Ensino da arte na contemporaneidade: a escola como espaço de produção artística

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/19843178172021e0009

Palavras-chave:

Ensino de Arte, Arte Urbana, Abordagem Triangular, Artes Visuais

Resumo

Este artigo é um estudo de caso de uma experiência inspirada na Abordagem Triangular, na qual estudantes do 3º ano do Ensino Médio na Escola Estadual Mariano Martins (Fortaleza, CE) interviram artisticamente nas paredes da escola. Para discutir o ensino de arte na contemporaneidade, a Abordagem Triangular e a escola como espaço para produção artística, trazemos aqui as contribuições de Biasoli (1999), Ana Mae Barbosa (2014), Carvalho e Carolino (2010), Guimarães (2010), Pimentel (2006, 2010), Brissac (1998), Ostrower (1984) e Salles (2011). Temos como objetivo apresentar reflexões sobre o processo de ensino e aprendizagem em Artes Visuais a partir da experiência em intervenção artística. Os dados foram coletados a partir dos diários de campo da professora, portfólios dos estudantes, filmagens das aulas, entrevistas, fotografias, e interpretados sobre o olhar da análise temática. Percebemos que a Abordagem Triangular se constitui como uma proposta teórico-metodológica para o ensino de Arte que gera possibilidades para a efetivação do conhecimento artístico, e que atividades de apropriação da escola como espaço para a produção artística traçam caminhos que se configuram como potencialidades para efetivação do pensamento crítico e reflexivo, possibilitando a experiência estética do estudante com o espaço escolar, aproximando a arte do cotidiano.

Biografia do Autor

Mírian Soares Rocha, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará

Mestre em Artes pelo PPGARTES – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará - IFCE. Graduação em Licenciatura em Artes Visuais pelo IFCE. Professora Efetiva de Arte da Rede Estadual de Ensino do Ceará.

José Maximiano Arruda Ximenes de Lima, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará

Doutor em Artes pela Escola de Belas Artes da Universidade Federal de Minas Gerais, Mestre em Informática Educativa pela Universidade Estadual do Ceará e Licenciado em Educação Artística (Lic.Plena) pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Professor Titular do Departamento de Artes/IFCE dos referidos cursos: Licenciatura em Artes Visuais, Mestrado profissional em Artes. Atua também no Mestrado PROFARTES-UFC. Representa a Associação Nacional de Pesquisadores em Artes Plásticas (ANPAP) no Ceará. Avaliador do PNLD/2015-ARTE, PNLD/2018 e Coordenador Pedagógico do PNLD/2019-ARTE; e líder do Grupo de Pesquisa Arte UM/CNPQ-IFCE.

Referências

BARBOSA, Ana Mae. A imagem no ensino da arte: anos 1980 e novos tempos. 9. ed. São Paulo: Perspectiva, 2014.

BIASOLI, Carmen Lúcia Abadie. A formação do professor de arte: do ensaio... à encenação. – Campinas, SP: Papirus, 1999.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: Arte. Brasília: MEC/SEF, 1997.

BRISSAC, Nelson. Arte e cidade. In: MIRANDA, Danilo Santos de (coord.). Arte Pública. São Paulo: Sesc, 1998. p. 113-120.

CARVALHO, Lívia Marques. CAROLINO, Jaqueline Alves. Abordagem Triangular e as estratégias de um educador social. In: BARBOSA, Ana Mae; CUNHA, Fernanda Pereira (org.). A abordagem triangular no ensino das artes e culturas visuais. São Paulo: Cortez, 2010. p. 353-364.

FERRARI, Solange dos Santos Utuari; et al. Arte por toda parte: volume único. 2. ed. São Paulo: FTD, 2016.

GUIMARÃES. Leda. Processos de triangulação na trajetória docente: da educação artística a educação a distância. In: BARBOSA, Ana Mae; CUNHA, Fernanda Pereira (org.). A abordagem triangular no ensino das artes e culturas visuais. São Paulo: Cortez, 2010. p. 410-442.

LARROSA, Bondía. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação, n. 19, p. 20-28, jan.-abr. 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413. Acesso em: 03 mar. de 2017.

MARTINS, Mirian Celeste. Teoria e prática do ensino de arte: a língua do mundo. São Paulo: FTD, 2010.

OSTROWER, Fayga. Criatividade e processos de criação. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 1984.

PIMENTEL. Lúcia Gouvêa. Formação de professores de arte: novos caminhos, muitas possibilidades, imensa responsabilidade. In: BARBOSA, José Mauro (org). Trajetória e Política para o ensino das artes no Brasil: anais da XV CONFAEB. Brasília: Ministério da Educação, 2006. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0015/001545/154564por.pdf. Acesso em: 03 mar. 2017. p. 164-173.

PIMENTEL. Lúcia Gouvêa. Fruir, contextualizar e experimentar como possível estratégia básica para investigação e possibilidade de diversidade no ensino da arte: contemporâneo de vinte anos. In: BARBOSA, Ana Mae; CUNHA, Fernanda Pereira (org.). A abordagem triangular no ensino das artes e culturas visuais. São Paulo: Cortez, 2010. p. 211-228.

SALLES, Cecilia Almeida. Gesto inacabado: processo de criação artística. 5. ed. São Paulo: Intermeios, 2011.

Downloads

Publicado

2021-07-27