LIBRAS: uma reflexão a respeito do histórico de uso do termo

Autores

  • Ronny Diogenes Menezes Professor De Libras do Departamento de educação do Ceres da Universidade Federal do Rio grande do Norte.

Palavras-chave:

Língua de sinais. Surdez. Libras.

Resumo

Durante alguns anos vários autores utilizaram o termo Língua de Sinais Brasileira, enquanto outros utilizaram Língua Brasileira de Sinais. Com o passar do tempo, alguns modificaram sua opinião sobre esse termo, contudo ainda se percebe uma oscilação dessas nomenclaturas mencionados. A partir desse problema, este artigo pretende discutir o histórico do uso do termo Libras por pesquisadores que são considerados referência nacional nos estudos surdos, e analisar qual o termo que o texto da lei utiliza. Ao todo foram escolhidos quatro pesquisadores, sendo eles: Quadros, Capovilla, Perlin e Stumpf. Desse modo, selecionamos através de seus currículos lattes algumas obras entre 1990 e 2010. Realizamos nelas uma leitura scanning, procurando identificar quais termos eram utilizados, separando essa informação por ano. Por conseguinte, concluímos que todos os autores modificaram a sua opinião sobre o uso do termo, entretanto somente um deles defendeu o seu ponto de vista. Assim, através de nossa análise, percebemos que o termo Língua de Sinais Brasileira, Libras, é o mais adequado para se referir à língua utilizada pelas comunidades surdas de nosso país.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ronny Diogenes Menezes, Professor De Libras do Departamento de educação do Ceres da Universidade Federal do Rio grande do Norte.

Professor de Libras do departamento de educação do Ceres - UFRN, mestre em formação de professores pela UEPB e especialista em Libras.

Referências

BRASIL. Lei 7.853. 1989. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l7853.htm>. Acesso em: 25 nov. 2017.

BRASIL. Lei 13.146. 2015. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/Lei/L13146.htm>. Acesso em: 25 nov. 2017.

BRASIL. Lei 10.436. 2002. Disponível em:<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm>. Acesso em: 17 mai. 2018.

BRASIL. Decreto 5.626. 2005. Disponível em:<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm>. Acesso em: 17 mai. 2018.

COLÔMBIA. Lei 324. 1996. Disponível em:<https://www.mintic.gov.co/portal/604/articles-

_documento.pdf>. Acesso em: 17 mai. 2018.

COLÔMBIA. Lei 324. 1996. Disponível em:<https://www.mintic.gov.co/portal/604/articles-3671_documento.pdf>. Acesso em: 17 mai. 2018.

COLÔMBIA. Diccionario Básico De La Lengua De Señas Colombiana. Imprensa Nacional – Bogotá, D. C. 2006. Disponível em: < https://goo.gl/rjdgcm> Acesso em 01 de nov. 2017

CAPOVILLA, F. C.; MACEDO, E.C.; DUDUCHI, M.; RAPHAEL, W.D.; CHARIN, S.; Leão, M. R. Signofone: Sistema de multimidia baseado na Língua Brasileira de Sinais para comunicação por surdos com distúrbios motores face a face e em rede. Ciência Cognitiva, São Paulo, v. 2, n.3, p. 161-208, 1998

CAPOVILLA, F. C.; RAPHAEL, W. D. Dicionário enciclopédico ilustrado trilíngüe da Língua de Sinais Brasileira. 2 ed. São Paulo, Edusp. p. 1479 – 1487. Vol. 1. 2001.

CAPOVILLA, F. C.; RAPHAEL, W. D. Dicionário enciclopédico ilustrado trilíngüe da Língua de Sinais Brasileira. Volume II: Sinais de M a Z (3a. edição, Vol. 2, pp. 1345-1430). São Paulo, SP: Edusp, MEC-FNDE, 2006.

CAPOVILLA, F. C.; RAPHAEL, W. D MAURICIO, A. C. Novo Dicionário enciclopédico ilustrado trilíngüe da Língua de Sinais Brasileira. São Paulo, SP: Edusp, MEC-FNDE, 2013.

