Cultivo de gladíolo em sistema de plantio direto orgânico

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/223811712212023015

Palavras-chave:

Yester, Gladiolus x grandiflorus Hort, orgânico

Resumo

As flores de corte são consideradas uma importante alternativa para diversificação da propriedade, principalmente na agricultura familiar. A cultura do gladíolo (Gladiolus x grandiflorus Hort.) possui fácil condução e tem bom valor agregado. A forma tradicional de cultivar o gladíolo é realizada com intenso revolvimento do solo, o que pode gerar perdas no sistema. Assim, a adoção de sistemas sustentáveis torna-se importante para o equilíbrio dos agroecossistemas, sendo o Sistema de Plantio Direto uma destas opções. O objetivo nesse trabalho é avaliar o desempenho agronômico de gladíolo em sistema de plantio direto orgânico. O experimento foi realizado no setor de Horticultura da Universidade Federal da Fronteira Sul, campus Laranjeiras do Sul-PR. O experimento foi conduzido em blocos completamente casualizados com parcelas contendo mix de plantas de cobertura de solo composto por aveia preta (Avena strigosa Schreb) + ervilhaca (Vicia sativa L.) + nabo forrageiro (Raphanus sativus L.) e cultivo sem cobertura, seguido do cultivo do gladíolo. A cultivar de gladíolo utilizada foi Yester ciclo intermediário II. As avaliações realizadas foram: características fenológicas e morfológicas da cultura, características físicas e biológicas do solo, incidência de insetos fitófagos, doenças e plantas espontâneas, qualidade das hastes florais e produtividade. Os resultados de respiração basal do solo, temperatura do solo, incidência de plantas espontâneas, clorofila total, comprimento da haste, comprimento da maior folha, classificação das hastes florais e produtividade apresentaram diferenças significativas entre os sistemas. O cultivo com cobertura de solo obteve maior produtividade, apresentando a média de 79.666 hastes por hectare. O sistema de plantio direto com manejo orgânico demonstrou resultados agronômicos satisfatórios sendo indicado para o cultivo de gladíolos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALENCAR GV et al. 2013. Percepção ambiental e uso do solo por agricultores de sistemas orgânicos e convencionais na Chapada da Ibiapaba. Revista de Economia e Sociologia Rural 51: 217-236.

ALEF K. 1995. Estimation of soil respiration. In: ALEF K & NANNIPIERI P. Methods in soil microbiology and biochemistry. San Diego: Academic press. p.464-470.

ALVARES CA et al. 2013. Köppen ́s climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrif 22: 711-728.

APARECIDO LEO et al. 2016. Köppen, Thornthwaite and Camargo climate classifications for climatic zoning in the State of Paraná, Brazil, 40: 405-417.

ARAÚJO R et al. 2007. Qualidade de um solo sob diferentes usos e sob cerrado nativo. Revista Brasileira Ciência do Solo 31: 1099-1108.

AZEVEDO LAS. 1997. Manual de quantificação de doenças de plantas. São Paulo: LASA. 117p.

BALBINOT JUNIOR AA et al. 2007. Efeito de coberturas de inverno e sua época de manejo sobre a infestação de plantas daninhas na cultura de milho. Planta Daninha 25: 473-480.

BARROS TD & JARDINE JG. 2012. Agroenergia: Nabo forrageiro. Disponível em: https://www.agencia.cnptia .embrapa.br/gestor/agroenergia/arvore/CONT000fbl23vn002wx5eo0sawqe38tspejq.html. Acesso em: 12 ago. 2021.

BERTOL I et al. 2000. Propriedades físicas e químicas e produtividade de milho afetadas pelo manejo do solo com tração animal, numa terra bruna estruturada. Ciência Rural 30: 971-976.

BONJORNO II et al. 2010. Efeito de plantas de cobertura de inverno sobre cultivo de milho em sistema de plantio direto. Revista Brasileira de Agroecologia 5: 99-108.

