Época de desfolha e sua influência no desempenho vitícola da uva ‘Sauvignon Blanc’ em região de elevada altitude

Autores

  • Douglas André Würz Discente do Programa de Pós-graduação em Produção Vegetal da Universidade do Estado de Santa Catarina
  • Ricardo Allebrandt UDESC
  • José Luiz Marcon Filho
  • Betina Pereira de Bem UDESC
  • Alberto Fontanella Brighenti EPAGRI
  • Leo Rufato UDESC
  • Aike Anneliese Kretzschmar UDESC

DOI:

https://doi.org/10.5965/223811711712018091

Palavras-chave:

Vitis vinifera L., manejo do dossel, desfolha precoce, vinhos de altitude.

Resumo

A videira caracteriza-se como uma espécie exigente em tratos culturais, e para se alcançarem condições ótimas no momento da colheita, é fundamental que as técnicas de manejo sejam adequadas às características de cada região. A desfolha, nesse sentido, tem sido uma importante ferramenta de manejo do dossel vegetativo, podendo melhorar a composição química dos cachos e aumentar a eficiência produtiva da videira. O objetivo deste trabalho foi avaliar o manejo da desfolha em diferentes estádios fenológicos, sobre a eficiência produtiva e na composição química dos cachos da variedade Sauvignon Blanc cultivada em regiões de altitude. O experimento foi conduzido nas safras 2015 e 2016, em um vinhedo localizado no município de São Joaquim, SC (28°17’39”S e 49°55’56”W, 1230m). Os tratamentos consistiram em diferentes épocas de desfolhas, realizadas na região dos cachos nos estádios fenológicos: plena florada, grão chumbinho, grão ervilha, virada de cor das bagas, 15 dias após a virada de cor e sem desfolha (testemunha). Os dados foram submetidos à análise de variância (ANOVA) e comparados pelo Teste Scott-Knott a 5% de probabilidade de erro. Observou-se que a desfolha realizada até o estádio fenológico virada de cor propicia incremento no índice de fertilidade. O manejo da desfolha realizado nos estádios fenológicos grão ervilha e virada de cor apresentaram as maiores produtividades em relação aos demais estádios fenológicos e plantas não submetidas ao manejo da desfolha. Além disso, o manejo da desfolha melhorou a maturação tecnológica e fenólica da uva Sauvignon Blanc quando realizada nos estádios fenológicos grão chumbinho e grão ervilha, nas duas safras avaliadas. Os resultados deste trabalho evidenciam a importância no manejo da desfolha para obtenção de um mosto com potencial para elaboração de vinhos finos de qualidade, principalmente quando realizados entre os estádios fenológicos de grão chumbinho e grão ervilha. Portanto, a desfolha da videira Sauvignon Blanc em regiões de altitude deve ser considerada uma prática de manejo indispensável ao vitivinicultor

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Douglas André Würz, Discente do Programa de Pós-graduação em Produção Vegetal da Universidade do Estado de Santa Catarina

Engenheiro Agrônomo e Sommelier Internacional, com experiência na área de Viticultura, Enologia e Análise Sensorial de Vinhos. Especialista em Proteção de Plantas pela Universidade Federal de Viçosa (UFV) e especialista em Agronegócio (Unicesumar). Desempenhou Funções de Engenheiro Agrônomo, Gerente de Campo, Recepção de visitantes e degustações em Vinícola. Atuou também como professor de Viticultura, Fitossanidade e Administração e Economia Rural do Curso Técnico de Viticultura e Enologia, da Escola de Ensino Básico Manoel Cruz, em São Joaquim - Santa Catarina. Possui qualificação WSET Level 1 Award in Wines (QCF), pela The Wine School & Spirit Education Trust Limited e é Sommelier Internacional pela FISAR/UCS. Atualmente é Mestrando em Produção Vegetal da Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC, atuando na área de Viticultura e Enologia. Colunista sobre Vinhos no "Jornal A Tribuna" de São Joaquim - SC, no jornal "Diário de RioMafra" de Mafra - SC e no Jornal "Testo Notícias" de Pomerode - SC, no Jornal "Correio do Contestado" de Papanduva - SC, no Jornal "Perfil" de Rio Negrinho - SC e "Revista Expressiva" de Lages - SC.

