O graffiti nas ruas de Cuiabá: uma análise semiótica de imagens subversivas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/198431781632020051

Palavras-chave:

Cidade, Cuiabá, Graffiti, Semiótica, Educação,

Resumo

O presente trabalho é o resultado de uma pesquisa teórico-empírica que se propôs, em um primeiro momento, por meio do ato de caminhar aos moldes da flânerie, deambulações e derivas, conhecer e fotografar os graffiti nas ruas da capital mato-grossense, especialmente os que se encontram nos espaços públicos opacos, lisos e residuais da cidade. Em seguida, após seleção cuidadosa de algumas dessas imagens, submeteu-se as mesmas a uma análise criteriosa com a finalidade de trazer à tona expressões, sentimentos, sensações e ideologias próprias da cultura local, não só do cidadão chapa e cruz (nascidos em Cuiabá), mas também dos paus-rodados (vindos de fora e reterritorializados). As principais epistemologias empregadas às discussões das imagens e elaboração dos argumentos textuais são os conceitos de folkcomunicação proposto por Luiz Beltrão, a semiótica peirceana (sob à luz e compreensão de Lucia Santaella), a crise da modernidade elucidada por Maurício Lazzarato e a valorização dos saberes cotidianos defendido por Michel Maffesoli. Matrizes teóricas que permitiram mostrar que, embora utilizados para embelezar, provocar e declarar-se, sobressai nos graffiti cuiabanos a essência de criticidade, enfrentamento e denúncia. 


Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliano Batista dos Santos, Instituto Federal de Mato Grosso

Doutor e mestre em Estudos de Cultura Contemporânea pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). Especialista em Educação do Campo pelo Instituto Federal de Mato Grosso (IFMT). Bacharel e licenciado em filosofia pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Docente de filosofia do Instituto Federal de Mato Grosso, campus Cuiabá.

José Serafim Bertoloto, Universidade Federal de Mato Grosso

Doutor em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP). Mestre em Artes pela Universidade de São Paulo (USP). Especialista em Museu de Arte pela USP. Bacharel e licenciado em História pela UFMT. Membro da Associação Brasileira de Críticos de Arte (ABCA). Professor no departamento de Arquitetura e na Pós-graduação em Ensino na Universidade de Cuiabá (Unic). Atualmente, aposentado como técnico, ainda atua como um dos curadores no Museu de Arte e de Cultura Popular da UFMT, onde trabalhou como historiador/pesquisador e diretor. É professor colaborador na Pós-graduação em Estudos de Cultura Contemporânea – Área Interdisciplinar (mestrado e doutorado).

Ana Graciela Mendes Fernandes da Fonseca Voltolini, Universidade de Cuiabá

Doutora em Comunicação Social (UMESP) com Pós-Doutorado Júnior CNPq (UFMT). Docente da Universidade de Cuiabá (Unic) na Faculdade de Comunicação Social (FACS) e docente colaboradora no Programa de Pós-graduação em Ensino (Unic/IFMT). Possui experiência na elaboração de materiais e disciplinas EAD (graduação e pós-graduação) para outras IES. Desde o doutorado desenvolve pesquisas e publicações na área de Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação e Ensino-aprendizagem, com ênfase em Dispositivos Móveis e Educação Midiática. Atualmente também é docente substituta no departamento de Comunicação Social da Universidade Federal de Mato Grosso, nos cursos de Radialismo e Cinema e Audiovisual.

Referências

ADORNO, Theodor W.; HORKHEIMER, Max. Dialética do esclarecimento. Rio de Janeiro: Editora Zahar, 2010.

ARISTÓTELES. Ética à Nicômaco. Trad. Mario da Gama Kury. Brasília: UnB, 1985.

AUGÉ, Marc. Não-lugares: introdução a uma antropologia da supermodernidade. 2ª ed. Campinas: Papirus, 2001. (Coleção Travessia do Século.).

BABU78 [SILVA SEGUNDO, Adão]. Cuiabá dos meus amores. 2016. 1 Fotografia, Color. Altura: 486 pixels. Largura: 1024 pixels. 72 dpi. 24 BIT CMYK. 344 Kb. Formato JPG bitmap. Disponível em: <http://www.premiopipa.com/artistas/babu78/>. Acesso em: 03 jul. 2019.

BELTRÃO, Luiz. Folkcomunicação: a comunicação dos marginalizados. Cortez Editora, 1980.

BELTRÃO, Luiz. Folkcomunicação: um estudo dos agentes e dos meios populares de informação de fatos e expressão de ideias. Porto Alegre: Edipucrs, 2001.

BRANDÃO, Ludmila. Circuitos subalternos de consumo: sobre cópias baratas, falsificações e quinquilharias. Revista Comunicação, Mídia e Consumo, São Paulo, v. 4, n. 10, p. 89-109, jul. 2007.