BOER CA et al. 2008. Biomassa, decomposição e cobertura do solo ocasionada por resíduos culturais de três espécies vegetais na região centro-oeste do brasil, Revista Brasileira Ciência do Solo 32: 843-851.

BUZINARO TN et al. 2009. Atividade microbiana do solo em pomar de laranja em resposta ao cultivo de adubos verdes. Revista Brasileira Fruticultura 31: 408-415.

BRASIL 2003. Lei n. 10.831, de 23 de dezembro de 2003. Dispõe sobre a agricultura orgânica e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília. Disponível em: https://www.gov.br/agricultura/ptbr/assuntos/sustentabilidade /organicos/legislacao/portugues/lei-no-10-831-de-23-de-dezembro-de-2003.pdf/view. Acesso em: 10 jul. 2022.

CASTRO ACR de et al. 2007. Hastes florais de helicônia sob deficiência de macronutrientes. Pesquisa Agropecuária Brasileira 42: 1299-1306.

CAVIGLIONE JH et al. 2000. Cartas climáticas do Paraná. In: Congresso e Mostra de Agroinformática. Ponta Grossa: IAPAR. 6p.

CARDOSO EJBN & ANDREOTE FD. 2016. Microbiologia do solo. Piracicaba: ESALQ. 221p.

CRUSCIOL CAC et al. 2008. Taxas de decomposição e de liberação de macronutrientes da palhada de aveia preta em plantio direto. Revista Bragantia 67: 481-489.

COELHO MEH et al. 2013. Coberturas do solo sobre a amplitude térmica e a produtividade de pimentão. Planta Daninha 31: 369-378.

COSTA NR et al. 2012. Adubação nitrogenada no consórcio de milho com duas espécies de braquiária em sistema plantio direto. Pesquisa Agropecuária Brasileira 47: 1038-1047.

COSTA EA et al. 2006. Qualidade de solo submetido a sistemas de cultivo com preparo convencional e plantio direto. Pesquisa agropecuária brasileira 41: 1185-1191.

COSTA EM et al. 2013. Matéria orgânica do solo e o seu papel na manutenção e produtividade dos sistemas agrícolas. Centro científico conhecer 9: 1842-1860.

CORREIA MEF & OLIVEIRA LCM. 2006. Importância da fauna de solo para a ciclagem de nutrientes. Miolo biota: 77-100.

EMBRAPA. 2018. Sistema brasileiro de classificação de solos. Brasília: EMBRAPA. 356p.

FERNANDES MCA et al. 2005. Controle de pragas de hortas e de ambiente doméstico: receituário caseiro. Niterói: PESAGRO-RIO. 20p. (Boletim Técnico 30).

FERRON LA et al. 2021. Hastes de Gladíolo cultivadas sob telas de sombreamento e doses de cama de aviário. Brazilian Journal of Development 7: 12108-12126.

FERREIRA WN et al. 2012. Crescimento inicial de Piptadenia stipulacea (Benth.) Ducke (Mimosaceae) e Anadenanthera colubrina (Vell.) Brenan var. cebil (Griseb.) Altshul (Mimosaceae) sob diferentes níveis de sombreamento. Acta Botanica Brasilica 26: 408-414.

FERREIRA CA. 2008. Identificação de cultivares de gladíolo por meio de marcadores morfológicos e moleculares, Dissertação (Mestrado em Agronomia). Lavras: UFLA. 96p.

FURLANI CEA et al. 2008. Temperatura do solo em função do preparo do solo e do manejo da cobertura de inverno, Revista Brasileira Ciência do Solo 32: 375-380.

GOMES JR FG & CHRISTOFFOLETI PJ. 2008. Biologia e manejo de plantas daninhas em áreas de plantio direto. Planta Daninha 26: 789-798.

KOZLOWSKI LA. 2002. Período crítico de interferência das plantas daninhas na cultura do milho baseado na fenologia da cultura. Planta Daninha 20: 365-372.

