A cena, a cela e a tela: (Auto)crítica dos projetos visual e audiovisual do espetáculo Retrato de Augustine através da observação da contracena de duas atrizes/personagens femininas

Autores

  • Fátima Costa de Lima Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), Florianópolis, SC

DOI:

https://doi.org/10.5965/1414573102212013062

Resumo

Este artigo apresenta a crítica e autocrítica dos projetos cenográfico e audiovisual para a montagem teatral de Retrato de Augustine. A análise é baseada nas relações entre duas personagens femininas principais: Augustine e sua Mãe. O contexto histórico para a análise é o encontro entre Jean-Martin Charcot e Sigmund Freud nos anos 80 do século XIX. A abordagem teórica usa o conceito freudiano de “Unheimlich” (não familiar, estranho) para depois desdobrar os argumentos com as considerações de Hans-Thies Lehmann sobre esse conceito; e a noção de “psicopolítica”, de Peter Sloterdijk.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fátima Costa de Lima, Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), Florianópolis, SC

Doutora em História Cultural (PPG de História – CFH/ UFSC, 2011), professora-pesquisadora do PPG de teatro e do Departamento de Artes Cênicas (DAC). Participa dos grupos de pesquisa Inter-textos (UDESC) e nEBEn (UFSC). Cenógrafa, figurinista e atriz.

Downloads

Publicado

2013-12-14

Como Citar

LIMA, Fátima Costa de. A cena, a cela e a tela: (Auto)crítica dos projetos visual e audiovisual do espetáculo Retrato de Augustine através da observação da contracena de duas atrizes/personagens femininas. Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v. 2, n. 21, p. 062–075, 2013. DOI: 10.5965/1414573102212013062. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/urdimento/article/view/1414573102212013062. Acesso em: 22 maio. 2024.

Edição

Seção

Dossiê Temático: Teatro, gênero e feminismos