, comprimento de raiz, peso seco de parte aérea, e peso seco de raiz e os resultados foram convertidos em desempenho relativo. Foram identificados genótipos tolerantes e moderadamente tolerantes à salinidade no estádio de plântula, os quais podem ser utilizados em programas de melhoramento e cultivados em áreas com ocorrência desse estresse. A análise de componentes principais mostrou a presença de variabilidade genética para resposta à salinidade. Finalmente, foi demonstrado que a maior parte da variação observada nos caracteres é de origem genética, o que pode tornar o processo de melhoramento menos difícil.</p> Victoria Freitas de Oliveira Latóia Eduarda Maltzahn Vívian Ebeling Viana Eduardo Venske Luciano Carlos da Maia Antonio Costa de Oliveira Camila Pegoraro Copyright (c) 2022 Autores e Revista de Ciências Agroveterinárias https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2022-10-19 2022-10-19 21 3 256 262 10.5965/223811712132022256 Interferência e nível de dano econômico de papuã em feijoeiro em função da densidade de plantas https://revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/21639 <p>O estudo da densidade de semeadura do feijoeiro e do nível de dano econômico (NDE) ocasionado pelo papuã (<em>Urochloa plantaginea</em>) são ferramentas importantes para a adoção do manejo integrado dessa planta daninha e, assim, produzir um alimento com maior qualidade e menor resíduo de agrotóxico. Diante disso, objetivou-se com o trabalho avaliar a interferência e o nível de dano econômico do papuã em competição com o feijoeiro, estimados em função de densidades de semeadura da cultura e da planta daninha. Os tratamentos foram compostos por densidades do feijoeiro, cultivar IPR Uirapuru (140.000, 180.000, 220.000 e 260.000 plantas ha<sup>-1</sup>) e do papuã que variaram de 0 até o máximo de 104 plantas m<sup>-2</sup>. O experimento foi implantado em um Latossolo Vermelho Aluminoférrico típico na área experimental da Universidade Federal da Fronteira Sul, campus Erechim/RS, em 31/10/2016. Para descrever a relação entre a perda de produtividade de grãos do feijoeiro e as variáveis explicativas; densidade de plantas (DP), cobertura do solo (CS), área foliar (AF) e massa seca da parte aérea (MS), usou-se o modelo da hipérbole retangular. As variáveis CS e DP podem ser usadas em substituição a AF e a MS para estimar as perdas de produtividades de grãos do foeijoeiro. A densidade de 260.000 plantas ha<sup>-1</sup> do feijoeiro apresentou maior competitividade com o papuã e os maiores valores de NDEs, justificando a adoção de medidas de controle da planta daninha em densidades mais elevadas.</p> Leandro Galon Felipe Biachessi Maico André Michelon Bagnara Janaina de Oliveira Tosso Josiel Ricardo Toni Sabrina Natalia Weirich Jaqueline Mara Dill Daiani Brandler Gismael Francisco Perin Copyright (c) 2022 Autores e Revista de Ciências Agroveterinárias https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2022-10-19 2022-10-19 21 3 263 273 10.5965/223811712132022263 Manejo de plantas daninhas e fertilidade limitam o potencial de produtividade da mandioca em ambiente subtropical https://revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/21797 <p>Os objetivos deste trabalho foram avaliar a resposta à adubação e diferentes épocas de controle de plantas daninhas no acúmulo de matéria seca de folhas, hastes, raízes e produção de massa fresca de raízes de mandioca. Dois experimentos foram conduzidos em campos comerciais nos municípios de Ibarama e Santa Maria localizados no Rio Grande do Sul, Sul do Brasil, durante a safra 2018/2019. Cinco tratamentos, com aplicações variadas de fertilizantes químicos e herbicidas foram utilizados para representar as práticas de manejo comumente utilizadas pelos agricultores do Sul do Brasil. O modelo baseado no processo Simanihot foi usado para simular o crescimento, desenvolvimento e produtividade da mandioca sob condições potenciais. Os resultados mostram que a dose recomendada de fertilizantes e calagem combinados com herbicida pré-emergente e três manejos mecânicos de limpeza de plantas daninhas apresentaram um aumento de 72% na produtividade de raízes em relação ao manejo utilizado pela produtividade média dos pequenos agricultores. Portanto, é possível atingir 80% do potencial de produtividade mantendo a cultura da mandioca livre de interferência de plantas daninhas e com aplicação de fertilizantes. A presença de plantas daninhas durante os primeiros 100 dias após o plantio reduziu cerca de 50% da produção de matéria seca da planta em Ibarama e Santa Maria e 79,2% da produtividade de raízes frescas em Ibarama.