Períodos de interferência de plantas daninhas na cultura do feijoeiro comum

Autores

  • Juliano José Schiessel Universidade Federal de Santa Catarina, campus Curitibanos.
  • Guilherme Romani de Mello Universidade Federal de Santa Catarina, campus Curitibanos.
  • Jaqueline Schmitt Universidade Federal de Santa Catarina, campus Curitibanos.
  • Luis Felipe Pastorello Universidade Federal de Santa Catarina, campus Curitibanos.
  • Felipe Bratti Universidade Federal de Santa Catarina, campus Curitibanos.
  • Antonio Mendes de Oliveira Neto Instituto Federal Catarinense (IFC), campus Rio do Sul.
  • Naiara Guerra Universidade Federal de Santa Catarina, campus Curitibanos.

DOI:

https://doi.org/10.5965/223811711842019430

Palavras-chave:

Phaseolus vulgaris, convivência, competição

Resumo

Este trabalho foi realizado com o objetivo de verificar os períodos de interferência de plantas daninhas sobre os componentes de rendimento e a produtividade da cultura do feijoeiro comum, cv. IPR Tangará, cultivado em Curitibanos-SC. O experimento foi conduzido no ano agrícola de 2016/17, no município de Curitibanos. O delineamento experimental utilizado foi o de blocos casualizados com 12 tratamentos e cinco repetições. Os tratamentos foram dispostos em esquema fatorial 2 x 6. O primeiro fator foi representado por dois modelos de interferência sendo um período de convivência ou período anterior à interferência (PAI) e outro período de controle ou período total de prevenção a interferência (PTPI). O segundo fator foi composto por seis épocas crescentes em que a cultura conviveu ou foi mantida livre da presença das plantas daninhas (0, 7, 15, 30, 60, 102 dias após a emergência - DAE). Foram avaliados o estande de plantas em 2,0 metros, o número de vagens por planta, a massa de cem grãos e a produtividade. O período crítico de prevenção à interferência (PCPI) situou-se entre 5 e 54 DAE. A interferência das plantas daninhas durante todo o ciclo do feijoeiro reduziu o estande de plantas, o número de vagens por planta e a produtividade da cultivar IPR Tangará, sendo que esta última variável apresentou redução de 80,4%.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARBOSA FR & GONZAGA ACO. 2012. Informações Técnicas para o Cultivo do Feijoeiro Comum na Região Central-brasileira: 2012-2014. Santo Antônio de Goiás: EMBRAPA. 247p. (Documentos 272).

BARROSO AAM et al. 2010. Interferência entre espécies de planta daninha e duas cultivares de feijoeiro em duas épocas de semeadura. Bragantia 69: 609-616.

BORCHARTT L et al. 2011. Períodos de interferência de plantas daninhas na cultura do feijoeiro-comum (Phaseolus vulgaris L.). Ciência Agronômica 42: 725-734.

CONAB. 2017. Companhia Nacional de abastecimento. 12 Levantamento de safra. Disponível em: <http://www.conab.gov.br/OlalaCMS/uploads/arquivos/17_09_12_10_14_36_boletim_graos_setembro_2017.pdf>. Acesso em: 20 mar. 2018.

COSTA DS et al. 2013. Weed management and its relation to yield and seed physiological potential in common bean cultivars. Pesquisa Agropecuária Tropical 43: 147-154.

EMBRAPA. 2013. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 3.ed. Brasília. 353p.

EPAGRI. 2012. Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina. Informações técnicas para o cultivo de feijão na região Sul brasileira. Florianópolis: Comissão Técnica Sul-Brasileira de Feijão. 157p.

FERREIRA DF. 2011. Sisvar: a computer statistical analysis system. Ciência e Agrotecnologia 35: 1039-1042.

FREITAS FCL et al. 2009. Interferência de plantas daninhas na cultura do feijão-caupi. Planta Daninha 27: 241-247.

IAPAR. 2009. Instituto Agronômico do Paraná. Cultivar de Feijão IPR Tangará. Grupo carioca de porte ereto e alto potencial de rendimento.

INCAPER. 2010. Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural. Informações técnicas para o cultivo do feijoeiro-comum na região central-brasileira: 2009 - 2011. Vitória: (Documentos 191).

LUNKES JA. 1997. Manejo integrado de plantas daninhas na cultura do feijão. In: FANCELLI AL & DOURADO-NETO D. (Ed.). Tecnologia da produção do feijão irrigado. Piracicaba: ESALQ. p. 9-19.

