Permanências do modelo médico nos discursos dos professores da Educação Especial

Autores

  • Renata Maldonado Silva Universidade Estadual do Norte Fluminense http://orcid.org/0000-0001-7901-623X
  • Luana Leal Ribeiro Universidade Estadual do Norte Fluminense

DOI:

https://doi.org/10.5965/1984317813012017141

Palavras-chave:

Educação, Inclusão, Modelo Médico, Docência,

Resumo

A interferência da medicina na educação especial acontece desde seu surgimento e ainda pode ser encontrada por meio da solicitação do laudo médico como comprovante de deficiência para efetivação da matrícula de alunos público-alvo dessa modalidade educacional no atendimento especializado. Assim, o presente estudo teve por objetivo identificar de que modo o instrumento do laudo é utilizado nas práticas pedagógicas dos professores que atuam com a modalidade especial. Com esse objetivo, foram realizadas entrevistas semiestruturadas com sete docentes, nas quais cinco dessas atuam no Atendimento Educacional Especializado – AEE e duas na sala regular, mas que possuem alunos da educação especial como seus discentes. Diante da análise de conteúdo das entrevistas, por meio da categorização do discurso produzido, foi possível apreender que os profissionais da educação aceitam, com baixa problematização, o saber advindo dos profissionais da medicina, ao exaltarem o diagnóstico clínico como primordial para sua prática com alunos público-alvo da educação especial. Porém, apesar desse discurso hegemônico, compreendeu-se que de fato o laudo médico não exerceu função estratégica nas práticas pedagógicas desenvolvidas pelas professoras, servindo, primordialmente, como respaldo para o nulo ou baixo desenvolvimento dos alunos que apresentam peculiaridades em seu processo de ensino-aprendizagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renata Maldonado Silva, Universidade Estadual do Norte Fluminense

Doutora em Educação e pesquisadora na área de políticas educacionais. Professora do Programa de Pós-Graduação em Políticas Sociais - UENF.

Luana Leal Ribeiro, Universidade Estadual do Norte Fluminense

Graduada em Serviço Social pela Universidade Federal Fluminense e Mestre em Políticas Sociais pela Universidade Estadual do Norte Fluminense.

Referências

ANGELUCCI, Carla Biancha. Medicalização das diferenças funcionais – continuismos nas justificativas de uma educação especial subordinada aos diagnósticos. Nuances: estudos sobre Educação, Presidente Prudente, v. 25, n. 1, p.116- 134 abr. 2014. Disponível em: <http://revista.fct.unesp.br/index.php/Nuances/article/viewFile/2745/2521>. Acesso em: 05/02/2017.

ARANHA, Maria Salete Fábio. Paradigmas da relação da sociedade com as pessoas com deficiência. Revista do Ministério Público do Trabalho, Ano XI, nº 21, p. 160-173. Março, 2001. Disponível em < http://www.adiron.com.br/arquivos/paradigmas.pdf>. Acesso em 22/07/2016.

BAPTISTA, Claudio Roberto. Ação pedagógica e educação especial: a sala de recursos como prioridade na oferta de serviços especializados. Rev. bras. educ. espec. vol.17 no.spe1 Marília May/Aug. 2011. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-65382011000400006> Acesso em: 02/02/2017.

BONADIO, Rosana Aparecida Albuquerque; MORI, Nerli Nonato Ribeiro. Transtorno de déficit de atenção/hiperatividade: diagnóstico da prática pedagógica [online]. Maringá: Eduem, 2013, pp. 233-242. Disponível em: < http://books.scielo.org/id/963vf/pdf/bonadio-9788576286578.pdf> Acesso em: 02/02/2017.

BRASIL. Diretrizes Nacionais para Educação Especial na Educação Básica. Brasília: MEC/SEESP, 2001. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/diretrizes.pdf>. Acesso em: 14/07/2016.

______. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília: MEC/SEESP, 2008. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/politica.pdf> Acesso em: 16/07/2016.

______. Norma técnica de nº 4/2014/MEC/SACADI/DPEE. 2014.

CAMIZÃO, Amanda Costa. Conhecimentos, concepções e práticas de professores de educação especial: o modelo médico-psicológico ainda vigora? Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Espírito Santo, Centro de Educação. 180 f. Vitória, 2016. Disponível em: < http://portais4.ufes.br/posgrad/teses/tese_10564_Disserta%E7%E3o%20AmandaFinal.pdf> Acesso em: 05/02/2017.

CAMPOS DOS GOYTACAZES. Resolução/SME nº 01/12 do dia 26 de dezembro de 2012.

CHRISTOFARI, A. C. Modos de ser e de aprender na escola: medicalização (in)visível?. 2014. 173 f. Tese (Doutorado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2014.

COLLARES, C. A. L.; MOYSÉS, Maria Aparecida Affonso. A transformação do espaço pedagógico em espaço clínico (a patologização da educação). Série Idéias, n. 23. São Paulo, FDE, 1994, p. 25-31. Disponível em: <http://www.crmariocovas.sp.gov.br/pdf/ideias_23_p025-031_c.pdf> Acesso em: 02/02/2017.

DINIZ, D. O que é deficiência? Coleção Primeiros Passos. p. 324. Brasiliense. São Paulo, 2007.

FOUCAULT, Michel. As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. Michel Foucault: tradução de Salma Tannus Muchail. – 8ª ed. – Coleção Tópicos. Martins Fontes. São Paulo, 2000.