</p> Paula de Souza Cardoso Alexandre Ferigolo Alves Eduardo Daniel Friedrich Luana Fernandes Tironi André da Rosa Ulguim Nereu Augusto Streck Alencar Junior Zanon Copyright (c) 2022 Autores e Revista de Ciências Agroveterinárias https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2022-10-19 2022-10-19 21 3 274 281 10.5965/223811712132022274 Produção de cultivares de alface em casa de vegetação em Humaitá, sul do estado do Amazonas https://revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/22035 <p>A alface é a principal folhosa comercializada no Brasil, sendo cultivada em muitas regiões e ambientais diferentes. Entretanto, sob altas temperaturas e elevada intensidade luminosa as plantas de alface tendem ao florescimento precoce, dificultando a obtenção de uma colheita de alface de alta qualidade. Assim, no presente estudo objetivou-se avaliar o desempenho produtivo de cultivares de alface em ambiente protegido no município de Humaitá, estado do Amazonas (AM). As cultivares usadas foram Rafaela e Hanson, Veneranda, Mônica SF 31, Simpson, Solaris, Elba, Quatro estações e Baba de Verão. As mudas de alface foram transplantadas 24 dias após a semeadura para casa de vegetação coberta com agrofilme de polietileno transparente de 100 micra. Foi utilizado canteiro com 33 m de comprimento e 1 m de largura, utilizando-se espaçamento de 30 cm x 30 cm entre plantas. O experimento foi conduzido utilizando-se delineamento em blocos completos casualizados com 4 repetições. Os parâmetros avaliados 32 dias após o transplantio foram o diâmetro da planta, número de folhas, comprimento do caule e massa seca da parte aérea. As cultivares Baba de Verão e Elba apresentaram melhor desempenho agronômico para o cultivo protegido no município de Humaitá, estado do Amazonas.</p> Amannda de Souza Mendonça Carlos Eduardo Pereira Douglas Marcelo Pinheiro da Silva Ana Lúcia Pereira Kikuti Copyright (c) 2022 Autores e Revista de Ciências Agroveterinárias https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2022-10-19 2022-10-19 21 3 339 343 10.5965/223811712132022339 Concentração e momento de aplicação de niacina em Urochloa brizantha em relação à adubação nitrogenada https://revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/21862 <p>O presente estudo teve como objetivo avaliar o efeito da aplicação de diferentes concentrações de niacina, em momentos distintos em relação à adubação nitrogenada, sobre as características de <em>Urochloa</em> <em>brizantha</em>. Os tratamentos foram compostos pela aplicação de três concentrações de niacina (0, 100 e 200 mg L<sup>-1</sup>) e três momentos distintos (dois dias antes, juntamente e dois dias após a adubação nitrogenada). Verificou-se que houve variação de resposta, principalmente em relação ao momento de aplicação das vitaminas, em que as aplicações conjunta e posterior à adubação superaram, de maneira geral, a aplicação realizada anteriormente, e de ambas as concentrações utilizadas (100 e 200 mg L<sup>-1</sup>), em relação ao controle sem vitamina. Desta maneira, a aplicação de niacina em concentração de 100 mg L<sup>-1</sup>, realizada de maneira conjunta ou posterior à adubação nitrogenada, propicia melhores condições para o desenvolvimento e a produção de matéria seca de <em>Urochloa brizantha</em>, devido à presença do nitrogênio.