LAMEGO FP et al. 2015. Potencial de supressão de plantas daninhas por plantas de cobertura de verão. Comunicata Scientiae 6: 97-105.

LEITE CD & MEIRA AL. 2016. Preparo do biofertilizante supermagro. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Disponível em: <https://www.gov.br/agricultura/pt-br/assuntos/sustentabilidade/organicos/fichas-agroecologicas /arquivos-fertilidade-do-solo/13-preparo-do-biofertilizante-supermagro.pdf. Acesso em: 09 mar. 2022.

LOPES AS et al. 2004. Sistema Plantio Direto: bases para o manejo da fertilidade do solo. São Paulo: ANDA. 110p.

MATHEW RP et al. 2012. Impact of No-Tillage and Conventional Tillage Systems on Soil Microbial Communities. Applied and Environmental Soil Science 2012: 10p.

MAPA. 2021. Portaria nº 52, de 15 de março de 2021, Diario Oficial da União. Disponível em: https://www.gov.br/agricultura/pt-br/assuntos/inspecao/produtos-vegetal/legislacao-1/biblioteca-de-normas-vinhos-e-bebidas/portaria-no-52-de-15-de-marco-de-2021.pdf/view. Acesso em: 10/07/2022.

MICHELON CJ et al. 2019. Atributos do solo e produtividade do milho cultivado em sucessão a plantas de cobertura de inverno. Revista Ciência Agroveterinária 18: 230-239.

MONTEIRO RTR & FRIGHETTO RTS. 2000. Determinação da umidade, pH e capacidade de retenção de água do solo. Jaguariúna: Embrapa Meio Ambiente. 198p.

OLIBONE D et al. 2006. Crescimento inicial da soja sob efeito de resíduos de sorgo. Planta Daninha 24: 255-261.

OLIVEIRA SM et al. 2015. Importância do sistema de plantio direto (SPD) para a cultura do milho. Visão agrícola 13: 40-44.

PAVINATO PS & ROSOLEM CA. 2008. Disponibilidade de nutrientes no solo: decomposição e liberação de compostos orgânicos de resíduos vegetais. Revista Brasileira Ciência do Solo 32: 911-920.

PAVINATO PS et al. 2017. Manual de adubação e calagem para o estado do Paraná. Curitiba: SBCS/NEPAR. 289p.

PACHECO BRO et al. 2021. Classificação comercial e caracterização físico-química de beterrabas oriundas de sistema de plantio direto de hortaliças sob diferentes densidades de palhada de milho. Revista Iberoamericana de Tecnología Postcosecha 22: 212-225.

PEREZ KSS et al. 2004. Carbono da biomassa microbiana em solo cultivado com soja sob diferentes sistemas de manejo nos Cerrados. Pesquisa agropecuária brasileira 39: 567-573.

PORTO RA et al. 2012. Adubação nitrogenada no crescimento e produção de gladíolos em latossolo vermelho no cerrado. Agroecossistemas 4: 2-11.

PITELLI RA. 2000. Estudos fitossociológicos em comunidades infestantes de agroecossistemas. J. Conseb 1: 1-7.

PINTO PHG et al. 2021. Coberturas vegetais na entressafra de culturas afetando o banco de sementes de plantas daninhas. Research, Society and Development 10: e51810616057.

PRIMAVESI O et al. 2002. Qualidade mineral e degradabilidade potencial de adubos verdes conduzidos sobre latossolos na região tropical de São Carlos. Revista de agricultura 77: 89-102.

RICCI MSF. 1996. Manual de vermicompostagem. Rondônia: Embrapa – CPAF. 23p.

ROSA YBCJ et al. 2014. Desenvolvimento de gladíolos em função da adubação nitrogenada e diâmetro do cormo. Revista Brasileira de Horticultura Ornamental 20: 87-92.

