Tecidos de algodão no contexto da moda:

classificação quanto ao impacto ambiental

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1982615x14342021061

Palavras-chave:

Moda, Tecidos de algodão, Classificação

Resumo

O artigo apresenta os principais resultados da pesquisa desenvolvida junto ao Mestrado Profissional em Design, descreve a investigação dos processos produtivos utilizados no contexto das indústrias têxteis, especificamente em seus setores primário e secundário. O objetivo geral do projeto de pesquisa foi analisar processos produtivos dos tecidos de malharia circular aplicados na indústria brasileira, do cultivo do algodão ao beneficiamento dos produtos, levantando impactos ambientais, com vistas à comparação dos procedimentos e classificação dos tecidos. Os principais resultados da pesquisa referem-se aos índices ecológicos da classificação dos tecidos de algodão quanto ao impacto ambiental, apresentados por meio de tabela. 

 What do you want to do ?New mailCopy What do you want to do ?New mailCopy What do you want to do ?New mailCopy What do you want to do ?New mailCopy What do you want to do ?New mailCopy What do you want to do ?New mailCopy What do you want to do ?New mailCopy

Referências

ALBUQUERQUE, Fabio Alquino de. Fábio Alquino de Albuquerque: questionário [out. 2018]. Barbalha, 2018. Entrevistadora: Silvana Silva Reiter Witkoski. E-mail.

ARAÚJO, Mário D.; CASTRO, E. M. de Melo. Manual de engenharia têxtil. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1986.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR ISO 14001. Sistemas de gestão ambiental: requisitos com orientações para uso. Rio de Janeiro: ABNT, 2015.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS PRODUTORES DE ALGODÃO (Abrapa). Câmara Temática de Insumos Agropecuários – CTIA. Abrapa, 2017. Disponível em: http://www.agricultura.gov.br/assuntos/camaras-setoriais-tematicas/documentos/camaras-tematicas/insumos-agropecuarios/2017/90a-ro/app_gtfertilizantes_90ro_insumos.pdf. Acesso em: 16 ago. 2018.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS PRODUTORES DE ALGODÃO (Abrapa). Estatuto da Abrapa. 2014. Disponível em: http://www.abrapa.com.br/Paginas/institucional/estatuto-e-regimento.aspx. Acesso em: 10 maio. 2018.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS PRODUTORES DE ALGODÃO (Abrapa). Portal. Disponível em: <http://www.abrapa.com.br>. Acesso em: 20 jul. 2018.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS PRODUTORES DE ALGODÃO (Abrapa). Regulamento do Programa Algodão Brasileiro Responsável (ABR) com opção de adesão ao Programa Better Cotton (BCI). Abrapa, 2013. Disponível em: http://www.abrapa.com.br/BibliotecaSustentabilidade/ABR%20%E2%80%93%20Algod%C3%A3o%20Brasileiro%20Respons%C3%A1vel/Regulamento_ABR%202013.14.pdf. Acesso em: 20 jul. 2018.

ASSOCIAÇÃO MATO-GROSSENSE DO ALGODÃO (Ampa). Manual de beneficiamento do algodão. Ampa. Disponível em: http://www.imamt.com.br/system/anexos/arquivos/238/original/3_-_MANUAL_15_19.pdf?1404999627. Acesso em: 27 jul. 2018.

ASSOCIAÇÃO PARANAENSE DOS EXPOSTOS AO AMIANTO E VÍTIMAS DE AGROTÓXICOS (Apreaa). Perigo: o Brasil é o maior consumidor de agrotóxicos do mundo. G1, 2017. Disponível em: https://g1.globo.com/pr/parana/especial-publicitario/apreaa/noticia/perigo-o-brasil-e-o-maior-consumidor-de-agrotoxicos-do-mundo.ghtml. Acesso em: 8 ago. 2018.

BILA, Daniele Maia; DEZOTTI, Márcia. Desreguladores endócrinos no meio ambiente: efeitos e conseqüências. Química Nova, v. 30, n. 3, p. 651-666, 2007.

CONSTANT, Patrícia Beltrão Lessa et al. Corantes alimentícios. Ceppa, Curitiba, v. 20, n. 2, p. 203-220, jul./dez. 2002. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/alimentos/article/viewFile/1248/1048. Acesso em: 11 set. 2018.

DALTIN, Decio. Tensoativos: química, propriedades e aplicações. São Paulo: Blucher, 2011.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA (Embrapa). Contando ciência na web. Embrapa. Disponível em: https://www.embrapa.br/contando-ciencia/agricultura/-/asset_publisher/FcDEMJIbvFle/content/conheca-a-historia-do-algodao-colorido/1355746?inheritRedirect=false. Acesso em: 21 jul. 2018.

ENTREVISTADO 1. Entrevistado 1: entrevista [abr. 2018]. Entrevistadora: Silvana Silva Reiter Witkoski. Londrina, 2018. 1 arquivo Mp3 (51 min.).

ENTREVISTADO 2. Entrevistado 2: entrevista [jul. 2018]. Entrevistadora: Silvana Silva Reiter Witkoski. Costa Rica, MS, 2018. 2 arquivos Mp3 (114 min.).

FAIRTRADE. Fair Trade International. Fairtrade. Disponível em: https://www.fairtrade.net/products/cotton.html. Acesso em: 31 jul. 2018.

GHISELLI, Gislaine; JARDIM, Wilson F. Interferentes endócrinos no ambiente. Química Nova, Campinas, v. 30, n. 3, 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-40422007000300032. Acesso em: 13 ago. 2018.

INSTITUTO ALGODÃO SOCIAL. Programa ABR. Instituto Algodão Social. Disponível em: http://www.algodaosocial.com.br/site/abr_bci.php>. Acesso em: 20 jul. 2018.

KOLOSQUE, Everton R. Copello. Como atuar de forma sustentável em prol do futuro na indústria têxtil. 2016. Disponível em: https://www.linkedin.com/pulse/como-atuar-de-forma-sustent%C3%A1vel-em-prol-do-futuro-na-t%C3%AAxtil-kolosque. Acesso em: 13 ago. 2018.

MWO TÊXTIL. Acabamento têxtil. MWO Têxtil. Disponível em: http://www.mwotextil.com.br/servico002.html. Acesso em: 13 jul. 2018.

NEVES, Marcos Fava; PINTO, Mairun Junqueira Alves (org.). A cadeia do algodão brasileiro – safra 2016/2017: desafios e estratégias. 3. ed. Brasília: Associação Brasileira dos Produtores de Algodão, 2017.

SENAI MIX DESIGN. Manual Técnico: têxtil e vestuário – malharia. 2015. Disponível em: https://issuu.com/senaitextilvestuario/docs/manual03_malharia. Acesso em: 11 jul. 2018.

SOUZA, Maria Célia M. de. A produção de têxteis de algodão orgânico: uma análise comparativa entre o subsistema orgânico e o sistema agroindustrial convencional. São Paulo: Agricultura, 2000.

WITKOSKI, Maurelio J. Maurelio J. Witkoski: entrevista [jul. 2018]. Entrevistadora: Silvana Silva Reiter Witkoski. Jaraguá do Sul, 2018.

Downloads

Publicado

2021-09-30

Edição

Seção

Variata