Estratégias do ensino de física para estudantes surdos: uma revisão da literatura

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/19843178172021e0010

Palavras-chave:

Ensino de Física e surdo. Inclusão Libras na Física. Física e Surdo, Metodologias de Ensino

Resumo

Os processos de ensino e aprendizagem para estudantes surdos têm alcançado maiores e melhores níveis no âmbito educacional nos últimos anos, mas os desafios ainda se mostram predominantes. Esta pesquisa teve como objetivo avaliar as estratégias do ensino de física para estudantes surdos a partir de documentos já publicados. Para isso, foi realizada uma revisão sistemática da literatura sobre tema, e a busca foi delimitada com artigos publicados entre os anos de 2014 e 2019 a partir das bases de dados Scientific Electronic Library Online (SciELO) e Google Scholar, com os seguintes descritores: 1) ensino; 2) Física; 3) surdo; 4) inclusão; e 5) Libras. Avaliou-se como é tratado o ensino de Física para o estudante surdo, sob a óptica de formação humana integral e omnilateral, com base nos autores Karl Marx e Gramsci. Após a avaliação dos artigos, observa-se que os professores demonstram interesse e/ou preocupação na inserção do estudante surdo na disciplina de Física. Assim, o estudo aponta fatores que influenciam no processo de inserção dos estudantes surdos, como a insuficiência de recursos financeiros, carência de profissionais especializados na área de educação inclusiva para auxiliar os professores e a necessidade de formação continuada pelos profissionais da educação em geral.

Biografia do Autor

Evaneide De Brito Feitosa Aguiar, Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Tocantins: Palmas

Mestranda pelo Programa de Pós-Graducação em Educação profissional e Tecnológica - ProfEPT - IFTO Campus Palmas, Especialista em Atendimento Educacional Especializado, e Especializado em Libras, possui graduação em PEDAGOGIA pela Faculdade Geremário Dantas (2014). Atualmente é tradutor interprete de língua de sinais no Instituto Federal do Maranhão, e Professora de Libras pela Prefeitura de Imperatriz, tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação Especial.

Weimar Silva Castilho, Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Tocantins: Palmas

Possui Licenciatura em Física pela Universidade Federal de Goiás - (2003), pós-graduação Lato Sensu em Métodos e Técnicas de Ensino pela Universidade Salgado de Oliveira (2005), Mestre em Sistemas Mecatrônicos pela Universidade de Brasília (2008) e Doutor em Sistemas Mecatrônicos pela Universidade de Brasília (2016), na área de concentração de materiais funcionais e estruturas adaptativas, com o foco da pesquisa em ligas com memória de forma. Tem experiência na área de Ensino de Ciências e Matemática, com ênfase no Ensino de Física. Atualmente é professor do Instituto Federal do Tocantins IFTO, Campus Palmas, onde atua no Mestrado Profissional em Educação Profissional e Tecnológica (ProfEPT) e Professor do curso do curso de Licenciatura em Física.

Rivadavia Porto Cavalcante, Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Tocantins: Palmas

Doutor em Linguística e Práticas Sociais pela Universidade Federal da Paraíba ? (PROLING/UFPB). Estágio de Doutorado Sanduiche (PDSE/CAPES) - Boursier d?excelence - pela Universidade de Genebra (UNIGE), Suíça. Mestre em Linguística e Práticas Sociais (PROLING/UFPB), Especialista em métodos de Ensino/Aprendizagem da língua inglesa pela Faculdade de Educação São Luiz, Jabotical/SP, Especialista em Docência Universitária pela Universidade Estadual de Goiás (UEG). Licenciado e Bacharelado em Letras pela Universidade Federal de Goiás (UFG). Atua como Pesquisador de práticas sociais da lingua(gem) e dos gêneros de texto que as representam, com ênfase em Linguística Aplicada e Políticas Linguísticas. Docente e Tradutor (Inglês/Francês) com experiência em gestão de projetos para cooperação e parcerias internacionais. Lider do Grupo de Estudos em Lingua(gem), Interação e Representações nas Práticas Formativas (GELIPRAC/IFTO), Membro do Grupo de Estudos em Letramentos, Interação e Trabalho (GELIT/UFPB) e do Núcleo de Estudos de Políticas e Educação Linguística (NEPEL/UFPB) cadastrados no CNPq.

Jair José Maldaner, Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Tocantins: Palmas

Possui Doutorado (2016) e Mestrado (2009) em Educação pela Universidade de Brasília, Licenciatura em Filosofia pela Universidade de Passo Fundo (1996), Especialização em Filosofia pela Universidade Católica de Brasília(1999) e Especialização em Gestão Educacional e Metodologias de Ensino - Educon (2006). Atualmente é professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins -IFTO- Campus Palmas; Líder do grupo de pesquisa Cnpq/IFTO Práxis: Trabalho, Educação e Sociedade; Atua como Coordenador Local e como docente no Mestrado Profissional em Educação Profissional e Tecnológica-ProfEPT. Tem experiência na área de Filosofia e Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: Educação Profissional e Tecnológica -EPT, Formação de Professores, Filosofia, Educação, Ética, Cidadania, Direitos Humanos.

