A tecnologia assistiva no desenvolvimento de produto inclusivo: um estudo aplicado sobre a ‘ciranda cadeirinha para chão’ sob o olhar da semiótica como contribuição projetual

Autores

  • Bruna da Silveira Suris Centro Universitário Ritter dos Reis
  • Heli Meurer Centro Universitário Ritter dos Reis
  • César Steffen Centro Universitário Ritter dos Reis

Palavras-chave:

Semiótica no Design, Design Universal, Tecnologia Assistiva, Produtos Inclusivos,

Resumo

Este artigo apresenta um estudo que deseja ampliar e fomentar os conceitos de Design Universal e Tecnologia Assistiva, no campo científico do Design, por meio de observações aplicadas à ‘Ciranda Cadeirinha para Chão’. A execução consistiu na busca bibliográfica e na investigação de dados sobre as áreas escolhidas. Com o intuito de propor a percepção, aplicabilidade e contribuição da Semiótica - teoria focada no ser humano, no desenvolvimento de produtos inclusivos, do ponto de vista do Design e baseando-se no estudo da Ciranda. Para isso, realizou-se uma pesquisa descritiva de caráter bibliográfico, onde, se pode compreender suas temáticas e sua relação com o Design. Os resultados mostraram que a Semiótica pode ser uma grande aliada do designer, auxiliando nas etapas do processo projetual e na interpretação das referências dos elementos presentes no produto. Como conclusão, observou-se também, que a Ciranda pode auxiliar a vida de crianças com deficiências motoras, ampliando a capacidade educacional, artística e de lazer. Isso ocorre, através da possibilidade de interação com os demais alunos e da realização de atividades coletivas em sala de aula e, ainda, com os familiares na utilização da cadeira em casa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruna da Silveira Suris, Centro Universitário Ritter dos Reis

MESTRANDA EM DESIGN

Heli Meurer, Centro Universitário Ritter dos Reis

DOUTOR EM INFORMÁTICA

César Steffen, Centro Universitário Ritter dos Reis

Doutor em Comunicação Social

Referências

ADA - AMERICAN WITH DISABILITIES ACT 1994. Disponível em: http://www.resna.org/taproject/library/laws/techact94.htm Acesso em: 29 abr. 2016.

ANDRADE, M. S. A.; PACHECO, M. L.; FARIAS, S. S. P. Pessoas com deficiência rumo ao processo de inclusão na Educação Superior. Revista Digital de Pesquisa CONQUER da Faculdade São Francisco de Barreiras, Bahia, vol. 1, 2007. Disponível em: http://www.fasb.edu.br/revista/index.php/conquer/article/view/27/9. Acesso em: 16 mai. 2016.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 9050: Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. Rio de Janeiro, 2015.

BELCHIOR, C. L. Reciclando os sentidos. 1. ed. Contagem, MG: Ed. do Autor, 2014.

BERSCH, R. Introdução à Tecnologia Assistiva. Porto Alegre: Assistiva, Tecnologia e Educação, 2013. Disponível em: http://www.assistiva.com.br/Introducao_Tecnologia_Assistiva.pdf. Acesso em: 23 dez. 2016.

BITTENCOURT, L. S. et. al. Acessibilidade e Cidadania: barreiras arquitetônicas e exclusão social dos portadores de deficiência física. In: II Congresso Brasileiro de Extensão Universitária, 2., 2004, Belo Horizonte. Anais eletrônicos. Belo Horizonte, 2004. Disponível em: https://www.ufmg.br/congrext/Direitos/Direitos10.pdf. Acesso em: 11 jul. 2016.

BONSIEPE, G. Teoría e práctica del diseño industrial. Barcelona: Gustavo Gili, 1978.

BONSIEPE, G. Retórica visual/verbal. In: BIERUT, Michael et al. (Org.). Fundamentos del disiño gráfico. Buenos Aires: Ediciones Infinito, 2001.

BRASIL. Lei nº. 10098 de 19 de dezembro de 2000. Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 19 dez. 2000. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L10098.htm. Acesso em: 22 mai. 2000.

BÜRDEK, B. E. História, teoria e prática do design de produtos. São Paulo: Edgard Blücher, 2006.

CAMBIAGHI, S. Desenho universal: métodos e técnicas para arquitetos e urbanistas. 3. ed. São Paulo: Editora Senac SP, 2012.

