Recursos didáticos táteis no ensino de Arte para alunos com surdocegueira

Autores

  • Alessandra Dutra Universidade Tecnológica Federal do Paraná
  • Vanderley Flor da Rosa
  • Cynthia Lanzoni Costa Universidade Tecnológica Federal do Paraná
  • Rodrigo Borgues Secretaria de Estado da Educação - SEED/PR

Palavras-chave:

Educação, Inclusão, Surdocegueira, Tecnologias da Informação e Comunicação, Prototipagem,

Resumo

Este trabalho tem por objetivo analisar as percepções de uma aluna com surdocegueira sobre seu contato com um protótipo da escultura Vênus de Willendorf na disciplina de Arte do Ensino Médio de um colégio localizado no norte do Estado do Paraná, Brasil; conhecer a avaliação da aluna sobre esse protótipo desenvolvido na impressora 3D e apresentar a percepção da instrutora-mediadora nesse processo. Os tipos de pesquisa utilizados neste estudo foram bibliográfica, de campo e experimental. A fundamentação teórica está baseada em Kenski (2007), Miles (2013), Cader-Nascimento (2010), Nicholas (2011) e Brendler (2014). Os resultados mostraram que a experiência com o uso do protótipo da Vênus de Winllendorf, produzido para a aluna com surdocegueira, mostrou na prática o que preconiza a teoria sobre inclusão de alunos com necessidades especiais no Ensino Regular. Por meio desse recurso, a aluna investigada conseguiu compreender os conceitos trabalhados de forma concreta, sentiu-se motivada, considerada pelo professor e pertencente ao meio educacional.

Biografia do Autor

Alessandra Dutra, Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Doutora em Linguística e Lingua Portuguesa, docente da Universidade Tecnológica Federal do Paraná, campus Londrina.

Vanderley Flor da Rosa

Doutor em Educação, docente da Universidade Tecnológica Federal do Paraná, campus Cornélio Procópio.

Cynthia Lanzoni Costa, Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Mestranda em Ensino de Ciências Humanas, Sociais e da Natureza

Referências

AHIMSA. Código de Ética do Intérprete. 2003. Disponível em:http://www.ahimsa.org.br/. Acesso em: 30 mai. 2017.

BRENDLER, Clariana Fischer et al. Recursos Didáticos Táteis para auxiliar a aprendizagem de deficientes visuais. Educação Gráfica, 2014. Disponível em: http://bit.ly/2sorbY1. Acesso em: 30 mai. 2017.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil.1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm. Acesso em: 09 jul. 2016.

BRASIL. Declaração de Salamanca.1994. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/salamanca.pdf. Acesso em: 24 jul. 2016.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: DOU, 1996. Disponível em: www.planalto.gov.br. Acesso em: 09 jul. 2016.

BRASIL.Ministério da Educação.Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Disponível em:http://portal.mec.gov.br/pet/192-secretarias-112877938/seesp-esducacao-especial-2091755988/12648-diretrizes-nacionais-para-a-educacao-especial-na-educacao-basica. Acesso em: 15 set.2017.

BRASIL. Ministério da Educação e da Cultura. Saberes e Práticas da Inclusão. Dificuldades de comunicação e sinalização: Surdocegueira / múltipla deficiência sensorial. Secretaria de Educação Especial – Brasília: MEC/SEESP – 2006.

BRASIL. Política Nacional em Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília, jan. 2008. Disponível em:http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/politicaeducespecial.pdf. Acesso em: 04 jul. 2016.

FRENDA, Perla; BOZZANO, Hugo B.; GUSMÃO, Tatiane Cristina. Arte em interação.Volume único. Ensino Médio. 1. ed. – São Paulo: IBEDEP, 2013.

GORNI, Antonio Augusto. Introdução à prototipagem rápida e seus processos. 2001.Dispnível em: http://www.gorni.eng.br/protrap.html. Acesso em: 04 abr. 2016.

GRUPO BRASIL. Sugestões de estratégias de ensino para favorecer a aprendizagem de pessoas com surdocegueira e deficiência múltipla sensorial: um guia para instrutores mediadores. São Paulo: Ciclo Press Gráfica & Fotolito, 2008.

KENSKI, Vani Moreira. Resenha da Educação e Tecnologias - O novo ritmo da informação. 2. ed. Campinas: Papirus, 2007.

MAIA, Shirley Rodrigues. Descobrindo crianças com surdocegueira e deficiência múltipla sensorial, no brincar. 2011. 240f. Tese (doutorado) - Universidade Presbiteriana Mackenzie. São Paulo, 2011.

MEC. Saberes e Práticas da Inclusão. Dificuldades de comunicação e sinalização: Surdocegueira / múltipla deficiência sensorial. Secretaria de Educação Especial – Brasília: MEC/SEESP – 2006.

MILES, Barbara. Perspectiva general sobre la sordo-ceguera. Monmouth: DB-LINK; 1995. [citado 2008 Set 20]. Disponível em: http://www.dblink.org/pdf/over-span.pdf.Acesso em: 15 abr. 2017.

MORAES, C. O paradigma educacional emergente. Campinas, SP: Papirus,1997.

NICHOLAS, Jude. Do tato ativo à comunicação tátil: o que a cognição tátil tem a ver com isso? Tradução Roberto Alexandre Machado Albornoz. São Paulo: Grupo Brasil, 2011.

PACHECO, Thais. Arte Rupestre – Conceito, tema, característica e obras. 2017. Disponível em: http://vidadeprofessor.pro.br/arte-rupestre. Acesso em: 29 mai. 2017.

THINGIVERSE, Ornamento de Venus Disponpível em: Willendorfhttps://www.thingiverse.com/thing:194487.Acesso em: 22. Maio.2017.

UNESCO. Declaração Universal dos Direitos Humanos: adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembleia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948. Brasília: Representação da UNESCO no Brasil.1998. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0013/001394/139423por.pdf. Acesso em: 15 set. 2016.

WIKIPEDIA, Vénus de Willendorf Disponível em:https://pt.wikipedia.org/wiki/V%C3%A9nus_de_Willendorf. Acesso em: 28.maio, 2017.

Downloads

Publicado

2018-04-01

Edição

Seção

Relatos de Experiência