O riso que queremos – O Congresso Feminino

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2595034701262022032

Palavras-chave:

Teatro de Bonecos, Mamulengo, Mulheres no Mamulengo, Dramaturgias, Lei Maria da Penha

Resumo

: O presente artigo pretende discutir a potência, bem como a dimensão política e contraventora na brincadeira de Mamulengo chamada Congresso Feminino do grupo Mamulengando Alegria, de Glória do Goitá-PE, formado por Neide, Cida e Larissa Lopes. Nossa proposta é compor um texto em diálogo com a Cida, repercutindo uma articulação com o referencial teórico de bell hooks (2019), Marcela Lagarde (2011), Margareth Rago (2013), Patrícia Dutra (1998) e a Lei 13.104, elucidando como o risível se transforma perante as reivindicações e as lutas sociais das mulheres no século XXI, pensando ainda nos impactos que a produção de espetáculos como esse reverberam no público.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Barbara Duarte Benatti, Universidade de Brasília

Licenciada em Educação Artística: Artes Cênicas, pela Universidade de Brasília-UnB (2008). Pós-graduada com especialização em Hotelaria Hospitalar, pelo Centro de Excelência em Turismo-UnB (2009), dando desenvolvimento a pesquisa iniciada na graduação, ampliando o repertório sobre a inclusão das artes no processo de recuperação. Mestre em Artes Cênicas (2017), pela Universidade de Brasília-UnB. A dissertação explorou o teatro de bonecos do Mamulengo e a inclusão das mulheres, ressignificando a brincadeira. O trabalho foi selecionado como melhor dissertação na área de linguística, letras e artes junto ao prêmio UnB de dissertação e tese do ano de 2017. Atualmente é Doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas na UnB.

Joana Vieira Viana, Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC)

Possui graduação em Artes Cênicas pela Universidade de Brasília (2004), Especialização em Docência no Ensino Superior pela Unopar (2014) e Mestrado em Artes Cênicas na UFRN. Cursando Doutorado em Teatro pela Udesc. Tem experiência na área de Artes, com ênfase em Interpretação Teatral, atuando principalmente nos seguintes temas: teatro de animação, teatro de rua, esquadrão da vida, bertold brecht e cultura afrodescendente.

Referências

ALCURE, Adriana Schneider. Mamulengos dos Mestres Zé Lopes e Zé de Vina: etnografia e estudo de personagens. Dissertação (Mestrado em Teatro) - Centro de Letras e Artes. Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas, UNIRIO, 2001.

ALCURE, Adriana Schneider. Zona da Mata é rica de cana e brincadeira: uma etnografia do Mamulengo. Tese (Doutorado em Ciências Humanas) - Instituto de Filosofia e Ciências Sociais, UFRJ, Rio de Janeiro, 2007.

BRASIL, Decreto-Lei 2.848, de 07 de dezembro de 1940. Código Penal. Diário Oficial da União, Rio de Janeiro, 31 dez.

BRASIL. Lei nº. 11.340, de 7 de agosto de 2006, (Lei Maria da Penha).

BRASIL. Lei nº. 13.104, de 09 de março de 2015.

BRASIL. Lei nº. 12.015, de 07 de agosto de 2009.

BENATTI, Barbara D. Mulheres Mamulengueiras: um Estudo de Caso em Glória do Goitá-PE. Dissertação (Mestrado em Artes Cênicas) - Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas, Universidade de Brasília, Brasília, 2017.

BENATTI, Barbara; BROCHADO, Izabela. Mamulengo e história de vida: entrecruzamentos que ensinam. Artigo. Móin-Móin: revista de estudos sobre teatro de formas animadas. V.2, nº 23, p. 44 - 64, Florianópolis, 2020.

BROCHADO, Izabela. Mamulengo Puppet Theatre in the Socio-Cultural Context of Twentieth-Century Brazil. Tese (Doutorado em Teatro em Filosofia) - Samuel Beckett School of Drama. Trinity College University of Dublin, Irlanda, 2005.

BROCHADO, Izabela. Dossiê Interpretativo: Registro do Teatro de Bonecos Popular do Nordeste, Mamulengo, Cassimiro Coco, Babau e João Redondo como Patrimônio Cultural do Brasil. Brasília: Minc; Iphan; UnB; ABTB, 2014.

DEL PRIORE, Mary. Ao sul do corpo: condição Feminina e mentalidades no Brasil Colônia. São Paulo: Unesp, 2009.

DUTRA, Patrícia Angélica. Trajetórias de criação do Mamulengo do Professor Benedito em Chão de Estrelas e mais além. Dissertação (Mestrado em Teatro)–Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 1998.

FEDERICI, Silvia. Mulheres e caça às bruxas. Tradução Heci Regina Candiani. 1ed. São Paulo: Boitempo, 2019.

hooks, bell. Teoria feminista: da margem ao centro. Tradução Rainer Patriota. São Paulo: Perspectiva, 2019.

LAGARDE, Marcela. Los cautiverios de las mujeres: Madresposas, monjas, putas, presas y locas. Madrid: San Cristobal, 2011.

LOPES, Cida. Entrevista concedida a Barbara Benatti e Joana Vieira Viana, por aplicativo ZOOM. Acervo próprio. Maio, 2021.

LOPES, Cida. LOPES, Neide. Entrevista concedida a Andreisson Quintela, no Canal do Youtube: TV MAMULENGO. Maio, 2020. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=fnEycA9yhvU. Acesso em: 05 fev. 2021.

RIBEIRO, Kaise Helena. A dialogicidade no Mamulengo Riso do Povo: interações construtivas da Performance. 2010. 186 f. Dissertação (Mestrado em Artes) – Programa de Pós-Graduação em Artes da Universidade de Brasília – Unb. Brasília, 2010.

RAGO, Luzia Margareth. A aventura de contar-se: feminismo, escrita de si e invenções da subjetividade. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2013.

SIMAS, Luiz Antonio. RUFINO, Luiz. Fogo no mato: a ciência encantada das macumbas. Rio de Janeiro: Mórula, 2018.

Downloads

Publicado

2022-09-03

Como Citar

BENATTI, B. D.; VIANA, J. V. O riso que queremos – O Congresso Feminino. Móin-Móin - Revista de Estudos sobre Teatro de Formas Animadas, Florianópolis, v. 1, n. 26, p. 032-049, 2022. DOI: 10.5965/2595034701262022032. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/moin/article/view/22113. Acesso em: 6 out. 2022.

Edição

Seção

Dossiê: O Riso e o grotesco no teatro de animação