Da moda para os oceanos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1982615x14342021137

Palavras-chave:

moda, sustentabilidade, poluição plática

Resumo

A presença de microfibras plásticas no oceano é um problema complexo que demanda soluções urgentes. Recentes pesquisas demonstraram que uma das fontes dessas ínfimas partículas está associada aos tecidos sintéticos destinados à confecção de roupas. Recolhê-las dos ambientes aquáticos é uma tarefa praticamente impossível. As soluções, por hora, dependem de ações que minimizem as emissões destas partículas. Este estudo reúne 2 propostas para melhor compreendê-las e levantar seus prós e contras.

Biografia do Autor

Sandra Maia Rodrigues Pereira, Universidade do Estado de Minas Gerais

Design de moda

Eduardo Romeiro Filho, Universidade Federal de Minas Gerais

Graduado em Desenho Industrial pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (1987), Mestre (1993) e Doutor (1997) em Engenharia de Produção pela Coppe, Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia, da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Professor visitante no Design for Sustaintability Program, da Faculty of Industrial Design Engineering, Delft University of Technology, Holanda (2010). Professor Titular da Escola de Engenharia da Universidade Federal de Minas Gerais. Professor do quadro permanente do Doutorado em Design da UEMG (Universidade do Estado de Minas Gerais), do Doutorado em Inovação Tecnológica e Biofarmacêutica e do Mestrado Profissional em Inovação Tecnológica e Propriedade Intelectual da UFMG. Tem experiência nas áreas de Engenharia de Produção e Design, com ênfase em Metodologia de Projeto do Produto, atuando principalmente nos seguintes temas: Projeto do Produto, Design para Sustentabilidade, Ergonomia do Produto e Projeto Auxiliado por Computador. Autor dos livros CAD na Indústria: Implantação e Gerenciamento (Editora da UFRJ, 1997), Projeto do Produto (Campus/Elsevier, 2010) e Sistemas Integrados de Manufatura (Atlas, 2015).

Rosangela Miriam Lemos Oliveira Mendonça, Universidade Federal de Minas Gerais

Possui graduação em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal de Minas Gerais (1986), graduação em Música pela Fundação Mineira de Arte Aleijadinho (1985), mestrado em Ciências da Computação pela Universidade Federal de Minas Gerais (1997) e mestrado (MPhil) pela University of Strathclyde (1990) - Glasgow-Escócia. Foi pesquisador-colaborador na FUMSOFT - Sociedade Mineira de Software, professor-pesquisador em Ergonomia/ Usabilidade na Escola de Design da Universidade do Estado de Minas Gerais (ED-UEMG) e sócio fundador da ArquiCAD - Arquitetura, Tecnologia e Cultura e do Sagarana43 Coworking. Tem experiência em computação gráfica e multimídia atuando principalmente nos seguintes temas: modelagem tridimensional, visão computacional para reconstrução arquitetônica através de estéreo computacional, documentação e implantação de processos. É especialista na elaboração e gestão de projetos culturais e na gestão de projetos de TI. Atua na área da qualidade em melhoria de processo de software, sendo consultora e avaliadora credenciada MPS.BR (Melhoria de Processo de Software Brasileiro). É membro do "Project Management Institute" (PMI) e credenciada como "Project Management Professional" PMP. Fez doutorado na Itália (Politecnico di Torino) em Sistemas de Produção e Design Industrial com com a tese "Systemic Network Innovation and its Application in the Brazilian Context of the Estrada Real - How to make ideas become a resource for Social Economic Improvement" analisando casos de projetos que têm como objetivo o desenvolvimento regional, identificando seus pontos positivos e o que pode ser incrementado na sua eficiência, tomando como referência a metodologia do Design Sistêmico. Desenvolveu também, como uma evolução do "Business Model Canvas" (Osterwalder), o modelo dos Empreendimentos Integrais ("Integral Endeavors") no qual as empresas são planejadas como parte de uma rede, considerando sua sustentabilidade econômica, social e ambiental. Foi membro do CEDTec - Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design e Tecnologia da UEMG, e membro da Rede DESIS (rede Mundial de Inovação Social) e do Centro de Estudos, Teoria, Pesquisa e Cultura em Design (T&C Design) da UEMG. .Criou o Sagarana43, um espaço de coworking em Belo Horizonte. Atualmente é membro do LeNSin ("the International Learning Network of networks on Sustainability"), do Centro de Design de Ambientes (CEDA), do LIDEP (Laboratório Integrado de Design e Engenharia do Produto (Eng. Produção ? UFMG) e coordenadora do Programa Institucional Cultura e Desenvolvimento (UEMG).

Referências

ANDRADY, A. L., 2011. Microplastics in the marine environment. Marine Pollution Bulletin, pp. 1596-1605.

BARNES, David K. A et al. (2009) ‘Accumulation and fragmentation of plastic debris in global environments.’ Philosophical Transactions of the Royal Society B, 364, 1985-1998. http://rstb.royalsocietypublishing.org/. Accessed 20 october 2018.

BISTAGNINO, L. Design sistemico. Progettare la sostenibilità produttiva e ambientale. [s.l.] Slow Food, 2009.

CARVALHAL, André (2016), Moda com propósito, São Paulo: Schwarcz s.a.

