A branquidade conservadora de Vogue Brasil no século XXI

Daniela Novelli

Resumo


A presente reflexão é parte integrante de recente pesquisa doutoral interdisciplinar sobre a produção imagética, narrativa e discursiva de uma branquidade conservadora nas páginas do periódico de alta moda e prêt-à-porter de luxo Vogue Brasil. Questões teórico-metodológicas inseridas notavelmente nos campos dos estudos culturais, de gênero e pós-coloniais são articuladas por meio de uma análise qualitativa de dois editoriais de moda, publicados nos anos de 2007 e 2008 e apontam para o “autoexotismo” da natureza e de nossa cultura popular – marcado simbolicamente pela primazia do corpo [branco] feminino, considerando-se ainda a legitimação de vozes produtoras de discursos de competência e renovação constante, bem como o cruzamento da violência simbólica racial com outras formas de dominação (de classe e de gênero/sexual).


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5965/1982615x08162015037

Direitos autorais Daniela Novelli

Licença Creative Commons

      http://www.revistas.udesc.br/public/site/images/rocha1/ceart1.png