Se não fosse a vida, seria um filme: Antônio Carlos de Sena

Autores

  • Paulo Balardim Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC

DOI:

https://doi.org/10.5965/2595034701132015056

Resumo

Antônio Carlos de Sena, diretor do grupo Tim – Teatro de Marionetes, de
Porto Alegre, RS, conta a história de seu grupo, surgido na década de 1950 e ainda em atividade. Através de seu relato, é possível perceber não apenas o contexto sociopolítico de uma época na qual o Teatro de Bonecos começou a surgir no Brasil, mas também compreender um pouco das motivações que mobilizaram os artistas a se organizarem associativamente.

Palavras-chave: História do Teatro de Bonecos. Antônio Carlos de Sena. Grupo TIM – Teatro de Marionetes.

Biografia do Autor

Paulo Balardim, Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC

Professor universitário na área de Prática Teatral – Teatro de Animação, no Centro de Artes – UDESC. Doutor em Artes Cênicas (PPGT/UDESC), mestre em Artes Cênicas (PPGAC/UFRGS), licenciado em Letras – Língua Portuguesa
e Literatura Brasileira (Ulbra). Diretor, ator e cenógrafo da
companhia teatral Caixa do Elefante Teatro de Bonecos, desde 1991. Foi Presidente da AGTB – Associação Gaúcha de Teatro de Bonecos nos anos de 2002 e 2003.

Downloads

Publicado

2018-03-16

Como Citar

Balardim, P. (2018). Se não fosse a vida, seria um filme: Antônio Carlos de Sena. Móin-Móin - Revista De Estudos Sobre Teatro De Formas Animadas, 1(13), 056-071. https://doi.org/10.5965/2595034701132015056

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>