Memórias ao sol: em busca de uma dramaturgia da escuta com mulheres em privação de liberdade

Autores

  • Caroline Vetori de Souza Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC)

DOI:

https://doi.org/10.5965/14145731033920200114

Palavras-chave:

Pedagogia do Teatro, Presídio Feminino, Dramaturgia da escuta, Memórias ao sol

Resumo

No presente artigo analisa-se um processo artístico-pedagógico com mulheres em situação de cárcere em 2019 no Presídio Feminino de Florianópolis, em Santa Catarina. Compreende-se que uma das estratégias da prisão é a invisibilização das pessoas a ela submetidas, sendo que suas histórias são construídas por outros e, mesmo alicerçadas em estigmas, procurou-se ir na contramão desses processos. Assim, as proposições da oficina tiveram como foco o desenvolvimento de práticas que convocassem uma reapropriação e ressignificação das histórias de vida, a partir do terreno do teatro. Buscou-se, a partir da escuta dos materiais gerados e do próprio processo, a construção de uma escrita que não omitisse as vozes das mulheres que fizeram a oficina, mas que, pelo contrário, colocasse-as em foco.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Caroline Vetori de Souza, Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC)

Doutoranda em Teatro pela UDESC. Mestra em Teatro pela UDESC. Licenciada em Teatro pela UFRGS. Integra o grupo de pesquisa Teatro e Prisão: práticas de infiltração das artes cênicas em espaços de vigilância, sob coordenação do prof. Dr. Vicente Concilio.

Referências

DAVIS, Angela. Estarão as prisões obsoletas?. Tradução: Marina Vargas. Rio de Janeiro: Difel, 2018.

CONCILIO, Vicente. Teatro e prisão: dilemas da liberdade artística. São Paulo, Hucitec, 2008.

CONCILIO, Vicente. Criar atrás das grades, libertar-se das paredes: desafios da cena construída no Presídio Feminino de Florianópolis. Caixa de Ponto, Florianópolis, n.11, p.20, 2020. Disponível em: < https://7def63e5-712c-41aa-b56cd66c7d4ff3e2.filesusr.com/ugd/23361d_8a8c4691e74d4976919eaae980363ed5.pdf >Acesso em: 10 out. 2020.

CONCILIO, Vicente; VETORI, Caroline. Relato solto de uma oficina atrás das grades: um processo de escrita teatral dentro do Presídio Feminino de Florianópolis. Iaçá Artes da Cena, Amapá, v.2, n.2, p.120-132, 2019. Disponível em: <https://periodicos.unifap.br/index.php/iaca/article/view/5088> Acesso em: 10 out. 2020.

EVARISTO, Conceição. Literatura negra: uma poética de nossa afro-brasilidade. SCRIPTA, Belo Horizonte, v. 13, n. 25, p. 17-31, 2º sem. 2009.

FLAUZINA, Ana Luiza Pinheiro. Corpo negro caído no chão: o sistema penal e o projeto genocida do Estado brasileiro. Dissertação (Mestrado em Direito) – Faculdade de Direito, Universidade de Brasília. Brasília. p. 145. 2006 Disponível em: <http://repositorio.unb.br/handle/10482/5117>. Acesso em: 12 dout. 2020.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Tradução: Raquel Ramalhete. Rio de Janeiro: Vozes, 2008.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. Lembrar, escrever, esquecer. São Paulo: Editora 34, 2006.

GOFFMAN, Erving. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Tradução: Márcia Bandeira de Mello Leite Nunes. Rio de Janeiro: LTC, 1975.

GOFFMAN, Erving. Manicômios, prisões e conventos. Tradução: Dante Moreira Leite. São Paulo: Perspectiva, 2001.

HOLLOWAY, John. Fissurar o capitalismo. Tradução: Daniel Cunha. São Paulo: Publisher, 2013.

KILOMBA, Grada. Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Tradução: Jess Oliveira. Rio de Janeiro: Cobogó. 2019.

LEONARDELLI, Patricia. A memória como recriação do vivido: um estudo da história do conceito de memória aplicado às artes performativas na perspectiva do depoimento pessoal. Tese (Doutorado em Artes Cênicas) – Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo. São Paulo. p. 236. 2008.

POMPEO, Marcia. Pistas para pesquisa de uma comunidade como base para um trabalho teatral. Anais ABRACE, v. 12, n. 1, 2011.

PORTELLI, Alessandro. História oral como arte da escuta. Tradução: Ricardo Santhiago. São Paulo: Letra e Voz, 2016.

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala?. Belo Horizonte: Letramento. 2017.

ROSA, Marinês. A escrita de si entre mulheres encarceradas: a experiência metodológica com recurso da literatura marginal. Disponível em: < http://www.sbs2019.sbsociologia.com.br/arquivo/downloadpublic?q=YToyOntzOjY6InBhcmFtcyI7czozNToiYToxOntzOjEwOiJJRF9BUlFVSVZPIjtzOjQ6IjEwMDgiO30iO3M6MToiaCI7czozMjoiZWY0MTY1MjJkOTU0MjcxMTRmYzI1NDU3OWVjNWQzYWMiO30%3D > Acesso em: 10 jan. 2020.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar?. Tradução: Sandra Regina Goulart Almeida, Marcos Pereira Feitosa, André Pereira Feitosa. Belo Horizonte: UFMG, 2010.

Downloads

Publicado

2020-12-23

Como Citar

SOUZA, C. V. de. Memórias ao sol: em busca de uma dramaturgia da escuta com mulheres em privação de liberdade. Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v. 3, n. 39, p. 1-24, 2020. DOI: 10.5965/14145731033920200114. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/urdimento/article/view/18857. Acesso em: 28 set. 2022.

Edição

Seção

Dossiê temático: Artes da Cena atrás das grades