CAPOVILLA, F. C.; RAPHAEL, W.D.; TEMOTEO, J.G.; MARTINS, A. C. Dicionário da Língua de Sinais do Brasil: A Libras em Suas Mãos. Volume 1: Sinais de A a D. 1. ed. São Paulo, SP: Edusp, 2017. v. 1. 1130p.

DINIZ, D. O que é deficiência. São Paulo: Brasiliense, 2007.

FRANÇA. Lei 2005-102. 2005. Disponível em:<https://www.legifrance.gouv.fr/affichTexte.do?cidTexte=JORFTEXT000000809647>. Acesso em: 17 mai. 2018.

LEFFA, V. Estudo de caso como metodologia representativa. In: LEFFA, V. Pesquisa em Linguística aplicada: Temas e métodos. Pelotas, EDUCAT: 2006.

SASSAKI, R. K. Terminologia sobre deficiência na era da inclusão. In: Revista Nacional de Reabilitação, São Paulo, ano V, n. 24, jan./fev. 2002, p. 6-9. Disponível em: < https://acessibilidade.ufg.br/up/211/o/TERMINOLOGIA_SOBRE_DEFICIENCIA_NA_ERA_DA.pdf?1473203540 > Acesso em: 12 de nov. 2017

LIMA, M. S. C. Surdez, Bilingüismo e Inclusão: entre o dito, o pretendido e o feito. 2004 269 f. Tese de Doutorado em Linguística Aplicada: Universidade Estadual de Campinas, 2004.

MEREDITH, E. The History of Deaf Literature. 2014. Disponível em: <https://prezi.com/b_jkp_1qskgt/the-history-of-deaf-literature/>. Acesso em: 17 mai. 2018.

CAPES. Observatório do PNE. 2013 Disponível em: <http://www.observatoriodopne.org.br/metas-pne/4-educacao-especial-inclusiva/indicadores>. Acesso em: 26 nov. 2017.

PERLIN, G. Identidades Surdas. In: SKYLAR, C. (org.). A Surdez: um olhar sobre as diferenças. Porto Alegre: Mediação, 2011.

PERLIN, G. O ser e o estar sendo surdos: Alteridade diferença e identidade. 2003. 156 f. Tese de Doutorado em Educação: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2003.

PERLIN, G. Histórias de vida surda: Identidades em questão. 1998. 51 f. Dissertação de Mestrado em Educação: Universidade Federal do Rio grande do Sul, Porto Alegre, 1998.

PORTO, S. & PEIXOTO, J. Literatura Visual. UFPB. Licenciatura em Letras-Libras na Modalidade a distância. João Pessoa, 2012. Disponível em: <http://biblioteca.virtual.ufpb.br/

publicacoes/view/110>. Acesso em: 17 mai. 2018.

QUADROS, Ronice Muller de (Org.); STUMPF, M. (Org.); LEITE, Tarcísio Arantes (Org.). Estudos da Língua Brasileira de Sinais II. 1. ed. FLORIANOPOLIS: Editora Insular, 2014. v. 1. 244p.

RAMOS, R. C. Histórico da FENEIS até o ano de 1988. Petrópolis – RJ. Editora Arara Azul, 2004. Disponível em: < http://www.editora-arara-azul.com.br/pdf/artigo6.pdf www.editora-arara-azul.com.br/pdf/artigo6.pdf>. Acesso em: 02 fev. 2016.

QUADROS, R. M. Língua de herança: Língua Brasileira de Sinais. Porto Alegre: Penso, 2017.

QUADROS, R. M. A estrutura frasal da Língua de Sinais Brasileira. In: Encontro da Associação Brasileira de Lingüística, 1999, Florianópolis. ABRALIN - Caderno de resumos. Florianópolis: UFSC, 1999. p. 91-92.

QUADROS, R. M. O tradutor e intérprete de Língua Brasileira de Sinais e língua portuguesa. 2. ed. Brasília: MEC - Programa Nacional de Apoio à Educação de Surdos, 2004. v. 1. 94p.