</p> Higor Jonathan de Oliveira Silva Maria Ingrid de Souza Eduardo Pradi Vendruscolo Ana Carolina Alves Rochetti Gabriela Rodrigues Sant’Ana Copyright (c) 2022 Autores e Revista de Ciências Agroveterinárias https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2022-10-19 2022-10-19 21 3 344 348 10.5965/223811712132022344 Água de chuva de telhados: perspectivas da qualidade de água e potencial uso em áreas rurais https://revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/21985 <p>Água da chuva pode ser captada de diferentes telhados de construções rurais e esta pode ser armazenada para múltiplos propósitos dependendo de sua qualidade. Esta nota técnica relata a avaliação da água da chuva coletada diretamente da atmosfera e após passar por quatro tipos de telhados que são: de cerâmica francesa (telhado1/prédio da escola de Agronomia), de fibrocimento (telhado2/galpão de máquinas agrícolas), de cerâmica francesa (telhado3/instalação para ovinos) e de cerâmica francesa (telhado4/instalação para suínos), localizados no Centro de Ciências Agroveterinárias, Lages/SC. Os parâmetros analisados foram pH, cor, turbidez, oxigênio dissolvido, coliformes totais e termotolerantes. Os resultados mostraram que o pH da água da chuva “<em>in natura</em>” foi variável e abaixo de 7,0 com pH (médio) de 6,02, que após passar pelos telhados houve aumento do pH (médio) para 6,34 (telhado1), 6,90 (telhado2), 7,14 (telhado3) e 6,50 (telhado4) e com variações também nos parâmetros turbidez, oxigênio dissolvido e de coliformes. Desta forma, a água de chuva apresenta potencial em ser utilizada para fins não potáveis, sendo então aconselhado seu uso sem tratamento para limpeza dos ambientes próximos destas construções rurais, bem como a irrigação de árvores e plantas ornamentais, entre outros.</p> Carlos Augusto de Paiva Sampaio Rodrigo Figueiredo Terezo Gilberto Massashi Ide Carolina Antoniazzi Spanholi Felipe Martins Matos Tiago Burgardt Copyright (c) 2022 Autores e Revista de Ciências Agroveterinárias https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2022-10-19 2022-10-19 21 3 354 359 10.5965/223811712132022354 Correlações entre as temperaturas da superfície corpórea e retal e os pesos médios de frangos de corte https://revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/21946 <p>A temperatura corporal é um dos indicadores de suscetibilidade dos frangos de corte ao estresse térmico, o que pode comprometer o desempenho. Este estudo teve como objetivo avaliar as correlações entre as temperaturas superficial e retal, além do peso médio de frangos de corte avaliados em diferentes idades. Foram avaliadas as temperaturas do dorso, peito e reto das aves, além do peso médio das aves aos 7, 14, 21 e 35 dias de idade. Cem aves foram avaliadas para cada idade de avaliação, e as variáveis ​​foram submetidas à análise de correlação de Pearson. A temperatura retal apresentou correlação com a do peito quando as aves foram avaliadas aos 7 e 14 dias de idade. O peso médio correlacionou-se apenas com as temperaturas retal e do peito aos 14 e 21 dias de idade, respectivamente. As correlações entre as temperaturas foram fracas ou insignificantes na maioria das idades estudadas. Portanto, a temperatura da pele não é um parâmetro adequado para medir a temperatura de frangos de corte em comparação com a retal, de modo que o uso de termômetro infravermelho não se mostrou uma estratégia útil para estimar a temperatura interna de frangos de corte.</p> Túlio Leite Reis Christiane Silva Souza Felipe Dilelis Pollianna Luciene da Silva Soares Pedro Henrique Ferreira da Silva Fernando Augusto Curvello Copyright (c) 2022 Autores e Revista de Ciências Agroveterinárias https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2022-10-19 2022-10-19 21 3 349 353 10.5965/223811712132022349 Eficiência do método de saturação por bases para recomendação de calagem em um Latossolo Amarelo na Amazônia Oriental https://revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/21592 <p>Alta acidez do solo, baixa capacidade de troca catiônica e baixa fertilidade são os principais gargalos das atividades agrícolas na região amazônica, o que torna a calagem uma técnica essencial para a produção agrícola. Este estudo teve como objetivo avaliar a eficiência de dois métodos de calagem, a saber, a lanço e incorporado ao solo, para atender às exigências da saturação por bases (V%) em diferentes profundidades e intervalos de tempo em um Latossolo Amarelo na Amazônia oriental. O experimento foi realizado em delineamento de blocos casualizados em esquema fatorial 5 × 2, com cinco doses de calcário recomendadas para elevar o V a 0, 40, 80, 160 e 320% e dois métodos de aplicação (a