A linguagem teatral na alfabetização e letramento de jovens e adultos com necessidades educacionais especiais: uma experiência téorico-prática de formação docente

Carlos Soares Barbosa

Resumo


Este trabalho tem por objetivo analisar as experiências e aprendizados construídos a partir do projeto de alfabetização e letramento com uso da linguagem teatral, elaborado e executado por seis estudantes do curso de Licenciatura em Pedagogia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), bolsistas do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID). O projeto foi desenvolvido com estudantes com necessidades educacionais especiais de duas turmas dos anos iniciais do Ensino Fundamental da Educação de Jovens e Adultos do município do Rio de Janeiro. Trata-se de resultado da pesquisa baseada na metodologia da pesquisa-ação, com base na observação da atuação das bolsistas na escola e análise de seus relatórios, apoiando-se teoricamente em autores dos campos da Educação de Jovens e Adultos (EJA) e da Educação Especial. Os resultados apontam que o teatro pode ser um importante aliado para diminuir as dificuldades de aprendizagem de estudantes com necessidades educacionais especiais, contribuindo para a permanência deles na escola ao promover a elevação da autoestima e maior domínio da leitura e da escrita. Apontam a necessidade de a formação docente dar maior atenção à diversidade e de se pautar na perspectiva da inclusão.


Palavras-chave


Educação de jovens e adultos; Necessidades educacionais especiais; Formação docente;

Texto completo:

PDF

Referências


BARBOSA, C. S. Limites e possibilidades da contribuição do PIBID para a formação inicial e continuada de professores da Educação de Jovens e Adultos. Revista Educere et Educare, vol. 2, n. 22, jul.-dez. 2016.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988.

______. Congresso Nacional. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional - LDB. Lei n.9394 de 20 de Dezembro de 1996. Brasília, DF: Congresso Nacional, 1996.

______. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CEB n. 11/2000. Dispõe sobre as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação de Jovens e Adultos. Brasília, DF: CNE/CEB, 2000.

______. Conselho Nacional de Educação, Câmara de Educação Básica. Resolução CNE/CEB n. 2/2001, de 11 de setembro de 2001. Institui as Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Brasília, MEC, 2001.

______. Conselho Nacional de Educação, Conselho Pleno. Resolução CNE/CP n.1/2002, de 18 de fevereiro de 2002. Instituiu as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica em Nível Superior, Curso de Licenciatura, de Graduação Plena. Brasília, MEC, 2002.

______. Secretaria de Educação Especial. A inclusão escolar de alunos com necessidades educacionais especiais: deficiência física. Ministério da Educação. Brasília, DF, 2006.

______. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Secretaria de Educação Especial/MEC. Brasília, jan. 2008.

______. Decreto 7.219, de 24 de junho de 2010. Dispõe sobre o Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência - PIBID e dá outras providências.

______. Conselho Nacional de Educação, Câmara de Educação Básica. Resolução CNE/CEB n.02, de 1 de julho de 2015. Brasília, MEC, 2015. Disponível em http://portal.mec.gov.br/docman/agosto-2017-pdf/70431-res-cne-cp-002-03072015-pdf/file. Acesso em: 10 jun. 2018.

CABRAL, B. A. V. Mediação em teatro: o professor como artista e pedagogo. In: CONTIEIRO, L.; SANTOS, F. F. dos; FERNENDES, M V. de S. Pedagogia do teatro [recurso eletrônico]: prática, teoria e trajetórias de formação docente. Natal, RN: EDUFRN, 2018.

CONCÍLIO, V. O modelo de ação e a criação de BadenBaden. In: CONTIEIRO, L.; SANTOS, F. F. dos; FERNENDES, M V. de S. Pedagogia do teatro [recurso eletrônico]: prática, teoria e trajetórias de formação docente. Natal, RN: EDUFRN, 2018.

DESGRANGES, F. A pedagogia do espectador. São Paulo: Hucitec, 2003.

