A poética de corpos múltiplos e heteróclitos de Oriana Duarte.

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2175234613292021148

Palavras-chave:

Oriana Duarte, corpo, heteróclitos, arte contemporânea

Resumo

O trabalho artístico de Oriana Duarte navega na fluidez e desterritorialização do corpo. Metamorfoseia a pedra sólida em sopa líquida, transformada em alimento pela fisiologia do corpo, acopla-se ao remo, transforma-se em barco, em ponte, altera a estrutura muscular e se imerge em edifícios e cidades. O corpo, para a artista, não possui um significado nem um organismo originário, mas se faz em campo de experimentações e possibilidades. Com uma prática quase inteiramente voltada para o próprio corpo, a artista realiza uma escrita de si que assume a função de compor-se, em si mesma e além-de-si, em uma existência ciborgue e híbrida, escapando às normas de corpo feminino passivo antes canonizados na arte. Assim, Oriana Duarte vem, através da performance, traçando uma vida artista em constante diálogo com elementos da natureza e tecnologias humanas, tendo o corpo no epicentro dessa relação.

Biografia do Autor

Carolina Salvi, UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

Pesquisadora no Mestrado no Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais na Universidade Federal de Pernambuco. Bolsista da CAPES.

Referências

ARCHER, Michael. Arte Contemporânea: uma história concisa. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

DELEUZE; Gilles. GUATTARI, Félix. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. São Paulo: Editora34, 1997. v.4.

COCCHIARALE, Fernando. Dos heteróclitos: enquanto campo de ação. In: DUARTE, Oriana (Org.). Dos heteróclitos: enquanto campo de ação. São Paulo: CHESF, 2002.

DUARTE, Oriana. Usei meu corpo: das vísceras fiz sopa, dos membros fiz pontes. In: ABRACE – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISAS E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES CÊNICAS, 5. 2008, Campinas. Anais eletrônicos... Campinas: UNICAMP, 2008. Disponível em: <https://www.publionline.iar.unicamp.br/index.php/abrace/issue/view/75/showToc>.

DUARTE, Oriana. Nós, errantes: as travessias plus ultra de uma Artista Atleta. Parte I. Recife: Editora Universitária UFPE, 2013.

DUARTE, Oriana. Nós, errantes: as travessias plus ultra de uma Artista Atleta. Parte II. Recife: Editora Universitária UFPE, 2013.

DUARTE, Oriana. Nós, errantes: as travessias plus ultra de uma Artista Atleta. Parte III. Recife: Editora Universitária UFPE, 2013.

DUARTE, Oriana. Nós, errantes: as travessias plus ultra de uma Artista Atleta. Parte IV. Recife: Editora Universitária UFPE, 2013.

DUARTE, Oriana. Nós, errantes: as travessias plus ultra de uma Artista Atleta. Parte V. Recife: Editora Universitária UFPE, 2013.

DUARTE, Oriana. Plus Ultra: o corpo no limite da comunicação. São Paulo: PUCSP, 2012.

FOUCAULT, Michel. A escrita de si. In: O que é um autor? Lisboa: Passagens. 1992.

pp. 129-160

FOUCAULT, Michel. A hermenêutica do sujeito. 2 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

FOUCAULT, Michel. O governo de si e dos outros: curso no Collège de France (1982-1983). São Paulo: Martins Fontes, 2010.

FOUCAULT, Michel. As palavras e as coisas. 8 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2013.

HARAWAY, Donna; TADEU, Tomaz; KUNZRU, Hari. Antropologia Ciborgue: As Vertigens do Pós-Humano. 2 ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2009

LOPONTE, L. G. Sexualidades, artes visuais e poder: pedagogias visuais do feminino. In: Revista de Estudos Feministas. Florianópolis, v. 10, n. 2, p. 283-300, jul. 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104026X2002000200002&lng=en&nrm=iso.

MARTINS, M.V. O pensamento de Heráclito: uma aproximação com o pensamento de Parmênides. Brasília: UNB, 2007.

RAGO, Maragreth. A aventura de contar-se: feminismos, escrita de si e invenções da subjetividade. Campinas: Editora da Unicamp, 2013.

ROLNIK, Suely. Cartografia sentimental: transformações contemporâneas do desejo. 2 ed. Porto Alegre: Sulina; Editora da UFRGS, 2016.

Downloads

Publicado

2021-01-01