Ricardo Allebrandt, UDESC

Engenheiro Agrônomo formado na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Mestre em Produção Vegetal pela Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC). Atualmente é aluno de Doutorado do Programa de Pós-Graduação em Produção Vegetal, da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC). Possui experiência na área de pesquisa em viticultura e enologia.

José Luiz Marcon Filho

Possui graduação em Agronomia pela Universidade do Estado de Santa Catarina (2009), mestrado em Produção Vegetal pela Universidade do Estado de Santa Catarina (2012) e doutorado em Produção Vegetal pela Universidade do Estado de Santa Catarina (2016), com período de doutorado Sanduíche na Universidade de Auckland, Nova Zelândia. Tem experiência na área de Vitivinicultura e Enologia, com ênfase em Manejo do dossel, porta-enxertos e análise química e sensorial de vinhos.

 

Betina Pereira de Bem, UDESC

Engenheira Agrônoma formada pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Mestre no curso de Produção Vegetal pela Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), na área de fruticultura com ênfase em fitopatologia e técnicas de manejo em fruteiras de clima temperado, dedicando sua formação principalmente aos temas: doenças da videira e vitivinicultura em regiões de altitude elevada. Atuou como docente no curso Técnico em Enologia e Viticultura (EBB Manuel Cruz - São Joaquim) e no Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC - Câmpus Lages), ministrando aulas referentes a área de produção vegetal nos cursos técnicos em Agroecologia e Agronegócio. Atualmente é doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Produção Vegetal da Universidade do Estado de Santa Catarina - Centro de Ciências Agroveterinárias (CAV- UDESC), dedicando sua formação principalmente a doenças da videira e a resistência de variedades aos principais problemas fitossanitários da vitivinicultura de elevada altitude de Santa Catarina.

Alberto Fontanella Brighenti, EPAGRI

Engenheiro Agrônomo formado pela Universidade do Estado de Santa Catarina (2007). Mestre em Produção Vegetal pela Universidade do Estado de Santa Catarina (2010). Doutor pelo programa de pós-graduação em Recursos Genéticos Vegetais pela Universidade Federal de Santa Catarina (2014). Atualmente é pesquisador da Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri), atuando principalmente nos seguintes temas: fruticultura de clima temperado e viticultura em regiões de altitude elevada. E-mail para contato: albertobrighenti@epagri.sc.gov.br

 

Leo Rufato, UDESC

Leo Rufato possui graduação em Agronomia pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (1996), mestrado em Fruticultura de Clima Temperado pela Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel (1999), doutorado em Fruticultura de Clima Temperado pela Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel (2004), com estágio doutorado sanduiche - Universita di Bologna (2002), Pós doutorado por Cornell University (2014), Atualmente é professor da Universidade do Estado de Santa Catarina no curso de Agronomia e Pós Graduação em Produção Vegeta da mesma Universidade, Revisor das revistas - Revista Brasileira de Fruticultura, - Revista Brasileira de Agrociência , - Revista Científica UDO Agrícola, - Revista Científica Rural, - Revista de Ciências Agroveterinárias, Ciência Rural, Journal of Horticultural Science and Biotechnology e Pesquisa Agropecuária Brasileira. Tem experiência na área de Agronomia, com ênfase em Fruticultura, e vitivinicultura , atuando principalmente nos seguintes temas: viticultura de altitude, viticultura, fruticultura, produção de mudas e segurança alimentar.

Aike Anneliese Kretzschmar, UDESC

Possui graduação em Agronomia pela Universidade Federal de Santa Catarina (1987), mestrado em Fruticultura de Clima Temperado pela Universidade Federal de Pelotas (1991) e doutorado em Fitotecnia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2004). Atualmente é professora efetiva da Universidade do Estado de Santa Catarina. Tem experiência na área de Horticultura e Fruticultura, com ênfase em Fruticultura de clima temperado, atuando principalmente nos seguintes temas: videira, macieira, pequenos frutos, pereira, manejo da produção, propagação, doenças pós-colheita e controle biológico.

 

Referências

BAILLOD M & BAGGIOLINI M. 1993. Les stades repères de la vigne. Revue Suisse de Viticulture Arboriculture Horticulture 25: 7-9.