CARLETTO, A. C.; CAMBIAGHI, S. Desenho Universal: um conceito para todos. São Paulo: Instituto Mara Gabrilli, 2008.

COOK, A. M.; HUSSEY, S. M. Assistive Technologies: Principles and Practices. St. Louis, MO: Mosby-Year Book, Inc; 1995.

DELGADO GARCÍA, J. C.; GALVÃO FILHO, Teófilo Alves. Pesquisa Nacional de Tecnologia Assistiva. Instituto de Tecnologia Social (ITS Brasil). São Paulo: ITS BRASIL/MCTI-SECIS, 2012. Disponível em: http://www.santoandre.sp.gov.br/pesquisa/ebooks/368505.PDF. Acesso em: 01 mai. 2016.

DEMO, P. Metodologia do conhecimento científico. São Paulo: Atlas, 2000.

FONTANA. R. A. C. Mediação pedagógica na sala de aula. 4. ed. Campinas: Autores Associados, 2005.

GAMBARATO, R. R. Signo, significação, representação. Contemporânea. n. 4, 2005. Disponível em: http://www.contemporanea.uerj.br/pdf/ed_04/contemporanea_n04_18_ReniraRam.pdf. Acesso em: 19 jul. 2016.

GUIA SOBRE A LEI BRASILEIRA DA INCLUSÃO. Brasília, Mara Gabrilli. 2015.

IIDA, I. Ergonomia: projeto e produção. 2. ed. São Paulo: Blücher, 2005.

LAMÔNICA, D. A. C. et al. Acessibilidade em ambiente universitário: identificação de barreiras arquitetônicas no campus da USP de Bauru. Revista Brasileira de Educação Especial. v.14, n.2, p. 177-188, 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbee/v14n2/03.pdf. Acesso em: 02 mai. 2016.

LÖBACH, B. Design industrial: bases para a configuração dos produtos industriais. São Paulo: Blücher, 2001.

NETO, J. C. M.; ROLLEMBERG, R. S. Tecnologias assistivas e a promoção da inclusão social. Ministério da Ciência e Tecnologia, 2005. Disponível em: http://www.ciape.org.br/artigos/artigo_tecnologia_assistiva_joao_carlos.pdf. Acesso em: 28 abr. 2016.

NIEMEYER, L. Elementos de semiótica aplicados ao design. Rio de Janeiro: 2AB, 2003.

NOISINHO DA SILVA RECEBE PRÊMIO NACIONAL. Disponível em: https://tudobemserdiferente.wordpress.com/2012/10/13/noisinho-da-silva-recebe-premio-nacional/. Acesso em: 18 jul. 2016.

NORMAN, D. A. O design do dia-a-dia. Rio de Janeiro: Rocco, 2006.

OFICINA DA CIRANDA. Disponível em: http://www.noisinhodasilva.org/oficina-da-ciranda. Acesso em: 30 jul. 2016.

OSTROFF, E. Chapter 1. Universal Design: The new paradigm. In: Wolfgang F.E. Preiser e Elaine Ostroff (Ed.). Universal Design Handbook. 2. ed. New York: McGraw-Hill, 2001.

PAPANEK, V. Design for the Real World: Human Ecology and Social Change. Nova York: Pantheon Books, 1971.

PRODANOV, C. C.; FREITAS, E. C. Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2. ed. Novo Hamburgo: Feevale, 2013.

SANTAELLA, L. O que é semiótica. 1. ed. São Paulo: Brasiliense, 2012.

THE PRODUCTS. Disponível em: http://www.theproducts.com.br/sobrenos. Acesso em: 27 mai. 2016.

VYGOTSKY, L. S. Aprendizagem e desenvolvimento intelectual da idade escolar: In: LURIA, A. R.; LEONTIEV, A. N.; VYGOSTKY, L. S. Psicologia e pedagogia. São Paulo: Moraes, 1991.

Downloads

Publicado

2018-04-01

Como Citar

SURIS, Bruna da Silveira; MEURER, Heli; STEFFEN, César. A tecnologia assistiva no desenvolvimento de produto inclusivo: um estudo aplicado sobre a ‘ciranda cadeirinha para chão’ sob o olhar da semiótica como contribuição projetual. Revista Educação, Artes e Inclusão, Florianópolis, v. 14, n. 2, p. 007–031, 2018. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/arteinclusao/article/view/8581. Acesso em: 30 nov. 2023.