Educação especial: desafios e possibilidades da articulação pedagógica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/19843178172021e0004

Resumo

Este artigo se insere no campo de estudos da educação, em específico, da educação especial com perspectiva inclusiva. Tem como objetivo analisar as possibilidades de articulação pedagógica entre o trabalho dos professores de educação especial e dos professores do ensino comum a partir da gestão escolar. Apresenta o desenvolvimento de uma pesquisa unindo as características de abordagens qualitativas e quantitativas. Como instrumento para produção dos dados, foram utilizados dois questionários com questões abertas e fechadas. Através da análise quantitativa, realizou-se a verificação quanto à concordância ou discordância das questões; e, para organização e interpretação das respostas descritivas dos participantes, fez-se uso da análise de conteúdo proposta por Bardin (2011). Além das políticas públicas, os principais autores que contribuíram para estruturação do referencial teórico e das análises foram Lück (2006); Libâneo (2007); Honnef (2013); Capellini (2004) e Zanata (2004). Destaca-se como resultado a importância de uma reconfiguração da gestão das escolas para construir espaços de colaboração e compartilhamento de práticas pedagógicas, uma vez que momentos para reuniões pedagógicas estão sendo cada vez mais escassos e não formativos.

Biografia do Autor

Maíra Da silva Xavier, Universidade Federal de Santa Maria

Mestre em Educação - UFSM

Especialista em Gestão Educacional - UFSM

Licenciada em Educação Especial - UFSM

Atuo na Rede Municipal de Educação de Porto Alegre/RS

Fabiane Romano de Souza Bridi, Universidade Federal de Santa Maria

Possui graduação em Educação Especial pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM/2000). Especialização em Educação Especial pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM/2001) e Especialização em Psicopedagogia - Abordagem Clínica e Institucional pelo Centro Universitário Franciscano (UNIFRA/2002). Concluiu o Mestrado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PPGEDU/UFRGS/2004) com o trabalho intitulado "O lugar das diferenças e as configurações dos espaços escolares". Integra como pesquisadora o Núcleo de Estudos em Políticas de Inclusão Escolar - NEPIE/UFRGS. Foi professora de Departamento de Educação da Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC) e coordenadora do Curso de Especialização em Psicopedagogia - Abordagens Clínica e Institucional da UNISC. Foi professora da Rede Municipal de Ensino de Santa Maria com atuação no atendimento educacional especializado com alunos em situação de inclusão. Concluiu o Doutorado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PPGEDU/UFRGS/2011) com a tese "Processos de identificação e diagnóstico: os alunos com deficiência mental no contexto do atendimento educacional especializado". Atualmente é Professora Adjunta do Departamento de Educação Especial, do Programa de Pós-Graduação em Educação e do Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas e Gestão Educacional da Universidade Federal de Santa Maria; coordena o Núcleo de Estudos e Pesquisa sobre Escolarização e Inclusão (NUEPEI) e atua nas áreas da educação, educação especial e psicopedagogia, com ênfase nos processos inclusivos.

Referências

BARDIN, Laurence. Análise do Conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BAUWENS, J.; HOURCADE, J. J. Cooperative teaching: rebuilding the schoolhouse for all students. Austin: Pro-Ed, 1995.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Presidência da República, 1988. Disponível em:

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 05 mar. 2021.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF: Presidência da República, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 05 mar. 2021.

BRASIL. Resolução n. 2, de 11 de setembro de 2001. Institui Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Brasília, DF: Ministério da Educação, 2001. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/resolucao2.pdf. Acesso em: 05 mar. 2021.

BRASIL. Resolução CNE/CEB n. 2, de 11 de fevereiro de 2001. Institui Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Brasília, DF: Conselho Nacional de Educação: Câmara de Educação Básica, 2001. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/res2_b.pdf. Acesso em: 05 mar. 2021.

BRASIL. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva de Educação Inclusiva. Brasília, DF: Ministério da Educação: Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão, 2008. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/politicaeducespecial.pdf. Acesso em: 05 mar. 2021.

BRASIL. Resolução n. 4, de 2 de outubro de 2009. Institui as Diretrizes Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica, modalidade Educação Especial. Brasília, DF: Ministério da Educação: Conselho Nacional de Educação: Câmara de Educação Básica, 2009. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/rceb004_09.pdf. Acesso em: 05 mar. 2021.

CAPELLINI, Vera. Lúcia. Messias Fialho. Avaliação das possibilidades do ensino colaborativo no processo de inclusão escolar do aluno com deficiência mental, 2004. Tese (Doutorado em Educação Especial) - Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2004.

COOK, L.; FRIEND, M. Co-teaching: Guidelines for creating effective practices. Focus on Exceptional Children, n. 3, v. 28, p. 1-16, 1995. Disponível em: https://journals.ku.edu/focusXchild/article/view/6852. Acesso em: 05 mar. 2021.

DUCHARDT, B.; MARLOW, L.; INMAN, D.; CHRISTENSEN, P.; REEVES, P. Collaboration and co-teaching: General and special education faculty. The Clearing House: A Journal of Educational Strategies, Issues and Ideas, v. 72, ed. 3, p. 186-190,1999. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/00098659909599625. Acesso em: 05 mar. 2021.

FRANCO, Maria Amélia do Rosário Santoro. Coordenação pedagógica: uma práxis em busca de sua identidade. Revista Múltiplas Leituras, São Bernardo do Campo, v. 1, n. 135, p. 117-131, jan./jun. 2008. Disponível em: https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/ML/article/viewFile/1176/1187. Acesso em: 05 mar. 2021.

HENZ, Celso Ilgo. Na Escola Também se Aprende a Ser Gente. In: HENZ, C. I.; ROSSATO R. (org.). Educação Humanizadora Na Sociedade Globalizada. Biblios: Santa Maria, 2007.

HONNEF, Cláucia. Trabalho docente articulado: a relação entre a educação especial e o ensino médio e tecnológico. 2013. Dissertação (Mestrado em Educação) –Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2013.

LIB NEO, José Carlos. Educação Escolar: políticas, estrutura e organização. 5. Ed. Cortez: São Paulo, 2007.

LÜCK, Heloísa. Concepções e processos democráticos de gestão educacional. Petrópolis: Vozes, 2006a.

LÜCK, Heloísa. A gestão participativa na escola. Petrópolis: Vozes, 2006b.

MINAYO, Maria Cecília. SANCHES, Odécio. Quantitativo-Qualitativo: Oposição ou Complementaridade? Cadernos de Saúde Pública, v.9, n.3, p. 239-262, 1993.

MIRANDA, Silvana Maria de; PIRES, Maria Marlene de Souza; NASSAR, Silvia Modesto; SILVA, Carlos Alberto Justos da. Construção de uma Escala para Avaliar Atitudes de Estudantes de Medicina. Revista Brasileira de Educação Médica, [s. l.], v. 33, p. 104-110, 2009. Supl. 1. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbem/v33s1/a11v33s1.pdf. Acesso em: 05 mar. 2021.

UNESCO, Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. Declaração de Salamanca e linha de ação sobre necessidades educativas especiais. Brasília: CORDE, 1994.

ZANATA, Eliana Marques. Práticas pedagógicas inclusivas para alunos surdos numa perspectiva colaborativa. 2004. Tese (Doutorado em Educação Especial) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2004.

ZITKOSKI, Jaime José. O Diálogo em Freire: Caminho para uma educação humanizadora. In: HENZ, C. I.; ROSSATO R. (org.). Educação Humanizadora Na Sociedade Globalizada. Biblios: Santa Maria, 2007.

Downloads

Publicado

2021-06-17