BULFINCH, Thomas. O livro de ouro da mitologia: histórias de deuses e heróis. Trad. David Jardim Júnior. 26ª ed. Rio de Janeiro: Ediouro Publicações S/A, 2002

CALÓ, Flávia Camerlingo. Questões etimológicas sobre os termos: grafite e pichação. In: Anais do III Fórum de Pesquisa Científica em Artes. Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Curitiba, 2005.

CAMPOS, Cristina. O falar cuiabano. Cuiabá: Carlini & Caniato Editorial, 2014.

CRUZ, Willian. As consequências do uso excessivo do automóvel. Vá de Bike, São Paulo, 18 jun. 2013. Disponível em: <http://vadebike.org/2009/07/a-demonizacao-dos-automoveis/>. Acesso em: 01 jul. 2018.

DESCARTES, René. Discurso do método. Trad. Maria Ermantina Galvão. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

DURKHEIM, Émile. As regras do método sociológico e outros textos. São Paulo: Abril, 1973. (Coleção Os Pensadores.).

EPICURO. Antologia de texto de Epicuro. São Paulo: Nova Cultural, 1988. (Coleção os Pensadores.).

FOUCAULT, Michael. Vigiar e punir. Nascimento da prisão. 20ª ed. Petrópolis: Vozes, 1999.

GESSINGER, Humberto. Ninguém = Ninguém. In: Engenheiros do Hawaii. Ninguém = Ninguém. São Paulo: BMG Brasil, 1992. 1 CD. Faixa 1.

GODOY, Ana. Uma estranha ecologia: composição de forças e de afetos. Ponto-e-Vírgula: Revista de Ciências Sociais, São Paulo, n. 2, p. 81-96, 2007.

GRECO, Alessandro; BARROS, Denise. Esgotamento dos recursos naturais. Superinteressante, São Paulo, 31 out. 2016. Disponível em: <https://super.abril.com.br/ciencia/ esgotamento-dos-recursos-naturais/>. Acesso em: 01 jul. 2019.

GROS, Frédéric. Caminhar, uma filosofia. Trad. Lília Ledon da Silva. 1ª ed. São Paulo: É Realizações, 2010.

HOBBES, Thomas. Leviatã. São Paulo: Abril Cultural, 1979. (Coleção Os Pensadores.).

HUME, David. Investigação acerca do entendimento humano. São Paulo: Nova Cultural, 1989. (Coleção Os Pensadores.).

JACQUES, Paola Berenstein. Elogio aos errantes. Salvador: EDUFBA, 2012.

LAZZARATO, Maurício. As revoluções do capitalismo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006. (A Política no Império.).

LOTMAN, Yuri. Cultura y explosión: lo previsible y lo imprevisible en los procesos de cambio social. Barcelona: Gedisa, 1999.

MAFFESOLI, Michel. O tempo das tribos: o declínio do individualismo nas sociedades de massa. 2ª ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1998.

MARCONDES, Danilo. Iniciação à história da filosofia: dos pré-socráticos a Wittgenstein. Rio de Janeiro: Zahar, 1997.

MARTINS, Moisés. Cidade verde dos meus amores. In: MARTINS, Moisés. Sons, tons, serestas de Mato Grosso. Cuiabá: [s. n.], [2010?]. 1 CD. V. 1, faixa 11.

OVÍDIO, Públio Naso. Metamorfoses [livro eletrônico]. Trad. Manuel Bocage. Porto Alegre, RS: Concreta, 2016. (Coleção Clássica.).

PEIRCE, Charles Sanders. Semiótica. São Paulo: Perspectiva, 1997.

PROSSER, Elisabeth Seraphim. Arte, representações e conflitos no meio ambiente urbano: o graffiti em Curitiba (2004-2009). 2009. 413 p. Tese (Doutorado em Meio Ambiente e Desenvolvimento) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2009.

SANTAELLA, Lucia. O que é Semiótica? São Paulo: Editora Brasiliense, 1983.

SANTAELLA, Lucia. Semiótica aplicada. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2005.

WAWZYNIAK, João Valentin. Humanos e não-humanos no universo transformacional dos ribeirinhos do rio Tapajós–Pará. Mediações-Revista de Ciências Sociais, Londrina, v. 17, n. 1, p. 17-32, 2012.

YUKA, Marcelo; MEIRELLES, Nelson. Brixton, Bronx ou Baixada. In: O Rappa. Rio de Janeiro: Warner Music, 1994. 1 CD. Faixa 5.

Downloads

Publicado

2020-07-01

Como Citar

DOS SANTOS, J. B.; BERTOLOTO, J. S.; VOLTOLINI, A. G. M. F. da F. O graffiti nas ruas de Cuiabá: uma análise semiótica de imagens subversivas. Revista Educação, Artes e Inclusão, Florianópolis, v. 16, n. 3, p. 051-072, 2020. DOI: 10.5965/198431781632020051. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/arteinclusao/article/view/17488. Acesso em: 1 abr. 2023.

Edição

Seção

LEITURAS INCLUSIVAS DE MUNDO