Resposta do arroz irrigado a herbicidas em função do sombreamento e da inundação do solo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/223811712222023242

Palavras-chave:

Inibidores da Protox, Oryza sativa, Seletividade de herbicidas, imidazolinonas

Resumo

A existência de uma ampla diversidade de plantas daninhas faz com que seja necessário a utilização de manejo adequado, a fim de não comprometer a produtividade da cultura. Em anos onde há ocorrência de El Niño a saturação do solo é favorecida, além da nebulosidade frequente, essa combinação pode afetar diretamente a eficiência de controle das plantas daninhas e/ou aumentar a fitointoxicação na cultura após a aplicação dos herbicidas. Deste modo, o objetivo deste trabalho foi avaliar a resposta do arroz irrigado a herbicidas em função do sombreamento e da inundação do solo. Para isto utilizaram-se dois regimes de saturação do solo após a aplicação dos herbicidas (sem ou com inundação do solo), a exposição das plantas a duas condições de luminosidade, desde a emergência até a aplicação dos herbicidas (sem ou com sombreamento) e quatro tratamentos herbicidas: 1) testemunha sem herbicida, 2) [imazapyr + imazapic], 3) [imazapyr + imazapic] + saflufenacil e 4) [imazapyr + imazapic] + carfentrazone. As variáveis avaliadas foram fitointoxicação, teor de clorofila, altura de plantas e massa seca da parte aérea. Os herbicidas causaram fitointoxicação inicial, entretanto houve uma recuperação natural da cultura ao longo das avaliações. O crescimento do arroz irrigado, cultivar SCS121 CL, foi afetado pelo herbicida, principalmente pelas misturas de imazapyr + imazapic com saflufenacil ou carfentrazone-ethyl. A inundação do solo e o sombreamento pouco influenciaram a seletividade dos herbicidas para o arroz irrigado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BEUTLER AM et al. 2012. Propriedades físicas do solo e produtividade de arroz irrigado em diferentes sistemas de manejo. Revista Brasileira de Ciência do Solo 36: 1601-1607.

CAPUTO GA et al. 2017. Efeito dos herbicidas imazapyr + imazapic e propanil e sua associação em diferentes espécies de plantas. Disponível em: https://www.alice.cnptia.embrapa.br/bitstream/doc/1077109/1/GermaniGiovanni.pdf. Acesso em: 12 ago. 2022.

CARLESSO R et al. 1998. Índice de área foliar e altura de plantas de arroz submetidas a diferentes práticas de manejo. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental 2: 268-272.

CATONI JM et al. 2020. Interação do tratamento de sementes e da mistura em tanque de herbicidas na seletividade para o arroz irrigado. Revista de Ciências Agroveterinárias 19: 16-25.

CIESLIK LF et al. 2013. Fatores ambientais que afetam a eficácia de herbicidas inibidores da ACCase: revisão. Planta Daninha 31: 483-489.

CONAB - COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO. 2022. Acompanhamento da Safra Brasileira de Grãos, Brasília: CONAB. (5º Levantamento da Safra 2021/22).

CONCENÇO G et al. 2006. Controle de plantas daninhas em arroz irrigado em função de doses de herbicidas pré-emergentes e início da irrigação. Planta Daninha 24: 303-309.

COSTA GA et al. 2018. Levels of shading and application of glyphosate and carfentrazone-ethyl in the control of Macroptilium atropurpureum. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental 22: 819-824.

EPAGRI/CEPA. 2022. Boletim Agropecuário. Florianópolis: EPAGRI. 49p. (Boletim agropecuário 104)

FALEIRO EA et al. 2021. Integrated management of tough lovegrass (Eragrostis plana Nees): associating chemical control tools and plant physiology. Ciência Rural 51: 1-7.

FERNANDES LG & RODRIGUES RR. 2017. Changes in the patterns of extreme rainfall events in southern Brazil. International Journal of Climatology 38: 1337-1352.

FERREIRA DF. 2019. SISVAR: a computer analysis system to fixed effects split plot type designs. Revista Brasileira de Biometria 37: 529-535.

GALVIN LB et al. 2022. Assessment of oxyfluorfen‐tolerant rice systems and implications for rice‐weed management in California. Pest Management Science 78: 4905-4912.

