O agir simbólico corpo-vocal na composição poética cênica

Juliano Casimiro de Camargo Sampaio, Heitor Martins Oliveira

Resumo


O artigo apresenta uma discussão do processo de criação do espetáculo teatral “Ninguém matou Suhura”, inspirado na obra literária homônima da escritora moçambicana Lilia Momplè. As reflexões teóricas sobre este processo foram balizadas nos trabalhos de Boesch (1991); Laban (1978); Merleau-Ponty (2011; 2012; 2013) e Tragtemberg (1999). Esta pesquisa teórico-empírica levou-nos a compreender a composição poética (corpo-sonora) cênica como um processo colaborativo que opera o campo estético a partir de qualidades de movimentos corporais e vocais e elabora nexos teatrais fundados em texturas imagético-sonoras polifônicas. As experimentações que resultaram desse processo fazem emergir processos de construção pessoal de conhecimento, que potencializam novas dinâmicas de criação pessoal e coletiva.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5965/1414573101222014063



Direitos autorais



 

    

 

Indexadores

 

       


Urdimento – Revista de Estudos em Artes Cênicas - Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC) - Centro de Artes (CEART) - Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas - (PPGT) – E-ISSN: 2358.6958 - Endereço: Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC, Centro de Artes - Av. Madre Benvenuta, 2007, Itacorubi. Florianópolis. SC, Brasil. CEP: 88.035-001 – E-mail: urdimento.ceart@udesc.br

Licença Creative Commons

  Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.