MANOS MGL et al. 2013. Informações Técnicas para o Cultivo do Feijoeiro Comum na Região Nordeste Brasileira. Aracaju: EMBRAPA. 201p. (Documentos 181).

MARQUES RF. 2012. Período de interferência de plantas daninhas e seletividade a herbicidas na cultura do Crambe (Crambe abyssinica Hoechst). Dissertação (Mestrado em Agronomia). Dourados: UFGD. 72p.

MESCHEDE DK et al. 2002. Período crítico de interferência de Euphorbia heterophylla na cultura da soja, sob baixa densidade de semeadura. Planta Daninha 20: 381-387.

MESCHEDE DK et al. 2004. Período anterior a interferência de plantas daninhas em soja: estudo de caso com baixo estande e testemunhas duplas. Planta Daninha 22: 239-246.

NICHELATI FD 2015. Interferência de plantas daninhas na cultura da canola. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Agronomia). Curitibanos: UFSC. 43p.

PARREIRA MC. 2009. Influência das plantas daninhas na cultura do feijoeiro em função do espaçamento e da densidade de plantas. Dissertação (Mestrado em Agronomia). Jaboticabal: UNESP. 54p.

PARREIRA MC et al. 2012. Modeling of weeds interference periods in bean. Planta Daninha 30: 713-720.

PESSÔA UCM et al. 2017. Desempenho fisiológicos e crescimento do feijão-caupi, sob manejos de plantas daninhas. Revista Verde 12: 246-250.

PITELLI RA & DURIGAN JC. 1984. Terminologia para períodos de controle e de convivência das plantas daninhas em culturas anuais e bianuais. In: Congresso Brasileiro de Herbicidas e Plantas Daninhas. Resumos ... Belo Horizonte: SBHDE. 37p.

PITELLI RA 1985. Interferência das plantas daninhas nas culturas agrícolas. Informe Agropecuário 11: 16-27.

PITELLI RA 1987. Competição e controle das plantas daninhas em áreas agrícolas. Série Técnica IPEF 4: 1–24.

PITELLI RA & PITELLI RLCM. 2008. Biologia e ecofisiologia das plantas daninhas. In: VARGAS L & ROMAN ES. (Ed.) Manual de Manejo e Controle de Plantas Daninhas. Passo Fundo: EMBRAPA. pp.11-38.

PORTO RFB. 2015. Eficácia do herbicida trifluralina no controle de caruru-de-mancha (Amaranthus viridis) na cultura do feijão. Científica Eletrônica de Agronomia 28: 71-80.

SALGADO TP et al. 2007. Interferência das plantas daninhas no feijoeiro carioca (Phaseolus vulgaris). Planta Daninha 25: 443-448.

SANTOS AB et al. 2003. Resposta do feijoeiro ao manejo de nitrogênio em várzeas tropicais. Pesquisa Agropecuária Brasileira 38: 1265-1271.

SCHOLTEN R et al. 2011. Período anterior à interferência das plantas daninhas para a cultivar de feijoeiro ‘Rubi’ em função do espaçamento e da densidade de semeadura. Acta Scientiarum Agronomy 33: 313-320.

SEAB. 2016. Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento. Feijão - Análise da Conjuntura Agropecuária. Curitiba. Disponível em: http://www.agricultura.pr.gov.br/arquivos/File/deral/Prognosticos/2017/Feijao_2016_17.pdf Acesso em: 20 fev. 2018.

SHIMADA MM et al. 2000. Componentes do rendimento e desenvolvimento do feijoeiro de porte ereto sob diferentes densidades populacionais. Bragantia 59: 181-187.

SIGMAPLOT. 2008. Statistics for user's guide, Chicago: Systat Software Inc. 578p.

VICTORIA FILHO R. 2007. Manejo integrado de plantas daninhas do feijoeiro visando ao controle de plantas daninhas. In: Seminário sobre Pragas, Doenças e Plantas Daninhas do Feijoeiro. Palestras ... Campinas: IAC. p. 59-67.

Downloads

Publicado

2019-12-12

Como Citar

SCHIESSEL, Juliano José; MELLO, Guilherme Romani de; SCHMITT, Jaqueline; PASTORELLO, Luis Felipe; BRATTI, Felipe; OLIVEIRA NETO, Antonio Mendes de; GUERRA, Naiara. Períodos de interferência de plantas daninhas na cultura do feijoeiro comum. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 18, n. 4, p. 430–437, 2019. DOI: 10.5965/223811711842019430. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/12736. Acesso em: 24 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigo de Pesquisa - Ciência de Plantas e Produtos Derivados

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)