Novos desafios para a docência em arte e desdobramentos para microrregião de Joinville

Autores

  • Lauze Maria Onofre Pedri Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina image/svg+xml

DOI:

https://doi.org/10.5965/198431782012024e0056

Palavras-chave:

ensino de arte, legislação educacional, docência

Resumo

O presente trabalho de natureza qualitativa apresenta uma revisão da legislação que regulamenta e rege o ensino da arte no Brasil, evidenciando suas conquistas e impasses à luz de alguns autores que dialogam com marcos regulatórios do campo educacional. Segue com a observação e o confronto dos currículos existentes de licenciatura em arte no Estado de Santa Catarina no que tange à especificidade das linguagens ofertadas. Para tanto, enviou-se um questionário aos professores de arte da microrregião de Joinville - São Francisco do Sul, Schroeder, Araquari, Balneário Barra do Sul, Corupá, Garuva, Guaramirim, Itapoá, Jaraguá do Sul, Joinville e Massaranduba - que atuam na educação profissional e tecnológica integrada ao ensino médio, permitindo a emergência de um breve retrato de suas vivências em sala de aula. De um passado com educadores polivalentes ao reconhecimento contemporâneo das especificidades das quatro linguagens artísticas, passando por diversos estágios, nota-se que ainda paira a incerteza sobre o que é arte e quem está melhor preparado para ensiná-la. Ademais, persiste a desestruturação das escolas com a falta de materiais e equipamentos além do menosprezo das instituições de ensino.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lauze Maria Onofre Pedri, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina

Graduada em Artes Visuias pela Universidade da Região de Joinville - UNIVILLE (2011), especialista em História da Arte pela mesma instituição (2015), especialista em Docência para a Educação Profissional e Tecnológica, pelo Instituto Federal de Santa Catarina - IFSC (2020).

Referências

ALVARENGA, Valéria Metroski; SILVA, Maria Cristina da Rosa Fonseca. Formação docente em arte: percurso e expectativas a partir da lei 13.278/16. Educação & realidade. Porto Alegre. Vol. 43. Jul./set.2018.

AZOUBEL, Juliana; MUNIZ, Mariana Lima; ROCHA, Maurilio Andrade; VIVAS, Rodrigo. Arte de perto. Volume único. São Paulo: Leya, 2016.

BARBOSA, Ana Mae. Arte educação no Brasil: realidade hoje e expectativas futuras. Revista Estudos Avançados. Volume 3. Número 7. 12 jan.1989. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/eav/issue/view/669>. Acesso em: 07 jan. 2020.

BARBOSA, Ana Mae. Arte Educação no Brasil: do modernismo ao pós-modernismo. Revista Digital Art&. Número 0. Out. 2003. Disponível em: < http://revista.art.br/site-numero-00/anamae.htm>. Acesso em: 09 jan. 2020.

BOZZANO, Hugo B.; FRENDA, Perla; GUSMÃO, Tatiane. Arte em interação. Volume único. 2ª ed. São Paulo: IBEP, 2016.

BRASIL. Conselho Federal de Educação. Indicação CFE 23/73. Cursos de Habilitação para Licenciaturas da área de Educação Geral. Brasília, 1973.

BRASIL. Conselho Federal de Educação. Parecer CFE nº 1.284/73. Mínimos de conteúdo e duração a observar na organização do curso de licenciatura em Educação Artística. Brasília, 1973.

BRASIL. Lei Nº 5.692/71. Fixa as diretrizes e bases para o ensino de 1º e 2º graus, e dá outras providências. Brasília, 1971.

BRASIL. Lei Nº 9.394/96. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996.

BRASIL. Lei Nº 13.278/16. Altera § 6º do art. 26 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que fixa as diretrizes e bases da educação nacional, referente ao ensino da arte. Brasília, 2016.

BRASIL. Lei Nº 13.415/17. Altera as Leis n º 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e 11.494, de 20 de junho 2007, que regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação, a Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, e o Decreto-Lei nº 236, de 28 de fevereiro de 1967; revoga a Lei nº 11.161, de 5 de agosto de 2005; e institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral. Brasília, 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Parecer Nº 540/77. Dispõe sobre o tratamento a ser dado aos componentes curriculares previstos no Art. 7º da Lei Nº 5.692/71. Rio de Janeiro, 1977.