QUADROS, R. M.; CRUZ, C. R. Língua de sinais: instrumentos de avaliação. Porto Alegre: Artmed, 2011. 160p.

QUADROS, R. M.; KARNOP, L. B. Língua de Sinais Brasileira: estudos linguísticos. Porto Alegre: Artmed, 2004. 222p.

QUADROS, R. M. Educação de surdos: a aquisição da linguagem. Porto Alegre: Artmed, 1997. 128p.

QUADROS, R. M.; SUTTON-SPENCE, R. Poesia em língua de sinais: traços da identidade surda. In: Quadros, R. M. (org.) Estudos surdos I. Petrópolis, RJ: Arara Azul, 2006.

QUADROS, R. M.; PERLIN, G. Estudos surdos II. Petrópolis, RJ: Arara Azul, 2007.

QUADROS, R. M. Estudos surdos III. Petrópolis, RJ: Arara Azul, 2008.

QUADROS, R. M.; STUMPF, M. R. Estudos surdos IV. Petrópolis, RJ: Arara Azul, 2009.

STROBEL, K. História da educação de surdos. UFSC. Licenciatura em Letras-Libras na Modalidade a distância. Florianópolis 2009. |Disponível em: <http://www.libras.ufsc.br/colecaoLetrasLibras/eixoFormacaoEspecifica/historiaDaEducacaoDeSurdos/assets/258/TextoBase_HistoriaEducacaoSurdos.pdf >. Acesso em: 11 nov. 2017.

SKLIAR, C. Estudos Surdos em Educação: problematizando a normalidade. In: SKYLAR, C. (org.). A Surdez: um olhar sobre as diferenças. Porto Alegre: Mediação, 2011.

SACKS, O. W. Vendo vozes. Uma viagem ao mundo dos surdos. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

STUMPF, M.R. Transcrições de Língua de Sinais Brasileira em signwriting.

In: LODI, A.C.B, HARRISON, K.M.P., CAMPOS, S.R.L & TESKE, O.

(Org.) Letramento e minorias. Porto Alegre: Mediação, 2002.

SOUZA, N. A. The book is not on the table: o desenvolvimento da escrita de surdos em língua Inglesa. In: QUADROS, R. M.; STUMPF, M. R. (Orgs.) Estudos surdos IV. Petrópolis, RJ: Arara Azul, 2009.

STUMPF, M. R. O primeiro curso de graduação em letras língua brasileira de sinais: educação a distância. ETD. Educação Temática Digital (Online), v. 10, p. 169-185, 2009a.

STUMPF, M. R. A história da Língua de Sinais Brasileira: um estudo descritivo de mudanças fonológicas e lexicais. In: 8 Semana de Ensino, Pesquisa e Extensão, 2009, Florianópolis. Anais - SepeX (Cd-Rom). Florianopolis: UFSC, 2009b.

STROBEL, K. Surdos: vestígios culturais não registrados na história. 2008. 176 f. Tese (Doutorado em educação). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2008.

SIGNES & FORMATIONS. Histoire de la langue des signes. 2017. Disponível em: < https://www.signesetformations.com/cours-langue-des-signes/histoire-de-la-langue-des-signes/ > Acesso em: 11 de Nov. 2017.

TEYSSIER, P. História da Língua Portuguesa. São Paulo: Martins Editora, 4ª Ed. 2014.

VIEIRA-ABRAHÃO, M. H. A Formação do Professor de Línguas

de uma Perspectiva Sociocultural. Signum. Estudos da Linguagem, v. 15, p. 457-480, 2012.

VILHALVA, S. Índios Surdos: Mapeamento das línguas de sinais do Mato grosso do Sul. Petrópolis, RJ: Arara Azul, 2012.

Downloads

Publicado

2019-04-01

Como Citar

MENEZES, R. D. LIBRAS: uma reflexão a respeito do histórico de uso do termo. Revista Educação, Artes e Inclusão, Florianópolis, v. 15, n. 2, p. 125-144, 2019. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/arteinclusao/article/view/11525. Acesso em: 2 dez. 2022.