O codesign para geração de valor e inovação no desenvolvimento de produtos de vestuário

Autores

  • Luciana da Silva Bertoso Universidade Federal do Paraná (UFPR), Curitiba, PR
  • Adriano Heemann Universidade Federal do Paraná (UFPR), Curitiba, PR

DOI:

https://doi.org/10.5965/1982615x14322021204

Palavras-chave:

setor de vestuário, Codesign, inovação.

Resumo

O presente artigo aborda os processos de inovação em empresas de vestuário, com intuito de analisar como a colaboração entre os stakeholders podem contribuir para a geração de valor e inovação. Inicialmente, uma Revisão Bibliográfica delineia o quadro teórico sobre o qual se fundamenta o assunto e  que é confirmado empiricamente por meio de um Estudo de Caso junto a uma empresa brasileira. Os resultados apresentados e discutidos revelam aspectos novos sobre os fatores causais da criação de valor e da inovação. O estudo conclui com a constatação de duas relações causais no desenvolvimento de produtos de vestuário: o codesign é fator que está para a geração de valor assim como a gestão de relacionamento está para a inovação.

Biografia do Autor

Luciana da Silva Bertoso, Universidade Federal do Paraná (UFPR), Curitiba, PR

Docente no curso de Moda da UniCesumar. Especialista em Produção de Moda e Styling, pela Universidade Positivo (UP). Pós-graduanda em Docência no Ensino Superior: Tecnologias Educacionais e Inovação, pela UniCesumar. Mestre em Design, pela Universidade Federal do Paraná (UFPR) (2017), Membro do grupo de pesquisa Design Colaborativo e Co-criação (UFPR). Possui graduação em Design de Moda, pela Universidade Estadual de Londrina (UEL) (2014).

Adriano Heemann, Universidade Federal do Paraná (UFPR), Curitiba, PR

Graduado em Design de Produto (UFPR), Especialista em Design (CDG, Alemanha bolsa CDG), Mestre em Tecnologia (Cefet-PR bolsa CAPES), Doutor em Engenharia Mecânica com ênfase em Desenvolvimento de Produto (TU Braunschweig bolsa DAAD/CNPq). Atua como professor Associado do Departamento de Design, professor permanente do Programa de Pós-Graduação em Design da UFPR, líder do grupo de pesquisa Design Colaborativo e Cocriação (diretório do CNPq), pesquisador PQ2 do CNPq e como membro titular do Comitê Acadêmico da rede latino-americana de cursos de Design (DiSUR). Sua pesquisa enfoca a colaboração em redes de Design

Referências

BAXTER, Mike. Projeto de Produto: guia prático para o design de novos produtos. 2ª ed. São Paulo: Blucher, 2000.

CAMISETERIA. Disponível em <https://www.camiseteria.com/default.aspx> Acesso em 03/03/2019.

CGEE - CENTRO DE GESTÃO E ESTUDOS ESTRATÉGICOS. Bases conceituais em pesquisa, desenvolvimento e inovação: Implicações para políticas no Brasil. Brasília: CGEE, 2010.

COCCO, Giuseppe. Indicadores de inovação e capitalismo cognitivo. In: CENTRO DE GESTÃO E ESTUDOS ESTRATÉGICOS (CGEE). Bases conceituais em pesquisa, desenvolvimento e inovação: Implicações para políticas no Brasil. Brasília: CGEE, 2010. p. 33-68.

COSTA Maria Izabel. Políticas de design para o fomento da inovação na cadeia de valor Têxtil/Confecção de moda de Santa Catarina. 270 f. Tese (Doutorado em Design) – Departamento de Artes & Design, Pontifícia Universidade Católica, Rio de Janeiro, 2011.

FUAD-LUKE, Alastair. Design activism: beautiful strangeness for a sustainable world. USA: Earthscan, 2009.

FONTANA, Isabela. M.; HEEMANN, Adriano; FERREIRA, Marcelo. G. G. Design Colaborativo: Fatores Críticos para o Sucesso do Codesign. In: Congresso Sul Americano de Design de Interação, 4., 2012, São Paulo. Anais... São Paulo: 4º Congresso Sul Americano de Design de Interação, 2012. p. 371-382.

GOMEZ, L. S. R. et al. O DNA da marca de moda: O processo. In: CANTISTA, Isabel. (Org.). A moda num mundo global. Portugal: Vida Econômica, 2012. p. 134- 56.

ISSBERNER, Liz-Rejane. Em direção a uma nova abordagem da inovação: coordenadas para o debate. In: CENTRO DE GESTÃO E ESTUDOS ESTRATÉGICOS (CGEE). Bases conceituais em pesquisa, desenvolvimento e inovação: Implicações para políticas no Brasil. Brasília: CGEE, 2010. p. 11-32.

KLEISMAN, M. Understanding collaborative design. 309 f. Tese (Doutorado) - Faculty of Industrial Design Engineering, Delft University of Technology, Holanda, 2006.

LUPATINI, M. P. As Transformações produtivas na Indústria têxtil-vestuário e seus impactos sobre a distribuição territorial da produção e a divisão do trabalho industrial. 168 f. Dissertação (Mestrado em Política Científica e Tecnologia) - Instituto de Geociências, Universidade Estadual de Campinas, Campinas – SP, 2004.

MONTEMEZZO, Maria Celeste de Fátima Sanches. Diretrizes metodológicas para o projeto de produtos de moda no âmbito acadêmico. 97 f. Dissertação (Mestrado em Design) - Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação, Universidade Estadual Paulista, Bauru-SP. 2003.

RECH, Sandra Regina. Cadeia produtiva da moda: um modelo conceitual de análise da competitividade no elo confecção. 301 f. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) - Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis-SC, 2006.

RECH, Sandra Regina. Moda: por um fio de qualidade. Florianópolis: UDESC, 2002.

SANDERS, Elizabeth B.N.; STAPPERS, Pieter J. Co-creation and the new landscapes of design. International Journal of CoCreation in Design and the Arts. v. 2, n. 1, p. 5-18, 2008.

SEBRAE. Cocriação: a união de ideias para inovar. SEBRAE – Vestuário Boletim de tendências, mai. 2014. Disponível em <https://atendimento.sebrae-sc.com.br/webroot/projetos/portal_sebraesc/downloads/mercado/2014/boletins/boletim-maio-2014-vestuario.pdf>.

TREPTOW, Doris. Inventando moda: planejamento de coleção. 3.ed. Brusque: Do Autor, 2013.

Downloads

Publicado

2021-04-19

Edição

Seção

Variata