Odoyá, minha mãe! Desconstruindo o uso da imagem da Iemanjá a partir do caso Farm

Tatalina C. S. Oliveira, Ertz Clarck Melindre dos Santos, Ana Flávia da Fonte Netto de Mendonça

Resumo


Este artigo aborda o estudo teórico que envolve uma polêmica gerada na internet envolvendo a empresa de moda brasileira Farm e integrantes e defensores do movimento negro, em dezembro de 2014. A marca divulgou virtualmente a imagem de uma fantasia de Iemanjá, vestida por uma modelo branca, e este foi o início de uma discussão que ultrapassou as redes sociais. Para analisar esse contexto foi utilizada a perspectiva teórica do construcionismo social, aliada ao processo metodológico implementado por Montemezzo (2003) e aplicado ao design de moda. A contribuição científica da pesquisa se sustenta no processo contínuo e plástico de se interpretar um símbolo, nesse caso o religioso de matriz africana, e proporcionar uma relação profícua entre ele e o seu respectivo público-alvo inserido em uma campanha de moda.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5965/1982615x09172016067

Direitos autorais Tatalina C. S. Oliveira, Ertz Clarck Melindre dos Santos, Ana Flávia da Fonte Netto de Mendonça

Licença Creative Commons

      http://www.revistas.udesc.br/public/site/images/rocha1/ceart1.png