FARIAS, Mariana. Consumo consciente de moda e o metabolismo futuro do guarda-roupa: uma abordagem quantitativa com mulheres residentes do interior de são paulo (sp). 2016. 241 f. Dissertação (Mestrado profissional em Administração – Faculdade de Gestão e Negócios, Universidade Metodista de Piracicaba, Piracicaba, 2016.

FLETCHER, Kate and GROSE, Lynda (2011), Moda & sustentabilidade. Design para a mudança, São Paulo: Senac São Paulo.

PENA-FRANCESCH A and DEMIREL MC (2019). Squid-Inspired

Tandem Repeat Proteins: Functional Fibers and Films. Front. Chem. 7:69

GADDES, D. et al., 2016. Self-Healing Textile: Enzyme Encapsulated Layer-by-Layer Structural Proteins. ACS Appl. Mater. Interfaces., 15 July, p. 20371–20378.

GUPPYFRIEND. Bolsa de lavagem Guppyfriend. Disponível em: https://guppyfriend.com/products/guppyfriend-waschbeutel- kaufen. Acesso em: setembro 2019

GUPPYFRIEND. @guppyfriend. Disponível em: https://www.instagram.com/guppyfriend/. Acesso em: setembro 2020.

GWILT, Alison (2014), Moda sustentável. Um guia prático, São Paulo: Gustavo Gili.

HENRY, B; LAITALA, K and KLEPP, I.G. (2018) ‘ Microfibres from apparel and home textiles: Prospects for including microplastics in environmental sustainability assessment.’ Science of the Total Enviroment, 652, 483-494.

www.Elsevier.com/locate/scitotenv. Accessed 20 october 2018.

JAME MOORE, C., 2015. How Much plastic is in the ocean? You tell me!. Long Beach: Elsevier.

JAMBECK, J; et all.(2015) ‘Plastic waste inputs from land into the ocean.’ Marine Pollution. Sciencemag,347: 6223, 768-771. https://www.sciencemag.org/. Accessed 20 october 2018.

KOSUTH, M., WATTENBERG, E.V., MASON, S.A., TYREE, C.,

Morrison, D., 2017. Synthetic Polymer Contaminating Global Drinking Water. Disponível em: https://orbmedia.org/stories/invisibles_final_report. Acesso em 30 outubro 2018.Acesso em: 30 outubro 2018.

LANGBRETT. @langbrett. Disponível em: https://www.instagram.com/langbrett/. Acesso em: setembro 2020.

LIEBEZEIT, G., LIEBEZEIT, E., 2014. Synthetic particles as contaminants in German beers. Food Addit. Contam., Part A 31 (9), 1574-1578. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25056358.

Accessed 30 october 2018.

LOPO, W. N. Uso do PET Reciclado em Tecidos de Malha: Estudo Bibliográfico e Exploratório. REAI - Revista de Estudos Acadêmicos Interdisciplinar - UNIFEB, v. 1, n. 1, 2017.

(omitido para revisão cega)

NAPPER, I. E. & THOMPSON, R. C. (2016) ‘Release of synthetic microplastic plastic fibres from domestic washing machines: Effects of fabric type and washing conditions.’ Marine Pollution Bulletin, 112, 39-45. www.Elsevier.com/locate/masporbul.

Accessed 20 october 2018.

PATAGONIA. @patagonia. Disponível em: https://www.instagram.com/patagonia/. Acesso em setembro 2020.

ROCHMAN, C.M, TAHIR, A., WILLIAMS, S.L., BAXA, D.V., LAM, R.,

MILLER, J.T., The, F.C., WERORILANGI, S., The, S.J., 2015.

Anthropogenic debris in seafood: plastic debris and fibers from textiles in fish and bivalves sold for human consumption. Scientific Reports volume 5, Article number: 14340. https://www.nature.com/articles/srep14340. Accessed 30 october 2018.

RIST, S., ALMROTH, B.C., HARTMANN, N.B., KARISSON, T.M., 2018.

A critical perspective on early communications concerning human health aspects of microplastics. Sci. Total Environment. 626. 720-726. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/29396337.

Accessed 30 october 2018.

SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DE CURITIBA. Luta contra os

microplásticos. Disponível em: http://www.biologia.seed.pr.gov.br/modules/noticias/article.php?s toryid=1259&tit=Luta-contra-os-microplasticos. Acesso em: setembro 2020.

SPEJDER SPORT. Guppy Friend Zero MicroWaste vaskepose. Disponível em: https://www.spejdersport.dk/guppy-friend-zero- microwaste. Acesso em: setembro 2020.

TEXTILE WORLD. Man-Made Fibers Continue To Grow. Disponível em: https://www.textileworld.com/textile-world/fiber- world/2015/02/man-made-fibers-continue-to-grow/. Acesso em 25 de setembro de 2018.

THE GUARDIAN. Microfibers are polluting our food chain. This laundry bag can stop that. Disponível em: https://www.theguardian.com/sustainable- business/2017/feb/12/seafood-microfiber-pollution-patagonia- guppy-friend . Acesso em 18 de novembro de 2018.

VEZZOLI, Carlo (2010), Design de sistema para sustentabilidade: teoria, métodos e ferramentas para o design sustentável de “sistema de satisfação”, Salvador: EDUFBA

Downloads

Publicado

2021-09-30

Edição

Seção

Variata