A iluminação cênica como dispositivo da experiência cinestésica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1414573101372020182

Palavras-chave:

Luz, cinestesia, dispositivo, percepção

Resumo

Este artigo pretende evidenciar a luz e as tecnologias de iluminação cênica como um dispositivo capaz de modificar e contribuir para a experiência cinestésica nas artes da cena, aqui entendida como percepção do movimento. A partir de uma cartografia pelo tema nas artes, especificamente na dança e no circo e do avanço das tecnologia de iluminação, desde o final do século XIX até os dias de hoje, pretende-se estabelecer uma relação com o ato-perceptivo proposto por Gilles Deleuze e Félix Guattari e o aparato tecnológico da cena, evidenciando os mecanismos de iluminação como parte central para a experiência cinestésica dos artistas e do público.


Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marina Souza Lobo Guzzo, Universidade Federal de São Paulo (USP)

 Pós-doutorado pelo Departamento de Artes Cênicas da ECA-USP e Mestrado e Doutorado em Psicologia Social pela PUC-SP. Professora Adjunta da Unifesp no Campus Baixada Santista, pesquisadora do Laboratório Corpo e Arte e coordenadora do Núcleo Interdisciplinar de Dança – N(i)D. 

Dolores Galindo, Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)

Pós-Doutorado (2015-2016), Doutorado (2006) e mestrado (2002) em Psicologia Social pela Universidade Católica de São Paulo (PUCSP), com Doutorado Sanduíche na Universidade Autônoma de Barcelona (2004). Graduada em Psicologia pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), em 1999. Atua como Professora Permanente dos Programas de Pós-Graduação em Psicologia e Cultura Contemporânea da Universidade Federal de Mato Grosso. Foi vice-coordenadora e posteriormente Coordenadora do Programa de Pós-Graduação (Mestrado e Doutorado) em Estudos de Cultura Contemporânea. Na graduação, atua como Docente do Departamento de Psicologia da Universidade Federal de Mato Grosso (2013-2014). Lidera o Grupo de Pesquisa Ciências, Tecnologias e Criação (LABTECC). 

Daniele Milioli, Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC)

Doutorado em Psicologia e Sociedade pela Universidade Estadual Paulista- UNESP (2013-2017). Mestra em Estudos de Cultura Contemporânea (linha Poéticas Contemporâneas) pela Universidade Federal de Mato Grosso- UFMT (2012). Especialista em Didática e Metodologia do Ensino Superior pela Universidade do Extremo Sul Catarinense- UNESC (2006). Graduada em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina- UFSC (2002). 

Referências

AGAMBEN, Giorgio. O que é um dispositivo? In: AGAMBEN, G. O que é o contemporâneo?

E outros ensaios (p. 48- 56). Tradução Vinícius Nicastro Honesko. Chapecó: Argos, 2009.

BACHELARD, Gaston. A poética do devaneio. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

BARTHES, Roland. Saindo do Cinema. In: METZ, C. [et al]. Psicanálise e cinema. São

Paulo: Global Editora, 1980.

BENJAMIN, Walter. Obras Escolhidas I: Magia e Técnica, Arte e Política. São Paulo:

Brasiliense, 1985.

BENJAMIN, Walter. A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica. In: BENJAMIN,

W. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense, 1994.

BERGANTINI, Loren. Sinestesia nas artes: relações entre ciência, arte e tecnologia. ARS (São Paulo), 17 (35), 225-238. Epub 02 de maio de 2019.

BOURCIER, Pierre. História da Dança no Ocidente. Martins, 1987.

CALLOIS, Roger Lês jeux et lês hommes. Paris: Gallimard, 1958.

CRARY, Jonathan. 24/7 Capitalismo tardio e os fins do sono. São Paulo, Cosac Naify, 2014.

DEBORD, Guy. A Sociedade do Espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

DELEUZE, Gilles Conversações. São Paulo: Editora 34, 1992.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O anti-édipo: capitalismo e esquizofrenia. Tradução

Luiz B. Orlandi. São Paulo: Editora 34, 2010.

DONATI, Gabriela; ROBLE, Odilon. O Kung Fu como experiencia cinestésica para bailarinos

contemporâneos. ENGRUPEDança, v.4, p. 338-343.

GODARD, Hubert. Gesto e percepção. Tradução de Silvia Soter. In: PEREIRA, R; SOTER,

S. (Orgs.). Lições de Dança 3. (p. 11-35). Rio de Janeiro: UniverCidade Editora,

GUZZO, Marina. Imagens do corpo em risco. In: Alexandre Palma, Adriana Esteve Marco

Blumenau (orgs). A Saúde em Debate (p. 121-138). Blumenau: Nova Letra, 2006.

GUZZO, Marina. Dança em ação: política de resistência no encarnado de Lia Rodrigues.

Tese de Doutorado - Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia Social, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo, 2009.

GUZZO, Marina; SPINK, Mary Jane. ARTE, DAN.A E POL.TICA(S). Psicologia & Sociedade,

v. 27 (1), 3-12. Epub 02 de abril de 2015.

LEME, Clodoaldo. O futebol como estratégia de ascenção na sociedade de risco: o

“atleta sem clube” e sua identidade. Tese de Doutorado - Programa de Estudos Pós-

-Graduados em Psicologia Social, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São

Paulo, 2011.

FOSTER, Susan. Choreographing Empathy: Kinesthesia in Performance. New York:

Routledge, 2011.

ROCHE, Daniel. História das coisas comuns. Rio de Janeiro: Rocco, 2000.

SIMNER, Julia; HUBARD, Edward (orgs.). Oxford handbook of synesthesia. New York:

Oxford University Press, 2013. p. 609-630. p. 623.

SPINK, Mary Jane. Trópicos dos discursos sobre riscos: risco aventura como metáfora

da modernidade tardia. Rio de Janeiro: Cadernos de Saúde Pública, v. 17, n. 6, nov-

-dez, 2001.

STIEGLER, Bernard. Por une nouvelle critique de l’économie politique. Edition Galilée,

STODDART, Helen. Rings of Desire: circus history and representation. Nova Iorque:

Manchester University Press, 2000.

SUQUET, Annie. O corpo dançante: um laboratório da percepção. História do corpo:

as mutações do olhar. O século XX. Vol. 3. Petrópolis: Vozes, 2008.

Downloads

Publicado

2020-04-17

Como Citar

GUZZO, M. S. L.; GALINDO, D.; MILIOLI, D. A iluminação cênica como dispositivo da experiência cinestésica. Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v. 1, n. 37, p. 182-195, 2020. DOI: 10.5965/1414573101372020182. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/urdimento/article/view/1414573101372020182. Acesso em: 19 ago. 2022.

Edição

Seção

Dossiê Temático - A LUZ EM CENA: Interfaces e aprendizados