VIVÊNCIAS DE CAMPO DO CURSO EPIDEMIOLOGIA APLICADA AOS SERVIÇOS DO SUS – EPISUS FUNDAMENTAL:

RELATO DE EXPERIÊNCIA

Autores

  • Marta Souza Rocha Secretaria de Saúde do Estado da Bahia
  • Yuri Messias Lisboa Faculdade Santo Agostinho de Itabuna
  • Thais Santana Mattos Faculdade Santo Agostinho de Itabuna
  • Meire Núbia Santos de Santana Universidade Estadual de Santa Cruz

DOI:

https://doi.org/10.5965/259464124281

Palavras-chave:

Epidemiologia, Vigilância epidemiológica, Educação permanente, Serviços de saúde, Epidemiologia. Vigilância epidemiológica. Educação permanente. Serviços de saúde.

Resumo

O presente artigo descreve o trabalho de campo vivenciado dentro do Programa de treinamento em Epidemiologia Aplicada aos Serviços do SUS – EpiSUS, o qual consiste em uma estratégia de educação permanente, com a finalidade de implantar no Brasil treinamentos em epidemiologia de campo, focado na prática dos serviços de saúde, resultando no aprimoramento dos trabalhadores da saúde e consequentemente no fortalecimento da capacidade de respostas das unidades de saúde nas ações de controle das doenças e agravos à saúde da população. O trabalho teve como objetivo relatar a experiência de descrição das etapas do ciclo da vigilância no contexto das vivências de campo do Programa de Treinamento em Epidemiologia Aplicada aos serviços do SUS. Trata-se de estudo descritivo, tendo como instrumento de coleta um formulário para entrevistar os integrantes da equipe de saúde da família localizada no Distrito Sanitário da Boca do Rio, na cidade de Salvador – Bahia, no período de agosto a outubro de 2018. Para a análise dos dados foram utilizadas a Matriz Swot e o Diagrama de Ishikawa. Conseguiu-se identificar os pontos fortes e fracos intrínsecos da unidade de saúde da família, bem como as ameaças e oportunidades que dependem de outras instâncias administrativas da saúde ou de instituições de outros setores para o funcionamento do ciclo da vigilância. Posteriormente, estratificou-se as possíveis causas de impedimento na operacionalização satisfatória do ciclo da vigilância epidemiológica, utilizando com parâmetro o déficit/ausência no monitoramento das doenças diarreicas agudas e por fim, classificou-se as circunstâncias de acordo com o grau de controle dos membros da equipe de saúde da família. Apesar das unidades de saúde da rede básica serem os espaços privilegiados para o desenvolvimento das ações de vigilância, observa-se nesse trabalho de campo que a sistematização dos dados epidemiológicos que deveriam ser interpretados e atualizados rotineiramente pela equipe de saúde, ainda são ações realizadas por técnicos de outras instância, seja por profissionais da vigilância epidemiológica do Distrito Sanitário ou da Diretoria de Vigilância à Saúde da Secretaria Municipal de Saúde de Salvador. Sendo, portanto, necessário investir em capacitações para superação das dificuldades encontradas, nesse sentido foi realizada uma roda de conversa com a equipe da unidade de saúde da família para devolutiva do trabalho, a fim de promover reflexão sobre as fases do ciclo de vigilância em saúde, bem como, apresentar recomendações para melhoria de qualidade das ações do mesmo.

Biografia do Autor

Marta Souza Rocha, Secretaria de Saúde do Estado da Bahia

Nutricionista pela Universidade Federal da Bahia

Yuri Messias Lisboa, Faculdade Santo Agostinho de Itabuna

Bacharel em Saúde pela Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. Discente do Curso de Medicina da Faculdade Santo Agostinho de Itabuna.

Thais Santana Mattos, Faculdade Santo Agostinho de Itabuna

Discente do curso de medicina da Faculdade Santo Agostinho de Itabuna

Meire Núbia Santos de Santana, Universidade Estadual de Santa Cruz

Doutorado em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade pela Pós-graduação de Ciências Sociais da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Docente da Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC)

Referências

BRASIL. Ministério da Saúde. Organização Pan-Americana da Saúde. Ministério da Saúde EpiSUS – “Além das Fronteiras”. Contribuindo para o Fortalecimento da Epidemiologia Aplicada aos Serviços do SUS. Brasília, DF: OPAS, Ministério da Saúde, 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Vigilância em Saúde: Dengue, Esquistossomose, Hanseníase, Malária, Tracoma e Tuberculose. Brasília, 2008 (Série A. Normas e Manuais Técnicos) (Cadernos de Atenção Básica. N.21).

