Ágar e carvão ativado influenciam no desenvolvimento in vitro da parte aérea e radicular de sequoia

Autores

  • Aline Meneguzzi Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC/CAV
  • Samila Silva Camargo Universidade do Estado de Santa Catarina, Lages, SC. Brasil.
  • Marcio Carlos Navroski Universidade do Estado de Santa Catarina, Lages, SC. Brasil.
  • Mariane de Oliveira Pereira Universidade do Estado de Santa Catarina, Lages, SC. Brasil.
  • Patricia Fukushima Souza Universidade do Estado de Santa Catarina, Lages, SC. Brasil.
  • Leo Rufato Universidade do Estado de Santa Catarina, Lages, SC. Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.5965/2238117118e2019020

Palavras-chave:

Sequoia sempervirens (Lamb), espécie lenhosa, micropropagação, enraizamento in vitro

Resumo

Plantios experimentais com Sequoia sempervirens (Lamb), espécie conhecida mundialmente pelo grande porte, longevidade e qualidade madeireira, estão iniciando no Brasil, tornando necessário a disponibilidade de mudas de qualidade. Assim, a técnica de cultura de tecidos, via micropropagação, se torna uma grande aliada pela garantia de superioridade genética, produção em grande escala e tempo reduzido de propagação. Atualmente há inúmeros protocolos para diversas espécies, porém, é necessário verificar todos os agentes influentes no sucesso do desenvolvimento in vitro. O objetivo deste trabalho foi determinar a influência do carvão ativado e de concentrações de ágar no desenvolvimento in vitro aéreo e de raízes de S. sempervirens. Os tratamentos realizados envolveram a presença/ausência do carvão ativado (1 g L-1), combinados com concentrações de ágar (4, 5 e 6 g L-1) em meio MS 50%. Para o número e comprimento de brotos e de raízes, apenas o carvão ativado foi significativo, sendo que a presença beneficiou o desenvolvimento dos explantes. Para porcentagem de calo, houve interação dos fatores, sendo que maiores concentrações de ágar (5 e 6 g L-1) na presença do carvão foram prejudiciais, pois apresentaram maior calosidade, o que minimiza as taxas de enraizamento. Indica-se a adição de carvão ativado (1 g L-1) e de menor concentração de ágar (4 g L-1) em meio de cultura MS 50% para um melhor desenvolvimento in vitro de sequoia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aline Meneguzzi, Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC/CAV

Engenheira Florestal formada pelo Centro de Ciências Agrárias (CAV) da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC) em 2013. Atualmente está cursando o Mestrado do Programa de Pós Graduação em Engenharia Florestal. Atuou como bolsista de Iniciação Cientifica no Laboratório de Micropropagação de Plantas da UDESC e realizou estágio curricular obrigatório no Laboratório de Biologia Celular de Plantas (BIOCEL) do Departamento de Botânica do IB-USP. Tem experiência na área de Silvicultura e Biotecnologia Vegetal com ênfase em Cultura de Tecidos e Produção de mudas em viveiros.

Referências

BOE KN. 1974. Sequoia sempervirens (D. Don) Endl. In: SCHOPMEYER CS. (Ed.). Seeds of woody plants in the United States. Agriculture Handbook 450. Washington: USDA Forest Service. p.764-766.

COSTA FHS et al. 2006. Efeito da interação entre carvão ativado e N6 - benzilaminopurina na propagação in vitro de bananeira, CV. Grande Naine (AAA). Revista Brasileira de Fruticultura 28: 280-283.

FERREIRA DF. 2011. Sisvar: A computer statistical analysis system. Ciência e Agrotecnologia 35: 1039-1042.

GRATTAPAGLIA MA. 1998. Micropropagação. In: TORRES AC et al. (Eds.). Cultura de tecidos e transformação genética de plantas. Brasília: Embrapa. p.183-260.

GUSON RR et al. 2012. Influência de diferentes concentrações de carvão ativado no crescimento e enraizamento in vitro de Cattleya pumila Hook. Revista em Agronegócios e Meio Ambiente 5: 551-563.

HARTMANN HT et al. 2002. Plant propagation: principles and practices. 7.ed. New Jersey: Prentice Hall. 880p.

KERBAUY GB. 2004. Fisiologia vegetal. Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan. 452p.

LEITZKE LN et al. 2009. Multiplicação e enraizamento in vitro de amoreira-preta ‘xavante’: efeito da concentração de sais, do tipo de explante e de carvão ativado no meio de cultura. Ciência e Agrotecnologia 33: 1959-1966.

LIU C et al. 2006. Shoot regeneration and somatic embryogenesis from needles of redwood (Sequoia sempervirens (D.Don.) Endl.). Plant Cell Reports 25: 621-628.

MULLER TS et al. 2007. Crescimento in vitro e aclimatação de plântulas de Miltonia flavences. Revista Brasileira de Biociências 5: 252-254.

MURASHIGE T & SKOOG F. 1962. A revised medium for rapid growth and bioassay with tobacco tissue cultures. Physiology Plant 15: 473-497.

NAVROSKI MC et al. 2015. Resgate e propagação vegetativa de Sequoia sempervirens. Revista Floresta 45: 383-392.

NEPOMUCENO FC et al. 2009. Respostas morfofisiológicas in vitro de plântulas de Anadenanthera colubrina (Vell.) Brenan var. cebil (Griseb) Altschul. Revista Árvore 33: 481-490.

OLIVEIRA LS et al. 2013. Micropropagação de espécies florestais brasileiras. Pesquisa Florestal Brasileira 33: 439-453.

OLSON DF et al. 1990. Sequoia sempervirens (D. Don) Endl. redwoods. In: BURNS R et al. (Eds.). Silvics of North America. Washington: USDA. p. 541-551.

PAN MJ & STADEN JV. 1998. The use of charcoal in in vitro culture – a review. Plant Growth Regulation 26: 155-163.

TIBOLA CT et al. 2004. Diferentes meios de cultivo no enraizamento in vitro de de Prunus sp. Revista Brasileira de Agrociência 10: 191-195.

SARTOR RF et al. 2013. Diferentes meios de cultura e antioxidantes no estabelecimento in vitro do Jacarandá da Bahia. Bioscience Journal 29: 408-411.

SOUZA AV & PEREIRA AMS. 2007. Enraizamento de plantas cultivadas in vitro. Revista Brasileira de Plantas Medicinais 9: 103-117.

VILLA F et al. 2007. Influência do carvão ativado e BAP na multiplicação in vitro de duas frutíferas de clima temperado. Revista Ceres 54: 118-124.

Downloads

Publicado

2020-07-28

Como Citar

MENEGUZZI, Aline; CAMARGO, Samila Silva; NAVROSKI, Marcio Carlos; PEREIRA, Mariane de Oliveira; SOUZA, Patricia Fukushima; RUFATO, Leo. Ágar e carvão ativado influenciam no desenvolvimento in vitro da parte aérea e radicular de sequoia. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 18, n. 5, p. 20–24, 2020. DOI: 10.5965/2238117118e2019020. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/10791. Acesso em: 24 abr. 2024.

Edição

Seção

XII Simpósio Florestal Catarinense

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 > >>