BRASIL. Ministério da Educação. Parecer Nº: 22/05. Solicitação de retificação do termo que designa a área de conhecimento “Educação Artística” pela designação: “Arte”, com base na formação específica plena em uma das linguagens: Artes Visuais, Dança, Música e Teatro”. Brasília, 2005.

BRASIL. Projeto de lei Nº 7.032/10. Altera os §§ 2º e 6º do art. 26 da lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que fixa as diretrizes e bases da educação nacional, para instituir, como conteúdo obrigatório no ensino das Artes, a música, as artes plásticas e as artes cênicas. Brasília, 2010.

BRASIL. Resolução CNE/CES Nº 2/04. Aprova as diretrizes curriculares nacionais do curso de graduação em música e dá outras providências. Brasília, 2004 a.

BRASIL. Resolução CNE/CES Nº 3/04. Aprova as diretrizes curriculares nacionais do curso de graduação em dança e dá outras providências. Brasília, 2004 b.

BRASIL. Resolução CNE/CES Nº 4/04. Aprova as diretrizes curriculares nacionais do curso de graduação em teatro e dá outras providências. Brasília, 2004 c.

BRASIL. Resolução CNE/CES Nº 1/09. Aprova as diretrizes curriculares nacionais do curso de graduação em artes visuais e dá outras providências. Brasília, 2009.

CUNHA, Amanda Siqueira Torres. O livro didático de educação artística e a formação de professores da área no contexto da Lei Nº 5.692/71. In: ENCONTRO DA ANPAP – ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISADORES EM ARTES PLÁSTICAS: COMPARTILHAMENTOS NA ARTE: REDES E CONEXÕES, 24º, 2015, Santa Maria. Anais do 24º Encontro Nacional de Pesquisadores em Artes Plásticas. Santa Maria: ANPAP/PPGART/CAL/UFSM, 2015. pp. 2936-2950. Disponível em: <http://anpap.org.br/anais/2015/simposios/s6/amanda_siqueira_torres_cunha.pdf>. Acesso em: 08 jan. 2020.

FAEB – Federação dos Arte Educadores do Brasil. Sobre a FAEB. c2019. Disponível em: <http://www.faeb.com.br/sobre-a-faeb/>. Acesso em: 09 jan. 2020.

FAEB – Federação dos Arte Educadores do Brasil. Carta de São Paulo. 2012. Disponível em: < http://faeb.com.br/wp-content/uploads/2013/01/CARTA%20DE%20SAO%20PAULO%20(definitiva).pdf>. Acesso em: 10 jan. 2020.

SANTINI, Jacyara Batista. A Formação Superior em Educação Artística – Artes Plásticas na Faculdade de Educação Musical do Paraná (Década de 1970). In: REUNIÃO CIENTÍFICA REGIONAL DA ANPED SUL, 11º, 2016, Curitiba. Anais da XI Anped Sul. Curitiba: Setor de Educação da UFPR, 2016. pp. 1-15. Disponível em: <http://www.anpedsul2016.ufpr.br/portal/wp-content/uploads/2015/11/Eixo-1_JACYARA-BATISTA-SANTINI.pdf>. Acesso em: 03 out. 2021.

SILVA, Tharciana Goulart da; LAMPERT, Jociele. Reflexões sobre a abordagem triangular no ensino básico de artes visuais no contexto brasileiro. Revista Matéria-Prima. Vol. 5 (1). 2017. Disponível em: <https://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/28262/2/ULFBA_MatPrima_V5N1_p.88-95.pdf>. Acesso em: 09 jan. 2020.

Downloads

Publicado

07-05-2024

Como Citar

PEDRI, Lauze Maria Onofre. Novos desafios para a docência em arte e desdobramentos para microrregião de Joinville. Revista Educação, Artes e Inclusão, Florianópolis, v. 20, n. 1, p. e0056, 2024. DOI: 10.5965/198431782012024e0056. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/arteinclusao/article/view/17805. Acesso em: 18 jul. 2024.