DI PIERRO, M. C., VÓVIO, C. L.; ANDRADE, E. R. Alfabetização de jovens e adultos no Brasil: lições da prática. Brasília: UNESCO, 2008.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à pratica educativa. 31 ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GALVÃO, A. M. de O.; DI PIERRO, M. C. Preconceito contra o analfabeto. São Paulo: Cortez, 2007.

GENTILI, P. O Direito à Educação e as Dinâmicas de Exclusão na América Latina. Educação e Sociedade, Campinas, vol. 30, n. 109, p. 1059-1079, set.-dez. 2009.

GLAT, R.; PLETSCH, M. D. Inclusão escolar de alunos com necessidades educacionais especiais. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2011.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios, PNAD. Brasília, 2018.

KLEIMAN, A. B. (Org.) Os significados do letramento. Campinas: Mundo das Letras, 1995.

LOPES, S. A. Considerações sobre a terminologia Alunos com Necessidades Educacionais Especiais. Revista Educação Especial, v. 27, n. 50, p. 737-750, set.-dez. 2014.

MAGALHÃES, R. de C. B. (Org.). Reflexões sobre a diferença: uma introdução à educação especial. Fortaleza: Demócrito Rocha, 2003.

MELETTI, S. M. F.; BUENO, J. G. S. O impacto de políticas públicas de escolarização de alunos com deficiência: uma análise dos indicadores sociais no Brasil. Linhas Críticas, Brasília, DF, v. 17, n. 33, p. 367-383, mai.-ago. 2011.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Relatório Mundial sobre a Deficiência/World Health Organization, The World Bank; tradução Lexicus Serviços Lingüísticos. São Paulo: SEDPcD, 2012.

PAIVA, J. Tramando concepções e sentidos para redizer o direito à educação de jovens e adultos. Revista Brasileira de Educação, v. 11 n. 33, p. 519-566, set.-dez. 2006.

PALAVIZINI, R. S. Uma abordagem transdisciplinar à pesquisa-ação. Terceiro incluído. Nupeat-Isea-UFG, v.2, n.1, p.67-85, jun.-jul. 2012.

PIMENTA, S. G. O estágio na formação de professores: unidade teoria e prática? 3. ed. São Paulo: Cortez, 1997.

SASSAKI, R. K. Inclusão, o paradigma da próxima década. Mensagem, Brasília, v. 34, n. 83, p. 29, 1998.

SAVIANI, D. O ensino de resultados. Folha de São Paulo, São Paulo, 29 abril, 2007, p.3.

SOARES, A. Alunos PNEEs na EJA: sujeitos de direitos e complexidade. In: COSTA, R. P.; VIANNA, V. M. Entrelaçando olhares por uma educação planetária. 1 ed. Rio de Janeiro: Caetés, 2014.

SOARES, M. Letramento: um tema em três gêneros. São Paulo: Autêntica, 1999.

THE WARNOCK REPORT. Special Education Needs: Report of Committee of Enquiry into the Education of Handicapped Children and Young People. London: Her Majesty’s Stationery Office, 1978.

VILLAÇA, L. de C. Arte-educação: a arte como metodologia educativa. Cairu em Revista, ano 03, n. 4, p. 74-85, jul.-ago., 2014.

UNESCO. Declaração de Salamanca sobre princípios, política e práticas na área das necessidades educativas especiais. Salamanca, Espanha, 1994.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Carlos Soares Barbosa

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Educação, Artes e Inclusão - Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC - Centro de Artes - CEART -- Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais - PPGAV Fone: +55 (48) 3664-8314 -Laboratório Interdisciplinar de Formação de Educadores - LIFE - ISSN: 1984-3178 -- Endereço: Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC Centro de Artes Av. Madre Benvenuta, 2007 - Itacorubi - Florianópolis - SC - CEP: 88.035-001 -- Email: revistaeducacaoarteinclusao@gmail.com