HELGUEIRA DB et al. 2017. Weed management in rice under sprinkler and flood irrigation systems. Planta Daninha 36: e018177637.

HERRMANN MLP. 2014. Atlas de Desastres Naturais do Estado de Santa Catarina: período de 1980 a 2010. atual. e rev. Florianópolis: IHGSC/Cadernos Geográficos. 7p.

KOUSKY VE et al. 1984. A review of the Southern Oscillation: oceanic-atmospheric circulation changes and related rainfall anomalies. Tellus A: Dynamic Meteorology and Oceanography 36: 490-504.

KUVA MA et al. 2016. Experimentos de eficiência e praticabilidade agronômica com herbicidas. In: MONQUERO PA. Experimentação com herbicidas. São Carlos: Rima. p.75-98.

LACERDA MC & NOLDIN JA. 2021. Arroz: manejo de plantas daninhas. Brasília: Embrapa. Disponível em: https://www.embrapa.br/agencia-de-informacao-tecnologica/cultivos/arroz/producao/sistema-de-cultivo/arroz-irrigado-na-regiao-tropical/manejo-de-pragas/manejo-de-plantas-daninhas. Acesso em: 19 out. 2022.

MARTINI LFD et al. 2023. Environmental conditions affect herbicide selectivity on paddy rice in Southern Brazil. Ciência Rural 53: 1-11.

MACHADO SLO et al. 2006. Consumo de água e perdas de nutrientes e de sedimentos na água de drenagem inicial do arroz irrigado. Ciência Rural 36: 65-71.

MOTA LM et al. 2020 Light availability interferes with absorption and translocation of 14C-glyphosate in Urochloa brizantha cv. Marandu plants. Journal of Radioanalytical and Nuclear Chemistry 326: 683-693.

OLIVEIRA NETO AM et al. 2020. Off-season management as an alternative to reduce weed infestation in paddy rice production systems. Planta Daninha 38: e020228645.

PEREIMA MFR et al. 2021. A systematic analysis of climate model precipitation in southern Brazil. International Journal Of Climatology 42: 4240-4257.

RICCE WS et al. 2016 Estimativas de perdas na agricultura por chuvas excessivas no Alto Vale do Rio Itajaí em 2015. Revista Agropecuária. Catarinense 29: 42-45.

ROMAN ES et al. 2005. Como funcionam os herbicidas: da biologia à aplicação. Passo Fundo: Berthier.152 pg.

SANTOS AB. 2021. Cultivo do arroz: sistemas de cultivo. Santo Antônio de Goiás: Embrapa Arroz e Feijão. Disponível em: https://www.embrapa.br/cultivo-do-arroz/producao/sistema-de-cultivo. Acesso em: 03 fev. 2022.

SARTORI GMZ et al. 2013. Rendimento de grãos e eficiência no uso de água de arroz irrigado em função da época de semeadura. Ciência Rural 43: 397-403.

SEAPDR. 2022. RELATÓRIO ESTIAGEM Nº 07/2022. Disponível em: https://www.agricultura.rs.gov.br/upload/ arquivos/202204/04103732-relatorio-estiagem-07.pdf. Acesso em: 20 out. 2022.

SCHELTER M et al. 2021. Sensibilidade de arroz-daninho oriundo de rebrote a imazapyr + imazapic. Weed Control Journal 20: e202100748.

SOSBAI – SOCIEDADE SUL BRASILEIRA DE ARROZ IRRIGADO. 2018. Arroz irrigado: recomendações técnicas da pesquisa para o Sul do Brasil. Cachoeirinha: SOSBAI. 205 pg.

SUN R et al. 2019. Contrasting impacts of two types of El Niño on the yields of early rice in Southern China. Agronomy Journal 112: 1084-1100.

Downloads

Publicado

2023-05-31

Como Citar

VIEIRA, Carlos; SOUZA, Elison Diego de; SCARIOT, Mateus Henrique; FREITAS, Lariane Fontana de; FRUET, Diogo Luiz; GUERRA, Naiara; NETO, Antônio Mendes de Oliveira. Resposta do arroz irrigado a herbicidas em função do sombreamento e da inundação do solo. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 22, n. 2, p. 242–250, 2023. DOI: 10.5965/223811712222023242. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/22833. Acesso em: 24 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigo de Pesquisa - Ciência de Plantas e Produtos Derivados

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)