Referências

BAPTISTA, C. R. et al. Colóquio: Política Nacional de Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva. Inclusão: Revista de Educação Especial, Brasília (DF), v. 4, n. 1, p. 18-32, 2008.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 20 de dezembro de 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm. Acesso em: 13 dez. 2019.

BRASIL. Decreto Lei N.º 10.436 de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá outras providências. Brasília, 24 de abril de 2002. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm. Acesso em: 13 dez. 2019.

BRASIL. Decreto n.º 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei n.º 10.436 de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Decreto/D5626.htm. Acesso em: 13 dez. 2019.

CIAVATTA, M. A formação integrada à escola e o trabalho como lugares de memória e de identidade. Revista Trabalho Necessário, v. 3, n. 3, p. 1-20, 2005.

GALVÃO FILHO, Teófilo Alves. Tecnologia assistiva para uma escola inclusiva: apropriação, demanda e perspectivas. 2009. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2009.

GAMA, F. J. Iconographia dos signaes dos surdos-mudos. Rio de Janeiro: Tipografia Universal de E. & H. Laemmert, 1875.

GRAMSCI, A. Cadernos do cárcere. 3. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2014.

KITCHENHAM, B.; CHARTERS, S. Guidelines for performing systematic literature reviews in software engineering. Keele University and Durham University Joint Report, Tech. Rep. EBSE 2007-001, 2007.

LEITE, C. S. M.; SILVA, J. E. F.; TUYAROT, D. E. A integração do aluno surdo na sociedade, através do ensino e aprendizagem de português, física e matemática na escola pública. Seda-Revista de Letras da Rural-RJ, v. 3, n. 8, 2019.

LIMA, H. T. S. O papel do professor no contexto inclusivo: uma reflexão a partir da teoria de subjetividade. E-Revista Facitec, v. 4, n. 1, p. 1-13, 2010.

MAIOR, A. L. S.; BRASILEIRO, T. S. A. O ensino de física em uma perspectiva inclusiva: proposta de desenvolvimento de um aplicativo de termos técnicos para língua brasileira de sinais. Revista Ensino de Ciências e Humanidades-Cidadania, Diversidade e Bem Estar-RECH, v. 4, n. 1, p. 95-107, 2019.

MARX, K. Capital. 3. ed. New York: Vintage, 1981.

OLIVEIRA, C. S. KIPPER, L. M. Uso do design thinking para a produção de sinais em libras de conceitos de física: um estudo com estudantes surdos do primeiro ano do ensino médio. In: Salão de Ensino e de Extensão, 2019, Santa Cruz do Sul. Anais [...]. Unisc: Santa Cruz do Sul, 2019.

PERLIN, G. T. T. História dos surdos. (Caderno Pedagógico). Florianópolis: UDESC/CEAD, 2002.

PERLIN, G.; QUADROS, R. M. Estudos Surdos II. Petropolis, RJ: Arara Azul, 2007.

PESSANHA, M.; COZENDEY, S.; ROCHA, D. M. O compartilhamento de significado na aula de Física e a atuação do interlocutor de Língua Brasileira de Sinais. Ciência & Educação (Bauru), v. 21, n. 2, p. 435-456, 2015.

SAVIANI, D. Trabalho e educação: Fundamentos Ontológicos e Históricos. Revista brasileira de educação, v. 12, n. 34, p. 152-165, 2007.

SILVEIRA, M. V.; BARTHEM, R. B.; SANTOS, A. C. Proposta didática experimental para o ensino inclusivo de ondas no ensino médio. Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 41, n. 1, e20180084-3, 2019.

SOUZA, R. M.; GÓES, M. C. R. O ensino para surdos na escola inclusiva: considerações sobre o excludente contexto da inclusão. In: SKLIAR, C. (Org.) Atualidade da educação bilíngue para surdos. 1. ed. Porto Alegre: Mediação, 1999.

STAINBACK, S.; STAINBACK, W. Inclusão: Um guia para educadores. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999.

STOKOE, W. C. Sign language structure. Studies in Linguistics – Occasional Papers 8. Buffalo, NY: Department of Anthropology and Linguistics, University of Buffalo. MD: Linstock Press, 1960.

VARGAS, J. S.; GOBARA, S. T. Interações entre o aluno com surdez, o Professor e o Intérprete em aulas de física: Uma perspectiva vygotskiana. Revista brasileira de educação especial, v. 20, n. 3, p. 449-460, 2014.

VIGOTSKY, L. S. Fundamientos da Defctologia: Obras Escogidas V. Madri: Visor, 1997.

VIVAS, D. D. P.; TEIXEIRA, E. S.; CRUZ, J. A. L. Ensino de Física para surdos: um experimento mecânico e um eletrônico para o ensino de ondas sonoras. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 34, n. 1, p. 197-215, 2017.

VIVIAN, E. C. P.; LEONEL, A. A cultura surda e astronomia: Investigando as Potencialidades Dessa Articulação para o Ensino de Física. Revista Contexto & Educação, v. 34, n. 107, p. 154-173, 2019.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.

Downloads

Publicado

2021-07-27