Redução de vigor em pereiras europeias utilizando métodos físicos e químicos

Alberto Ramos Luz, Deivid Silva de Souza, Rafael Petineli, Joaseane de Souza Hipólito, Leo Rufato, Aike Anneliese Kretzschmar

Resumo


As diversas tentativas falhas de produção de peras no Brasil são impulsionadas pelo elevado consumo, que apresenta um cenário crescente de importação para atender a demanda interna. Em 2015 foram importadas 179 mil toneladas de peras, sendo a maior parte da Argentina e Portugal. A limitação do cultivo de pereira não tem sido por falta de mercado, mas devido a diversos fatores, como por exemplo, a baixa frutificação efetiva, a insuficiente formação de estruturas de produção e o excesso de crescimento vegetativo. O objetivo deste trabalho foi avaliar o crescimento vegetativo e frutificação efetiva de pereiras europeias submetidas a diferentes técnicas de redução de vigor. O experimento foi conduzido na safra 2012/2013 e 2013/2014 em um pomar comercial de pereiras localizado no município de Vacaria, RS, situada a 971 m de altitude. As pereiras Packham’s Triumph, William’s, Red Bartlett, Abate Fetel e Carrick, todas enxertadas sobre o portaenxerto Pyrus calleryana, foram submetidas aos tratamentos de anelamento simples, anelamento duplo, corte de tronco simples, corte de tronco duplo e aplicação do fitorregulador Trinexapac-etil (1600 mg L-1). De acordo com os resultados obtidos foi possível observar que houve redução do crescimento vegetativo apenas na cultivar Packham’s submetida ao anelamento duplo, corte de tronco simples e Trinexapac-etil. A utilização da técnica de anelamento e corte de tronco incrementa o retorno de floração e também a produtividade das pereiras ‘Abate Fetel’ e ‘Carrick’, bem como a aplicação de Trinexapac-etil reduz o retorno de florescimento destas cultivares nas condições do estudo.


Palavras-chave


Pyrus communis L., reguladores de crescimento, anelamento, corte do tronco, frutificação efetiva.

Texto completo:

PDF

Referências


CAIN JC. 1971. Effects of mechanical pruning of apple hedgerows with a slotting saw on light penetration and fruiting. Journal of the America Society for Horticultural Science 96: 664-667.

DECKERS T et al. 2005. Natural or chemical growth regulation in pear. Acta Horticulturae 671: 503-516.

DEJONG TM. 2007. Canopy and light management. IN: MITCHAM EJ & ELKINS RB. (Eds.). Pear Production and Handling Manual. Oakland: University of California. Agriculture and Natural Resourses. p. 59-62.

DREYER C. 2013. Fruit set and fruit size studies on ‘Forelle’ and ‘Abate Fetel’ pear (Pyrus communis L.). Thesis (Master), Faculty of Agricultural Sciences, Stellenbosch University, Stellenbosch: South Africa. 108f.

FERREIRA DF. 2010. Programa computacional Sisvar. Versão 5.3. Lavras: UFLA.

FORSHEY CG. 1989. Measuring the effects of growth regulators on the vegetative growth-fruiting relationship in apple trees. Acta Horticulturae 239: 211-220.

FORSHEY CG & ELFVING DC. 1989. The relationship between vegetative growth and fruiting in apple trees. Horticultural Reviews 11: 229-287.

GREENE DW. 2008. The effects of repeat annual applications of prohexadione-calcium on fruit set, return bloom, and fruit size of apples. Horticultural Science 43: 376-379.

IUCHI T & LUZ AR. 2010. Crescimento, frutificação, poda e condução da pereira. In: III Reunião Técnica da Cultura da Pereira: Busca pela identidade nacional. Anais... Lages: UDESC. p. 96-101.

IUCHI T et al. 2008. Anelamento e paclobutrazol na produção e absorção de nutrientes em pereira (Pyrus communis L.) cultivar Packham’s Triumph. Revista Brasileira de Fruticultura 30: 857-861.

JACKSON JE. 2003. Biology of apples and pears. Cambridge: University Press. 488p.

LUZ AR et al. 2012. Floração e polinização. In: RUFATO L et al. A cultura da Pereira. p. 38-53.

MACHADO BD et al. 2012. Cultivares de pereiras europeias. In: RUFATO L et al. A cultura da Pereira, p.150-171.

QUEZADA AC et al. 2003. Pêra: produção. Embrapa clima temperado. Embrapa Informação Tecnológica. 105p.

RADEMACHER W. 2014. Prohexadione-Ca and Trinexapac-Ethyl: Similarities in Structure but Differences in Biological Action. Acta Horticulturae 1042: 33-41.

RAFFO MD et al. 2011. Effect of trunk girdling on fruit production, fruit size and tree vigor on “Bartlett‟ pears in Rio Negro

and Neuquén valley, Argentina. Acta Horticulturae 909: 645-650.

SMIT M et al. 2005. Shoot growth control of pear trees (Pyrus communis L.) with prohexadione-calcium. Scientia Horticulturae 106: 515-529.

TAIZ L & ZEIGER E. 2013. Fisiologia vegetal. 5.ed. Porto Alegre: Artmed. 954p.

THERON KI & STEYN WJ. 2008. Girdling: science behind the age-old technique. Acta Horticulturae 800: 51-60.

VAN DER ZWET T & CHILDERS NF. 1982. The Pears, Cultivars to Marketing. Gainesville, Florida, EUA, 502p.




DOI: http://dx.doi.org/10.5965/223811711722018226

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


______________________________________________________________________________________________________________________________

Revista de Ciências Agroveterinárias (Rev. Ciênc. Agrovet.), Lages, SC, Brasil        ISSN 2238-1171