BLEDSOE AM et al. 1988. Effects of timing and severity of leaf removal on yield and fruit composition of Sauvignon blanc grapevines. American Journal of Enology and Viticulture 39: 49-54.

BORGHEZAN M et al. 2010. Modelos matemáticos para a estimativa da área foliar de variedades de videira à campo (Vitis vinifera L.). Ciência e Técnica Vitivinícola 25: 1-7.

BORGHEZAN M et al. 2014. Phenology and vegetative growth in a new production region of grapevine: case study in São Joaquim, Santa Catarina, Southern Brazil. Open Journal of Ecology 4: 321-335.

BOTELHO RV et al. 2006. Fertilidade de Gemas em Videiras: Fisiologia e fatores envolvidos. Ambiência 2: 129-144.

BOWEN PA & KLIEWER WM. 1990. Relationship between the yield and vegetative characteristics of individual shoots of ‘Cabernet Sauvignon’ grapevines. Journal of the American Society of Horticultural Science 115: 534-539.

BRIGHENTI AF et al. 2013. Caracterização fenológica e exigência térmica de diferentes variedades de uvas viníferas em São Joaquim, Santa Catarina – Brasil. Ciência Rural 43: 1162-1167.

CASPARI HW & LANG A. 1996. Carbohydrate supply limits fruitset in commercial Sauvignon blanc grapevines. In Proceedings for the Fourth International Symposium on Cool Climate Enology and Viticulture. T. Henick-Kling et al. (eds.), pp. II 9-13. New York State Agriculture Experiment Station, Geneva.

CHORTI E et al. 2010. Effects of different cluster sunlight exposure levels on ripening and anthocyanin accumulation in ‘Nebbiolo’ grapes. American Journal of Enology and Viticulture 61: 23-30.

CONDE C et al. 2007. Biochemical changes throughout grape berry development and fruit and wine quality. Food 1: 1-22.

DIAGO MP et al. 2010. Effects of timing of manual and mechanical early defoliation on the aroma of Vitis vinifera L. Tempranillo wine. American Journal of Enology and Viticulture 61: 382-391.

DIAGO MP et al. 2012. Phenolic composition of Tempranillo wines following early defoliation of the vines. Journal of the Science of Food and Agriculture 92: 925-934.

GATTI M et al. 2012. Effects of cluster thinning and preflowering leaf removal on growth and grape composition in cv. Sangiovese. American Journal of Enology and Viticulture 63: 325-332.

GLORIES Y. 1998. La couleur des vins rouges: les equilibres des anthocyanes et des tanins du Vin. Bordeaux: Actualités. 417p.

INTRIERI C et al. 2008. Early defoliation (hand vs mechanical) for improved crop control and grape composition in Sangiovese (Vitis vinifera L.). Australian Journal of Grape and Wine Research 14: 25-32.

INTRIGLIOLO DS et al. 2014. Early defoliation reduces cluster compactness and improves grape composition in Mandó, an autochthonous cultivar of Vitis vinifera from southeastern Spain. Scientia Horticulturae 167: 71-75.

JOGAIAH S et al. 2013. Influence of canopy management practices on fruit composition of wine grape cultivars grown in semi-arid tropical region of India. African Journal of Agricultural Research 8: 3462-3472.

KELLER M & KOBLET W. 1995. Dry matter and leaf area partitioning, bud fertility and second season growth of Vitis vinifera L.: Responses to nitrogen supply and limiting irradiance. Vitis 34: 77-83.

KLIEWER WM & LIDER LA. 1968. Influence of cluster exposure to the sun on the composition of ‘Thompson Seedless’ fruit. American Journal of Enology and Viticulture 19: 175-184.

LEÃO PCS et al. 2016. Canopy management effects on ‘Syrah’ grapevines under tropical semi-arid conditions. Scientia Agricola 73: 209-216.

LOHITNAVY N et al. 2010. Early leaf removal increases flower abscission in Vitis vinifera Semillon. Vitis 49: 51-53.

MALINOVSKI LI et al. 2016. Viticultural performance of Italian grapevines in high altitude regions of Santa Catarina State, Brazil. Acta Horticulturae 1115: 203-210.

MARCON FILHO JL et al. 2015. Raleio de cachos sobre o potencial enológico da uva 'Cabernet Franc' em duas safras. Ciência Rural 45: 2150-2156.