lanço e incorporado). Após a aplicação do calcário, amostras de solo foram coletadas em três profundidades (0,00-0,05, 0,05-0,10 e 0,10-0,20 m) em três períodos (30, 60 e 90 dias após a aplicação, DAA) para determinação do V%. Os maiores valores de V% foram observados aos 30 DAA com incorporação. O valor de V% esperado foi obtido pela incorporação da dose de 40%, mas foi limitado às camadas de 0,00-0,05 e 0,05-0,10 m. A incorporação de cálcario é o método mais eficiente para atingir os níveis recomendados de V% aos 30 DAA. Aos 90 DAA, a maioria das doses não forneceu valores de V% iguais ou superiores aos valores calculados. Portanto, análises de regressão são recomendadas em experimentos de campo respeitando o limite de 80% V.</p> Mateus Alves de Sousa Iolanda Maria Soares Reis Copyright (c) 2022 Autores e Revista de Ciências Agroveterinárias https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2022-10-19 2022-10-19 21 3 298 307 10.5965/223811712132022298 Comportamento de galinhas domésticas – percepções de uma revisão narrativa https://revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/21517 <p>A intensificação do sistema de produção avícola trouxe profundas mudanças no ambiente físico e social das aves domésticas. O manejo dessas aves tem recebido considerável atenção nos últimos anos devido às novas demandas por parte dos consumidores, principalmente aquelas relacionadas ao bem-estar. O comportamento é a maneira como os animais respondem aos diferentes estímulos que encontram em seu ambiente. As expressões comportamentais das aves domésticas e a aplicação desse conhecimento no cuidado dos animais desempenha um papel importante na maximização da eficiência de produção da cadeia avícola. Assim, definir limites éticos e diretrizes para a produção avícola é fundamental para fomentar o desenvolvimento de novas práticas produtivas, e assim garantir qualidade e produtividade sem colocar em risco o bem-estar dos animais. Esta revisão destacará as principais expressões comportamentais das aves domésticas, dentre elas as expressões sociais, alimentares, reprodutivas, além de estereotipias, e identificará as estratégias de adaptação social. Assim, promovera ao leitor e a comunidade científica uma melhor compreensão de assuntos pouco discutidos para assim auxiliar em análises comportamentais.</p> Camila Lopes Carvalho Caroline Romeiro de Oliveira Gabriela Miotto Galli Nathalia de Oliveira Telesca Camargo Melody Martins Cavalcante Pereira Thais Bastos Stefanello Raquel Melchior Ines Andretta Copyright (c) 2022 Autores e Revista de Ciências Agroveterinárias https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2022-10-19 2022-10-19 21 3 360 369 10.5965/223811712132022360 Desenvolvimento da produção orgânica na Ucrânia: problemas e perspectivas https://revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/21210 <p>O artigo examina o respaldo legal e o devido apoio estatal à produção orgânica na Ucrânia, comprovação do potencial e obstáculos ao desenvolvimento da produção orgânica, bem como propostas para melhorar a legislação atual da Ucrânia. O artigo também analisa o mercado moderno de produtos orgânicos, que, em termos de crescente demanda dos consumidores por produtos ecologicamente corretos e seguros para a saúde humana, é uma grande perspectiva para o país. O aumento da área de terras agrícolas destinadas à produção orgânica, o número de operadores orgânicos domésticos e o volume cada vez maior de exportações de produtos orgânicos para outros países indicam uma tendência constante de crescimento e desenvolvimento deste mercado. Nota-se que a necessidade de formar uma infraestrutura de mercado própria para produtos orgânicos. Além disso, deve ser resolvido o problema da melhoria do sistema de padronização e certificação da produção, processamento, armazenamento e transporte de produtos orgânicos, bem como a introdução de um sistema eficaz de controle sobre a venda de matérias-primas orgânicas.</p> Dmytro Fedchyshyn Iryna Ignatenko Daria Danilik Alyona Chyryk Copyright (c) 2022 Autores e Revista de Ciências Agroveterinárias https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2022-10-19 2022-10-19 21 3 324 338 10.5965/223811712132022324