Cenário – matéria viva

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1414573101402021e0201

Palavras-chave:

Cenografia. Espaço público. Arte em contexto.

Resumo

A Cenografia situa-se contemporaneamente num espaço de cruzamento implicado com a artes vivas. Recuperamos o conceito de Adolphe Appia, para uma “Obra de arte viva”, enunciando uma elipse temporal de exploração de uma vertente da arte implicada e relacional.  A esta condição de ser “Vivo” na arte, temos hoje de somar um conjunto de significações várias que de alguma forma se relacionam com o nosso campo de trabalho: falo de participação, implicação, cidadania, interação, enunciado numa necessidade de ter voz, tomar partido e arriscar soluções. A exploração dos conceitos de lugar, espaço público de interação e de intervenção enuncia ações artísticas em contexto que importa valorizar e aprofundar.

Biografia do Autor

Helder Moreira, Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo do Instituto Politécnico

Cenógrafo e Prof. Dr. Adjunto na ESMAE - Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo do Instituto Politécnico do Porto - Portugal. Investigador no Núcleo de Investigação em Música e Artes do Espetáculo.

Referências

AMARAL, Aracy. A arte para quê? A preocupação social na arte brasileira 1930-1970. São Paulo: Estúdio Nobel, 2003.

APPIA, Adolphe. A Obra de Arte Viva. Tradução de Redondo Júnior, edição de Eugénia Vasques. 2ª ed. Amadora, Biblioteca. Portugal: Escola Superior de Teatro e Cinema, 2002.

AUGÉ, Marc. Não-lugares. Introdução a uma antropologia da Sobre a modernidade. Lisboa: 90 Graus Editora, 2005.

BACHELARD, Gaston. La poética del espacio. In: YATES, S. (Ed.). Poéticas del espacio, Barcelona: Gustavo Gilli, 2002.

Boal, Augusto. Teatro do oprimido e outras poéticas políticas. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

BROOK, Peter. El espacio vacio - Arte y técnica del teatro. Barcelona: Ediciones Península, 2002.

CASEY, Eduard. Public Memory in Place and Time, edited by Kendall Phillips (University of Alabama Press), 2004.

DEUTSCHE, Rosalyn. Art and Public Space: Questions of Democracy. http://www.jstor.org/stable/466433, 1992.

GROTOWSKY, Jerzy. Em busca de um teatro pobre. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 1992

LACY, Suzanne (Edit.). Mapping the terrain: New Genre Public Art. Seatle. Washington: Bay Press, 1994.

MASSEY, Doreen. For Space. London: SAGE Publications, 2005.

MIWON, Kwon. One place after another, Site-specific art and location identity. USA: Library of Congress Cataloging-in-Publication Data, 2002.

RANCIÈRE, Jacques. O espectador emancipado. Lisboa: Orfeu negro, 2010.

SANCHEZ, José A. (edit.). La escena Moderna, Manifiestos e textos sobre teatro de la época de las vanguardias. Madrid: Ediciones Akal, 1999.

TUAN, Yi-Fu. Space and Place - The perspective of experience. Minneapolis: University of Minnesota Press, 2005.

WILKIE, Fiona. Out of place, the negotiation of Space in Site-specific performance, (Tese Doutoral). School of Arts, University of Surrey, 2004.

Catálogo Um teatro sem teatro, MACBA - Museu d´Art Contemporani de Barcelona e Fundação de Arte Moderna e Contemporânea – Coleção Berardo, 2007

Downloads

Publicado

2021-01-27

Como Citar

Moreira, H. (2021). Cenário – matéria viva. Urdimento - Revista De Estudos Em Artes Cênicas, 1(40), 1-18. https://doi.org/10.5965/1414573101402021e0201

Edição

Seção

Fluxo Continuo