MARCON FILHO JL 2016. Sistemas de condução na produção de uvas viníferas e composição química e aromática de vinhos da região de altitude de Santa Catarina. 2016. Tese (Doutorado em Produção Vegetal). Lages: UDESC. 201p.

MORI K et al. 2005. Decreased anthocyanin biosynthesis in grape berries grown under elevated night temperature condition. Scientia Horticulturae 105: 319-330.

MOSSETTI D et al. 2016. Impact of leaf removal after berry set on fruit composition and bunch rot in 'Sauvignon blanc'. Vitis 55: 57-64.

OIV - 2009. Organisation Internationale de la Vigne et du Vin. Recueil des Methodes Internationales d’Analyse des Vins et des Mouts. 424p.

PONI S et al. 2006. Effects of early defoliation on shoot photosynthesis, yield components, and grape quality. American Journal of Enology and Viticulture 57: 397-407.

PONI S et al. 2008. The effect of early leaf removal on whole-canopy gas exchange and vine performance of Vitis vinifera L. ‘Sangiovese’. Vitis 47: 1–6.

PONI S et al. 2009. Effects of pre-bloom leaf removal on growth of berry tissues and must composition in two red Vitis vinifera L. cultivars. Australian Journal of Grape and Wine Research 15: 185-193.

REYNOLDS AG et al. 1986. Influence of cluster exposure on fruit composition and wine quality of Seyval blanc grapes. Vitis 25: 85-95.

RIBÉREAU-GAYON P et al. 1998. Traité d’oenologie: microbiologie du vin: vinifications. Paris: Dunod. 185p.

RISCO D et al. 2014. Early defoliation in a temperate warm and semi-arid Tempranillo vineyard: vine performance and grape composition. Australian Journal of Grape and Wine Research 20: 111-122.

RISTIC R et al. 2007. Exclusion of sunlight from Shiraz grapes alters wine colour, tannin and sensory properties. Australian Journal of Grape and Wine Research 13: 3-65.

SPAYD SE et al. 2002. Separation of sunlight and temperature effects on the composition of Vitis vinifera cv. Merlot berries. American Journal of Enology and Viticulture 53: 171-182.

SCHEINER JJ et al. 2010. Impact of severity and timing of basal leaf removal on 3-isobutyl-2-methoxypyrazine concentrations in red winegrapes. American Journal of Enology and Viticulture 61:358-364.

SUN Q et al. 2012. Impact of shoot and cluster thinning on yield, fruit composition, and wine quality of Corot Noir. American Journal of Enology and Viticulture 63: 49-56.

TARARA JM et al. 2008. Berry temperature and solar radiation alter acylation, proportion, and concentration of anthocyanin in Merlot grapes. American Journal of Enology and Viticulture 59: 235-247.

TARDAGUILA J et al. 2010. Impact of early leaf removal on yield and fruit and wine composition of Vitis vinifera L. Graciano and Carignan. American Journal of Enology and Viticulture 61: 372-381.

TARDAGUILA J et al. 2012. Mechanical yield regulation in winegrapes: comparison of early defoliation and crop thinning. Australian Journal of Grape and Wine Research 18: 344–352.

TONIETTO J & CARBONNEAU A. 2004. A multicriteria climatic classification system for grape-growing regions worlwide. Agricultural and Forest Meteorology 124: 81-97.

VIANNA LF et al. 2016. Caracterização agronômica e edafoclimáticas dos vinhedos de elevada altitude. Revista de Ciências Agroveterinárias 15: 215-226.

Downloads

Publicado

2018-03-16

Como Citar

WÜRZ, D. A.; ALLEBRANDT, R.; MARCON FILHO, J. L.; DE BEM, B. P.; BRIGHENTI, A. F.; RUFATO, L.; KRETZSCHMAR, A. A. Época de desfolha e sua influência no desempenho vitícola da uva ‘Sauvignon Blanc’ em região de elevada altitude. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 17, n. 1, p. 91-99, 2018. DOI: 10.5965/223811711712018091. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/9641. Acesso em: 26 set. 2022.

Edição

Seção

Artigo de Pesquisa - Ciência de Plantas e Produtos Derivados

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 > >>