Doses intermediárias de Osmocote® aumentam a performance inicial de mudas de araçá

Autores

  • Bruno Nascimento Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), Centro de Ciências Agroveterinárias (CAV)
  • Aline Meneguzzi Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), Centro de Ciências Agroveterinárias (CAV)
  • Dionéia Felippe Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), Centro de Ciências Agroveterinárias (CAV)
  • Alexandra Cristina Schatz Sá Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), Centro de Ciências Agroveterinárias (CAV)
  • Mariane de Oliveira Pereira Universidade Federal do Paraná (UFPR)
  • Marcio Carlos Navroski Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), Centro de Ciências Agroveterinárias (CAV), departamento de Engenharia Florestal

DOI:

https://doi.org/10.5965/2238117118e2019013

Palavras-chave:

incremento de mudas, índice de clorofila, sombra, estufa

Resumo

O araçá (Psidium cattleianum Sabine) é uma espécie frutífera nativa que possui importância econômica na indústria alimentícia e farmacêutica. Diante disto, há necessidade de produzir mudas de qualidade capazes de atender às demandas de mercado. Este trabalho teve como objetivo avaliar a influência do ambiente de crescimento e o uso do adubo de lenta liberação Osmocote® no desenvolvimento de mudas de araçá. Sementes de araçá foram coletadas em março de 2015 e germinadas. Depois de cerca de 90 dias, as mudas foram dispostas segundo os tratamentos que receberam. Os tratamentos consistiram em cinco doses de adubo (0; 3,0; 6,0; 9,0 e 12,0 g L-1) combinados com dois ambientes de viveiro (casa de vegetação e sombrite 50%) em esquema fatorial 5 x 2. Aos 210 dias avaliou-se altura de mudas (cm), diâmetro de colo (mm); peso seco de parte aérea e raiz (g) e índice de clorofila (SPAD). Houve interação dos fatores para a maioria das variáveis, com exceção do índice de clorofila. A dose intermediária do adubo implicou na melhor performance de crescimento de mudas em quase todas as ocasiões, assim como o ambiente sombreado. Para mudas de araçá, recomenda-se o uso de 6 mg L-1 de adubo e o uso de telado de sombrite para seu crescimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruno Nascimento, Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), Centro de Ciências Agroveterinárias (CAV)

Doutorando em Produção Vegetal

Aline Meneguzzi, Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), Centro de Ciências Agroveterinárias (CAV)

Mestre em Engenharia Florestal

Dionéia Felippe, Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), Centro de Ciências Agroveterinárias (CAV)

Mestre em Engenharia Florestal

Alexandra Cristina Schatz Sá, Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), Centro de Ciências Agroveterinárias (CAV)

Mestranda em Engenharia Florestal

Mariane de Oliveira Pereira, Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Doutora em Engenharia Florestal

Marcio Carlos Navroski, Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), Centro de Ciências Agroveterinárias (CAV), departamento de Engenharia Florestal

Professor Doutor da Universidade do Estado de Santa Catarina

Referências

ALMEIDA LS et al. 2005. Crescimento de mudas de Jacaranda puberula Cham. em viveiro submetidas a diferentes níveis de luminosidade. Revista Ciência Florestal 15: 323-329.

CORRÊA MCM et al. 2003. Resposta de mudas de goiabeira a doses e modos de aplicação de fertilizando fosfatado. Revista Brasileiras de Fruticultura 25: 164-169.

DANIEL O et al. 1997. Aplicação de fósforo em mudas de Acacia mangium Willd. Revista Árvore 21: 163-168.

ELLI EF et al. 2013. Osmocote® no desenvolvimento e comportamento fisiológico de mudas de pitangueira. Revista Comunicata Scientiae 4: 377-384.

FERREIRA DF. 2011. Sisvar: a computer statistical analysis system. Ciência e Agrotecnologia 35: 1039-1042.

INMET. 2018. Instituto Nacional de Meteorologia. Disponível em: http://www.inmet.gov.br/portal/. Acesso em: 20 de fev. 2018.

MARSCHNER H et al. 1996. Effect of mineral nutritional status on shoot-root partioniting of photoassimilates and cycling of mineral nutrients. Journal of Experimental Botany 47: 1255-1263.

MENDONÇA V et al. 2008. Diferentes ambientes e Osmocote® na produção de mudas de tamarindeiro (Tamarindus indica). Ciência e Agrotecnologia 32: 391-397.

MENDONÇA V et al. 2004. Osmocote® e substratos alternativos na produção de mudas de maracujazeiro-amarelo. Ciência e Agrotecnologia 28: 799-806.

MENEGASSI AD et al. 2012. Produção de mudas de Eucalipto sob diferentes fontes de adubação. In: 4º Congresso Florestal Paranaense. Anais... Curitiba: UFPR.

MORAES NETO SPM et al. 2003. Fertilização de mudas de espécies arbóreas nativas e exóticas. Revista Árvore 27: 129-137.

NACHTIGAL JC. 1994. Propagação de araçazeiro (Psidium cattleyanum Sabine) através de estacas semilenhosas. Dissertação (Mestrado em Agronomia). Pelotas: UFP. 73p.

PIAS OHC et al. 2013. Doses de fertilizante de liberação controlada no índice de clorofila e na produção de mudas de grápia. Pesquisa Florestal Brasileira 33: 19-26.

SILVA RP da et al. 2001. Influência de diversos substratos no desenvolvimento de mudas de maracujazeiro azedo (Passiflora edulis Sims f. flavicarpa DEG). Revista Brasileira de Fruticultura 23: 377-381.

SOUZA GS et al. 2008. Determinação de clorofila em folhas de sombra e sol em plantas de jamelão. XII Encontro Latino-Americano de Iniciação Científica; VIII Encontro de Pós-Graduação e II Encontro de Iniciação Científica Júnior. Urbanova: Unipav. 4p.

STANCHEVA I & DIVEV N. 1995. Response of wheat and maize to different nitrogen sources: II. Nitrate reductase and glutamine synthetase enzyme activities, and plastid pigment content. Journal of Plant Nutrition 18: 1281-1290.

Downloads

Publicado

2020-07-28

Como Citar

NASCIMENTO, Bruno; MENEGUZZI, Aline; FELIPPE, Dionéia; SÁ, Alexandra Cristina Schatz; PEREIRA, Mariane de Oliveira; NAVROSKI, Marcio Carlos. Doses intermediárias de Osmocote® aumentam a performance inicial de mudas de araçá. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 18, n. 5, p. 13–19, 2020. DOI: 10.5965/2238117118e2019013. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/10778. Acesso em: 1 out. 2023.

Edição

Seção

XII Simpósio Florestal Catarinense

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)