O flashmob e o rolezinho: considerações sobre a construção estética de um corpo político coletivo num espaço de ostentação capitalista

Autores

  • Fátima Costa de Lima Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), Florianópolis, SC, Brasil
  • Stephan Arnulf Baumgärtel Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC)

DOI:

https://doi.org/10.5965/1414573101262016128

Palavras-chave:

Corpo politico coletivo, estratégias estéticas, espaço urbano, litlitígio socioeconômico

Resumo

O presente artigo discute o flashmob e o rolezinho no que diz respeito a suas eficácias transgressivas e/ou conciliatórias. Discutimos suas diferentes estratégias estéticas para tornar visível algo que se mantém cotidianamente invisível no espaço público, sobretudo sob a ótica do litígio socioeconômico. Refletimos sobre as lógicas com quais as duas práticas propõem o que Jacques Rancière chama de “partilha do sensível”, a percepção do espaço comum e, nele, a participação do público por meio da ação coletiva. Argumentamos que os flashmobs conciliam os espectadores-participantes com o status quo e seguem a lógica homogeneizante ou policial, enquanto os rolezinhos abrem as contradições da sociedade brasileira e reorganizam o espaço compartilhado conforme uma lógica genuinamente política.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fátima Costa de Lima, Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), Florianópolis, SC, Brasil

Professora pesquisadora do Departamento de Artes Cênicas e do Programa de Pós-graduação em Teatro da UDESC.

Stephan Arnulf Baumgärtel, Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC)

Professor Adjunto do Departamento de Artes Cênicas e do Programa de Pós-graduação em Teatro da UDESC.

Referências

BENJAMIN, Walter. Charles Baudelaire: um lírico no auge do capitalismo (Obras escolhidas III). Tradução de José Carlos Martins Barbosa e Hermerson Alves Baptista. São Paulo: Brasiliense, 1989.

________________. Magia e técnica, arte e política (Obras escolhidas I). Tradução de Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1987.

________________. O anjo da história. Tradução de João Barrento. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

________________. Origem do drama trágico alemão. Tradução de João Barrento. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

BHABHA, Homi K. O local da cultura. Tradução de Myriam Ávila, Eliana Lourenço de Lima Reis e Gláucia Renate Gonçalves. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2001.

BRUM, Eliane. Os novos “vândalos do Brasil”. El País Brasil online, portado em 23/12/2013, às 12h51m. Disponível em: http://brasil.elpais.com/brasil/2013/12/23/opinion/1387799473_348730.html. Acesso em: 11 de janeiro de 2016.

CANETTI, Elias. Massa e poder. Tradução de Sérgio Teilaroli. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.Cidades rebeldes: as jornadas de junho no blog da Boitempo. Disponível em: https://blogdaboitempo.com.br/jornadas-de-junho/. Acesso em: 2 de maio de 2016.

HARVEY, David, MARICATO, Ermínia e outros. Cidades rebeldes: Passe Livre e as manifestações que tomaram conta das ruas do Brasil. São Paulo: Boitempo, 2013.

HOUAISS, Antônio. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009.

NANCY, Jean-Luc. Being singular plural. Tradução de Robert Richardson e Anne E. O’Bryne. Stanford: Stanford University Press, 2000.

Jovens se organizam pelo Facebook e provocam tumulto em shopping da capital. In: Estado de Minas, 15 de agosto de 2013. Disponível em: http://www.em.com.br/app/noticia/gerais/2013/08/15/interna_gerais,435646/jovens-se-organizam-pelo-facebook-e-provocam-tumulto-em-shopping-da-capital.shtml. Acesso em: 30 de junho de 2016.

PERNIOLA, Mario. Do sentir. Tradução de Antônio Guerreiro. Lisboa: Editorial Presença, 1993.

PEREIRA, Alexandre Barbosa. Rolezinho no shopping: aproximação etnográfica e política. Pensata – Revista dos Alunos de Pós-Graduação em Ciências Sociais da UNIFESP, volume 3, número 2, ano 4, maio de 2014, p. 8-16. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/271197338_Rolezinho_no_shopping_aproximacao_etnografica_e_politica. Acesso em: 3 de maio de 2016.

RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível: estética e política. Tradução de Monica Costa Netto. São Paulo: EXO Experimental/Editora 34, 2005.

__________________. O desentendimento. Tradução de Ângela Leite Lopes. São Paulo: Editora 34, 1996.

__________________. O inconsciente estético. Tradução de Monica Costa Netto. São Paulo: Editora 34, 2009.

WASIK, Bill. My Crowd. Or Phase 5: a report from the inventor of the flash mob. Harpers Magazine, 2006, p. 56-66. Disponível em: http://raley.english.ucsb.edu/wp-content2/uploads/Wausik_Harpers.pdf. Acesso em: 15 de janeiro de 2016.

Downloads

Publicado

2016-07-31

Como Citar

LIMA, F. C. de; BAUMGÄRTEL, S. A. O flashmob e o rolezinho: considerações sobre a construção estética de um corpo político coletivo num espaço de ostentação capitalista. Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v. 1, n. 26, p. 128 - 143, 2016. DOI: 10.5965/1414573101262016128. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/urdimento/article/view/1414573101262016128. Acesso em: 28 set. 2022.

Edição

Seção

Dossiê Temático: Desafios do teatro político