FRANCO, Marco Antonio Melo. O discurso médico e a prática pedagógica no ensino da criança com paralisia cerebral: a importância de se retomar o diálogo entre saúde e educação para a constituição de novas práticas. Paidéia r. do cur. de ped. da Fac. de Ci. Hum., Soc. e da Saú., Univ. Fumec Belo Horizonte Ano 9 n.13 p. 157-178 jul./dez. 2012.

GARCIA, Rosalba Maria Cardoso. Políticas para a Educação Especial e as formas organizativas do trabalho pedagógico. Rev. Bras. Ed. Esp., Set.-Dez., v.12, n.3, p.299-316. Marília, 2006.

GARRIDO, Juliana, Questionando a medicalização de crianças com dificuldade de escolarização – o estado da arte da produção acadêmica sobre o tema nas áreas de educação, medicina e psicologia. 2010. FCM/UNICAMP. Campinas, 2010.

GIUSTI, Karina Gomes. Medicalização da vida: uma análise sobre a psiquiatrização do campo educacional como estratégia biopolítica. Revista Brasileira de Sociologia | Vol 04, No. 08 | Jul/Dez/2016. Disponível em: < http://www.sbsociologia.com.br/revista/index.php/RBS/article/view/170/112> Acesso em: 07/02/2017.

GLAT, Rosana; PLETSCH, Márcia Denise. Estratégias educacionais diferenciadas para alunos com necessidades especiais./organização Rosana Glat, Márcia Denise Pletsch. – Rio de Janeiro: EdUERJ, 2013. 200p.

GLAT, Rosana; PLETSCH, Márcia Denise; FONTES, Rejane de S. Educação inclusiva & educação especial: propostas que se complementam no contexto da escola aberta à diversidade. Santa Maria, v. 32, n. 2, p. 343-356, 2007. Disponível em: <http://www.ufsm.br/ce/revista> Acesso em: 07/01/2016.

GLAT, Rosana; SANTOS, Mônica Pereira dos; SOUSA, Luciane Porto Frazão de; XAVIER, Kátia Regina. Formação de professores na educação inclusiva: diretrizes políticas e resultados de pesquisas. Publicado em Anais do XIII ENDIPE- XIII Encontro Nacional de Didática e Prática de Ensino –Recife – Pernambuco – 2006. Disponível em: < /http://www.lapeade.com.br/publicacoes/artigos/ENDIPE%202006.pdf> Acesso em: 02/02/2017.

HARLOS, Franco Ezequiel. Sociologia da deficiência : vozes por significados e práticas (mais) inclusivas. 200 f. Dissertação (Mestrado) -- Universidade Federal de São Carlos. São Carlos, 2012.

JANNUZZI, Gilberta S. de M. A educação do deficiente no Brasil: dos primórdios ao início do século XXI / Gilberta S. de M. Jannuzzi. – 3. Ed. Ver. – Campinas, SP: Autores Associados, 2012.

LOURENÇO, Érika. Conceitos e práticas para refletir sobre a educação inclusiva. (Série Cadernos da Diversidade). Belo Horizonte: Autêntica Editora; Ouro Preto, MG: UFOP, 2010.

MENDES, E. G. A radicalização do debate sobre inclusão escolar no Brasil. Revista Brasileira de Educação v. 11 n. 33 set./dez. 2006. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v11n33/a02v1133.pdf> Acesso em: 07/01/2016

MENDOZA, Ana Maria Tejada. Escolarização em diagnóstico: crianças em concreto. Dissertação (Mestrado – Programa de Pós Graduação em Psicologia). – Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo. 200f. São Paulo, 2014. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47131/tde-12112014-114038/publico/mendonza_corrigida.pdf> Acesso em: 02/02/2017.

PADILHA, Caio Augusto Toledo. Educação e inclusão no Brasil (1985-2010). 2014. 391 f. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 2014.

PESSOTTI, Isaías. Deficiência mental: da superstição à ciência. 204 p. Marília: ABPEE, 2012.

PICCOLO, Gustavo Martins. Contribuições a um pensar sociológico sobre a deficiência. 231 f. Tese (Doutorado) - Universidade Federal de São Carlos. São Carlos, 2012.

PLETSCH, Márcia Denise. Repensando a inclusão escolar: diretrizes políticas, práticas curriculares e deficiência intelectual. Rio de Janeiro: Nau: Edur, 2010.

TARTUCI, D.; FLORES, M. M. L.; BERGAMASCHI, E. M. M.; DEUS; D. C. M. Avaliação e o Atendimento Educacional Especializado. Poíeses Pedagógica. Catalão – GO, v. 12, n. 1, p. 67-93, jan/jun. 2014.

TEIXEIRA, Ynayah Souza de Araújo. O enfrentamento da medicalização pelo trabalho pedagógico. Dissertação (Mestrado ) Universidade Estadual de Campinas. Faculdade de Ciências Médicas. Campinas, SP, 2008. Disponível em: < http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/zeus/auth.php?back=http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?code=vtls000440405&go=x&code=x&unit=x> Acesso em: 02/02/2017.

TEZZARI, Mauren Lúcia. Educação especial e ação docente: da medicina à educação. 2009. 235 f. Tese (Doutorado) - Programa de Pós-graduação em Educação da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2009.

Downloads

Publicado

2017-04-01

Como Citar

SILVA, R. M.; RIBEIRO, L. L. Permanências do modelo médico nos discursos dos professores da Educação Especial. Revista Educação, Artes e Inclusão, Florianópolis, v. 13, n. 1, p. 141-166, 2017. DOI: 10.5965/1984317813012017141. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/arteinclusao/article/view/9378. Acesso em: 12 ago. 2022.