RODRIGUES et al. 2007. Ocorrência de plantas daninhas no cultivo de bromélias. Planta Daninha: 25: 727-733.

SILVA PRF et al. 2006. Estratégias de manejo de coberturas de solo no inverno para cultivo do milho em sucessão no sistema semeadura direta. Fitotecnia, Ciência Rural 36: 1011-1020.

SILVA RR et al. 2010. Biomassa e atividade microbiana em solos sob diferentes sistemas de manejo na região fisiográfica campos das vertentes - MG. Revista Brasileira de Ciência do Solo 34: 1585-1592.

SOUZA RF et al. 2014. Perdas de solo, água e nutrientes em área cultivada com hortaliças sob sistema de plantio direto. Revista Científic Multidisciplinary Journal, Unievangélica Centro Universitário 1: 38-50.

SOUZA AG et al. 2020. Efeito do sistema de cultivo na produção de gladiolos no Alto Vale do Itajaí, SC, Agropecuária Catarinense 33: 59-64.

SCHWAB NT et al. 2019. Gladíolo: Fenologia e manejo para produção de hastes e bulbos. Santa Maria: Pallotti. 132p

SCHWAB NT et al. 2015a. Parâmetros quantitativos de hastes florais de gladíolo conforme a data de plantio em ambiente subtropical. Pesquisa Agropecuária Brasileira 50: 902-911.

SCHWAB NT et al. 2015b. Como uma planta de gladíolo se desenvolve. Santa Maria: UFSM. 23p.

SCHULTZ N et al. 2020. Produção de couve-flor em sistema plantio direto e convencional com aveia preta como planta de cobertura do solo, Brazilian Journal of Development 6: 30107-30122.

STRECK NA et al. 2012. Desenvolvimento vegetativo e reprodutivo em gladíolo. Ciência Rural 42: 1968-1974.

STREIT NM et al. 2005. As clorofilas. Ciência Rural 35: 748-755.

STANCK LT. 2019. Produção de flores e avaliação estrutural de folhas de gladíolo em sistemas de manejo do solo em Santa Catarina. Dissertação (Mestado Ecossistemas Agrícolas e Naturais) Curitibanos: UFSC. 108p.

TASCA FA et al. 2011. Volatilização de amônia do solo após a aplicação de ureia convencional ou com inibidor de urease, Revista Brasileira Ciência do Solo 35: 493-502.

TOMBOLATO AFC et al. 2005. Melhoramento genético do gladíolo no IAC: novas cultivares 'IAC Carmim' e 'IAC Paranapanema'. Científica 33: 142-147.

VAZ JM et al. 2020. Cobertura morta de solo no cultivo orgânico de physalis (Physalis peruviana L.) Brazilian Journal of Development 6: 80113-80130.

VEILING HOLAMBRA. 2013. Critérios de Classificação: Gladíolo corte. Holambra: Cooperativa Veiling Holambra. 5p.

WOLSCHICK NH et al. 2016. Cobertura do solo, produção de biomassa e acúmulo de nutrientes por plantas de cobertura. Revista de Ciências Agroveterinárias 15: 134-143.

ZIECH ARD et al. 2015. Proteção do solo por plantas de cobertura de ciclo hibernal na região Sul do Brasil. Pesquisa agropecuária Brasileira 50: 374-382.

Publicado

2023-03-28

Como Citar

OLIVEIRA, Rivael de Jesus; LIMA , Cláudia Simone Madruga; LEANDRINI, Josimeire Aparecida; NEGRELLI, Welton Schiles; OLIVEIRA, Luiz Fernando de Jesus; LIZARELLI, Heitor Flores. Cultivo de gladíolo em sistema de plantio direto orgânico. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 22, n. 1, p. 15–27, 2023. DOI: 10.5965/223811712212023015. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/22181. Acesso em: 23 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigo de Pesquisa - Ciência de Plantas e Produtos Derivados

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.