Deposição de calda na cultura da cebola e no solo em função da ponta de pulverização e da pressão de trabalho

Autores

  • Dionatan Alan Amler Instituto Federal Catarinense, Rio do Sul, SC.
  • Fabrício Flávio Amler Instituto Federal Catarinense, Rio do Sul, SC.
  • Jamille Santos da Silva Instituto Federal Catarinense, Rio do Sul, SC.
  • Naiara Guerra Universidade Federal de Santa Catarina, Curitibanos, SC.
  • Antonio Mendes de Oliveira Neto Universidade do Estado de Santa Catarina, Lages, SC.

DOI:

https://doi.org/10.5965/223811712022021142

Palavras-chave:

Allium cepa, taxa de aplicação, deposição foliar de calda

Resumo

A aplicação de agroquímicos vem sendo pesquisada e a primorada ao longo dos anos, porém ainda há uma carência de pesquisas relacionadas à tecnologia de aplicação na cultura da cebola. Neste trabalho, objetivou-se avaliar a interação de diferentes pontas de pulverização e pressões de trabalho sobre a deposição de calda em plantas de cebola e no solo. O experimento foi constituído de 16 tratamentos e cinco repetições, organizados em esquema fatorial 4x4, combinando quatro pontas de pulverização (MF 110 015, AD 110 015, TT 110 015 e ADIA 110 02) e quatro pressões de trabalho (207, 276, 345 e 414 kPa). Foi conduzido em casa de vegetação com plantas cebolas transplantadas em vasos de 8 dm-3 preenchidos com solo. Plantas de cebola com cinco a seis folhas completamente desenvolvidas e placas de Petri acondicionadas no solo foram os alvos biológicos, onde se avaliou a deposição de calda nas plantas e no solo. Utilizou-se o corante azul brilhante como traçador, após a aplicação esse foi recuperado com água destilada e quantificado em espectrofotômetro, para determinação da deposição. A deposição de calda na cebola foi afetada pelo fator ponta de pulverização, já no solo foi influenciada pelo modelo de ponta de pulverização, pressão de trabalho e interação entre ambos. Concluiu-se que a ponta de impacto (TT 110 015) e jato plano com indução de ar (ADIA 110 02) foram os modelos que apresentaram maior deposição de calda nas plantas de cebola e no solo. A pressão de trabalho não afetou a deposição de calda nas plantas de cebola. O aumento de pressão incrementou a deposição de calda no solo para as pontas de jato plano (MF 110 015), pré-orifício (AD 110 015) e com indução de ar (ADIA 110 02), contudo não afetou a deposição na ponta de impacto (TT 110 015).

Referências

ALVES GS et al. 2014. Seleção de traçadores para estudo de eficiência das aplicações de produtos fitossanitários. Planta Daninha 32: 861-870.

ANTUNIASSI UR et al. 2011. Inspeção de pulverizadores de barras. In: ANTUNIASSI UR & BOLLER W. Tecnologia de Aplicação para culturas anuais. Passo Fundo: Aldeia Norte. p.83-104.

AZEVEDO MG et al. 2017. Interferência do volume de aplicação e adjuvantes nos depósitos da pulverização em plantas de feijão. Revista científica ANAP Brasil 10: 32-43.

BAESSO MM et al. 2014. Tecnologia de aplicação de agrotóxicos. Revista Ceres 61: 780-785.

BAUER FC et al. 2006. Padrões de distribuição volumétrica de pontas de pulverização de jato plano 11002, com e sem indução de ar, sob diferentes espaçamentos e alturas. Engenharia Agrícola 26: 546-551.

BOLLER W & MACHRY M. 2007. Efeito da pressão de trabalho e de modelos de pontas de pulverização sobre a eficiência de herbicida de contato em soja. Engenharia Agrícola 27: 722-727.

BUENO MR et al. 2014. Deposição de calda e controle de plantas daninhas empregando pulverizador de barra convencional e com barra auxiliar, em volumes de calda reduzidos. Planta Daninha 32: 447-454.

COSTA AGF et al. 2012. Efeito de pontas e pressões de pulverizações na deriva de glyphosate + 2,4-D em condições de campo. Revista Brasileira de Herbicidas 11: 62-70.

CUNHA JPAR & PERES TCM. 2010. Influência de pontas de pulverização e adjuvante no controle químico da ferrugem asiática da soja. Acta Scientiarum Agronony 32: 597-602.

CUNHA JPAR & SILVA RAM. 2010. Uniformidade de distribuição volumétrica de pontas de pulverização em função da pressão de trabalho e altura da barra. Bioscience Journal 26: 52-58.

CUNHA JPAR et al. 2016. Deposição da calda da cultura da soja em função de diferentes pressões de trabalho e ponta de pulverização. Revista Ceres 63: 761-768.

DURIGAN JC et al. 2005. Eficácia e seletividade do herbicida flumioxazin aplicado em pré-emergência na cultura transplanta da cebola. Revista Brasileira de Herbicidas 4: 11-17.

FAGGION F & ANTUNIASSI UR. 2010. Desempenho de pontas de pulverização quanto a indução de ar nas gotas. Energia na Agricultura 25: 72-82.

FARINHA JV et al. 2009. Deposição da calda de pulverização em cultivares de soja no estádio R1. Ciência Rural 39: 1738-1744.

FREITAS FCL et al. 2005. Distribuição volumétrica de pontas de pulverização Turbo Teejet 11002 em diferentes condições operacionais. Planta Daninha 23: 161-167.

GANDOLFO MA et al. 2013. Influência de pontas de pulverização e adjuvantes na deriva em caldas com glyphosate. Ciência Agronômica 44: 474-480.

OLIVEIRA NETO AM et al. 2018. Eficiência e deposição de herbicidas na cebola em função do adjuvante e da taxa de aplicação. Revista Brasileira de Herbicidas 17: e604.

PALLADINI LA et al. 2005. Choice of tracers for the evaluation of spray deposits. Scientia Agricola 62: 440-445.

SOARES DJ et al. 2003. Período de interferência das plantas daninhas na cultura de cebola (Allium cepa) transplantada. Planta Daninha 21: 387-396.

SILVA BM et al. 2014. Deposição da calda de pulverização aplicada com pontas de jato plano em diferentes partes da planta de soja (Glycine max) e milho (Zea mays). Engenharia na Agricultura 22: 17-24.

SBCS. 2016. Sociedade Brasileira de Ciência do Solo. Manual de calagem e adubação para os Estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Santa Maria: Palloti. 376p.

VIANA RG et al. 2008. Deposição de gotas no dossel da soja por diferentes pontas de pulverização hidráulica e pressões de trabalho. Engenharia na Agricultura 16: 428-435.

WORDELL FILHO JA et al. 2006. Manejo fitossanitário na cultura da cebola. Epagri: Florianópolis. 266p.

Downloads

Publicado

2021-07-02

Edição

Seção

Artigo de Pesquisa