Das origens ao circo-teatro: mutabilidade e permanência do melodrama

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/14145731033920200205

Palavras-chave:

Melodrama, Ópera, Teatro, Circo-Teatro

Resumo

Neste artigo, tratou-se sobre o melodrama trazendo considerações a respeito de sua origem até a sua presença no circo-teatro. É um estudo bibliográfico, com destaque para autores italianos que tratam da ópera como melodrama. Em relação ao circo-teatro brasileiro, foram citadas pesquisas relevantes sobre sua criação e sobre como o gênero melodrama destaca-se como exemplo de dramaturgia que vai preponderar neste formato de circo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cristina Alves de Macedo, Universidade Federal da Bahia UFBA)

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas da Universidade Federal da Bahia - PPGAC/UFBA, possui Mestrado em Estudo de Linguagens pela Universidade do Estado da Bahia - UNEB e Graduação em Pedagogia pela Universidade Católica do Salvador – UCSAL. Atua com pesquisas sobre dramaturgia, circo, teatro e censura com atenção à formação do gênero circo-teatro em sua relação com a ópera italiana e o melodrama francês, enfatizando continuidades e descontinuidades a partir de arquétipos. 

Eliene Benício Amancio Costa, Universidade Federal da Bahia (UFBA)

É Professora Titular (2015) do Departamento de Técnicas do Espetáculo da Escola de Teatro da Universidade Federal da Bahia. Estágio Sênior na Manchester Metropolitan University (UK) e Université Paris Nanterre (FR) anos de 2017-2018. Pós-doutora (2009) pelo Instituto de Artes da UNESP (IA/UNESP). Tem doutorado (1999) e mestrado (1993) pela Escola de Comunicações e Artes da USP (ECA/USP)

Referências

BALBONI, Paolo. Il Melodrama (in) Italiano. Turim: Loescher Editora, 2016.

HUPPES, Ivete. Melodrama: o gênero e sua permanência. São Paulo: Ateliê Editorial, 2000.

KERMAN, Joseph. A ópera como drama. Jorge Zahar Editor: Rio de Janeiro, 1990.

MEYER, Marlyse. Imigrantes italianos e leituras comunitárias. Revista Mediações – Edição especial: Londrina, p.79-89, 1997.

MILA, Massimo. Il melodramma italiano dell’Ottocento. Torino: Einaudi, 1977.

PIMENTA, Daniele. A conformação do circo-teatro brasileiro: permeabilidade e apropriação. Repertório, Salvador, ano 13, n. 15, p 30-39, 2010.

RIDING, Alan; DUNTON-DOWNER, Leslie. Guia Ilustrado Zahar: Ópera. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2010.

SCANDAROLLI, Denise. Estruturação do gênero “cômico” no Teatro Francês: Vaudeville e Opéra-Comique. Disponível em: http://www.encontro2012.sp.anpuh.org/resources/anais/17/1342532421_ARQUIVO_OsgeneroscomicosdaOperaFrancesa.pdf. Acesso em: 09 jun. 2020.

SILVA, Daniel Marques. O palhaço negro que dançou a chula para o Marechal de Ferro: Benjamim de Oliveira e a consolidação do circo-teatro no Brasil - mecanismos e estratégias artísticas como forma de integração social na Belle Époque carioca. Tese (Doutorado em Teatro). Centro de Letras e Artes. UNIRIO, Rio de Janeiro, 2004.

SILVA, Erminia. Circo-teatro: Benjamim de Oliveira e a teatralidade circense no Brasil. São Paulo: Altana, 2007.

SOLERTI, Angelo. Gli Albori del Melodramma. Milano-Palermo-Napoli: Libraio della Real Casa, 1904.

THOMASSEAU, Jean-Marie. O melodrama. São Paulo: Perspectiva, 2005.

Downloads

Publicado

2020-12-23

Como Citar

MACEDO, C. A. de; COSTA, E. B. A. Das origens ao circo-teatro: mutabilidade e permanência do melodrama. Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v. 3, n. 39, p. 1-16, 2020. DOI: 10.5965/14145731033920200205. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/urdimento/article/view/18061. Acesso em: 6 out. 2022.