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de vigilância das Doenças Transmissíveis. EpiSUS-Fundamental: guia do tutor: oficina 1/Min Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de vigilância das Doenças Transmissíveis – Brasília: Ministério da Saúde, 2018.

BRASIL. Resolução n. 588, de 12 de julho de 2018. Disponível em: https://www.jusbrasil.com.br/diarios/198910537/dou-secao-1-12-07-2018-pg-365

CASTRO, Ana Luisa Barros de; et al. Financiamento da Atenção Primária a Saúde no Brasil. IN: MENDONÇA, Maria Helena Magalhães de; et al. (org). Atenção Primária à Saúde no Brasil: conceitos práticas e pesquisa. 1ª ed. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2018.

FIORIN, Jéssica Marina Alvarez et al. Uso do diagrama de Ishikawa associado ao planejamento estratégico: experiência na graduação em enfermagem. REVISTA UNINGÁ REVIEW, [S.l.], v. 26, n. 3, jun. 2016. ISSN 2178-2571.

Disponível em: <http://revista.uninga.br/index.php/uningareviews/article/view/1809>. Acesso em: 24 maio 2020.

LAZARINO, Márcia da Silva Anunciação; SILVA, Thais Lacerda e; DIAS, Elizabeth Costa. Apoio matricial como estratégia para o fortalecimento da saúde do trabalhador na atenção básica. Rev. bras. saúde ocup., São Paulo , v. 44, e23, 2019 . Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0303-76572019000100301&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 17 Jul. 2020.

LIMA, Romênia Kelly Soares de; EVANGELISTA, Aline Luiza de Paulo; MAIA, Jéssica Karen de Oliveira; TRAVASSOS, Priscila Nunes da Silva; PINTO, Francisco José Maia; MOREIRA, Francisco Jadson Franco. Notificação compulsória de acidentes de trabalho: dificuldades e sugestões dos profissionais de saúde em fortaleza, ceará. Revista Brasileira de Medicina do Trabalho, [s.l.], v. 16, n. 2, p. 192-198, 2018. Zeppelini Editorial e Comunicacao.

MARTINS, Luciana Fernandes Volpato; MENEGHIM, Marcelo de Castro; MARTINS, Luiz Cândido e PEREIRA, Antonio Carlos. Avaliação da qualidade nos serviços públicos de saúde com base na percepção dos usuários e dos profissionais. RFO UPF [online]. 2014, vol.19, n.2, pp. 151-158. ISSN 1413-4012.

ROUQUAYROL, Maria Zélia; FILHO, Naomar de Almeida. Epidemiologia & Saúde. 5 ed. Rio de Janeiro: MEDSI, 1999.

SALVADOR, Secretaria Municipal da Saúde do Salvador (SMS SSA). Diretoria Estratégica de Planejamento e Gestão (DEPG). Plano Municipal de Saúde do Salvador 2018-2021. Aprovado pelo Conselho Municipal de Saúde em 21/11/2018. 231 p.

SOUZA, Luís Paulo et al. Matriz swot como ferramenta de gestão para melhoria da assistência de enfermagem: estudo de caso em um hospital de ensino. Gestão e Saúde, v. 4, n. 1, p. 1633-1643, 2013.

VICTOR, Janaína Fonseca et al. Vigilância Epidemiologia em unidade básica de saúde da família. Rev Rene. Fortaleza, p. 46-52. dez. 2003.

WALDMAN, Eliseu Alves. Vigilância em Saúde Pública. Colaboração de Tereza Etsuko da Costa Rosa. São Paulo: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, 1998. V.7. (Série Saúde e Cidadania).

Downloads

Publicado

2020-12-31

Como Citar

SOUZA ROCHA, M.; MESSIAS LISBOA, Y.; SANTANA MATTOS, T.; SANTOS DE SANTANA, M. N. VIVÊNCIAS DE CAMPO DO CURSO EPIDEMIOLOGIA APLICADA AOS SERVIÇOS DO SUS – EPISUS FUNDAMENTAL:: RELATO DE EXPERIÊNCIA. Cidadania em Ação: Revista de Extensão e Cultura, [S. l.], v. 4, n. 2, p. 81-94, 2020. DOI: 10.5965/259464124281. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/cidadaniaemacao/article/view/18323. Acesso em: 6 mar. 2021.