Renda de Bilros: estudo de pontos tecidos nas regiões Nordeste e Sul do Brasil

Autores

  • Vera Lucia Felippi da Silva Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Gabriela Trindade Perry Departamento de Design e Expressão Gráfica

DOI:

https://doi.org/10.5965/1982615x11212018126

Palavras-chave:

Renda de bilros, Pontos de renda de bilros, Patrimônio brasileiro

Resumo

Considerando a importância histórica, cultural e social da produção de renda de bilros no Brasil, este estudo abrange aspectos imateriais e materiais deste patrimônio, tendo como objetivo fazer uma reflexão sobre como são tratados pontos de renda de bilros, considerando suas nomenclaturas e estruturas têxteis, tendo como recorte geográfico dois extremos do país: a região sul e a região nordeste. Essas regiões se destacam pela produção artesanal da renda e pesquisas científica sobre o tema. Para alcançar o objetivo foram estudados 61 pontos e observou-se que apenas 39,5% destes pontos são conhecidos em ambas as regiões. Trata-se de um estudo qualitativo, de natureza aplicada, fundamentado em pesquisa bibliográfica, documental e visita técnica.

Biografia do Autor

Vera Lucia Felippi da Silva, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutoranda vinculada ao Programa de Pós Graduação em Design da UFRGS.

Gabriela Trindade Perry, Departamento de Design e Expressão Gráfica

Professora adjunta da UFRGS, no curso de Design, ligado à Faculdade de Arquitetura. Professora permanente do Programa de Pós Graduação em Informática na Educação da UFRGS desde 2016. Vice-coordenadora do NAPEAD - Núcleo de Apoio Pedagógico à Educação a Distância

Referências

ALMEIDA, Juliana D. Modelagem situada de metodologia da Oficina de Desenho de Renda de Bilro. 2010. Natal: 2010. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) – Centro de Tecnologia, Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal, 2010.

BALBINOT, Gabriela; PEREIRA, Renata S; ZANELLA, Andrea V. A renda que enreda: analisando processos de constituir-se rendeira. Educação&Sociedade, Vol. 21, n. 71. Campinas, jul., 2000. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302000000200011>. Acesso em: 10 fev. 2017.

BARROS, Kléber S. Análise antropotecnológica do desenvolvimento de novos produtos na produção artesanal: caso das rendeiras de bilro da Vila de Ponta Negra em Natal. Natal: 2009. Dissertação (Mestrado em Engrenharia de Produção) – Centro de Tecnológia, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2009.

BRUSSI, Júlia Dias Escobar. Da “renda roubada” à renda exportada: a produção e a comercialização da renda de bilros em dois contextos cearenses. Dissertação Departamento de Antropologia da Universidade de Brasília. 2009

CARTILHA me ensina a fazer renda: princípios básicos da renda de bilros: histórico, elementos da renda, como fazer técnica básica, pontos básicos da renda. Florianópolis: HB Editora Valorizando o tempo, 2015.

CORDEIRO, Angela D. Rendeiras da Vila de Ponta Negra: o ensino da renda de bilro e de desenho como alternativa de continuidade de uma tradição de produção artesanal. Natal: 2010. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) – Centro de Tecnologia, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2010.

COSTA, Raquel Pires. RENDAS, REDES E LENDAS: o vocabulário das rendeiras do município de Raposa, Maranhão. Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos da Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais. 2016

EARNSHAW, Pat. Bobbin & Needle lace – Identifications and Care. London: Batsford Craft Ltda, 1983.

EARNSHAW, Pat. A dictionary of lace. London: Shire Publications Ltd, 1988.

EARNSHAW, Pat. The Identification of Lace. 3th. ed. London: Shire Publications Ltd, 2000

ETCHEVERRY, Delia. 2013. Encajes: história e identificación. Argentina: Fundación Museo Del Traje.

GANEM, M. 2013. Design dialógico: uma estratégia para gestão criativa de tradições. Dissertação, Bahia: Universidade Federal da Bahia.

GIRÃO, Valdelice Carneiro. Renda de bilros. Fortaleza: Instituto do Ceará, 2013.

INSTITUTO ESTADUAL DO PATRIMÔNIO CULTURAL DO RIO DE JANEIRO. Divisão de folclore: Rendeiras de Bilro no Estado do Rio de Janeiro. 2004. Disponível em: <http://www.inepac.rj.gov.br/application/assets/img/site/RendeirasdeBilro.pdf> Acesso em 30 mar. 2017.

INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL. Patrimônio Imaterial. Disponível em: <http://portal.iphan.gov.br/pagina/detalhes/234> Acesso em 02 set. 2016.

MATSUSAKI, Bianca do Carmo. Trajetória de uma tradição: renda de bilros e seus enredos. Dissertação (Mestrado em Ciências) PPG em Têxtil e Moda. Universidade de São Paulo. São Paulo, 2016.

MINITÉRIO DA CULTURA. Cultura em números: anuário de estatísticas culturais. 2ª edição. Brasília: MinC, 2010. Disponível em: <http://culturadigital.br/ecocultminc/files/2010/06/Cultura-em-N%C3%BAmeros-web.pdf> Acesso em 29 jul. 2017.

PALLISER, B.A. History of lace. London: Sampson, Low, Son, and Marston, 1869.

POWERHOUSE MUSEUM. Lace Study Centre. .Disponível em: <http://www.powerhousemuseum.com/collection/database/?irn=132841&search=bobbin+lace&images=&c=&s=>. Acesso em: 25 jul. 17.

RAMOS, L.; RAMOS, A. A renda de bilros e sua aculturação no Brasil: nota preliminar e roteiro de pesquisa. Rio de Janeiro: Sociedade Brasileira de Antropologia e Etnologia, 1948.

SEBRAE. Estudo setorial artesanato. Disponível em: <http://www.biblioteca.sebrae.com.br/bds/bds.nsf/E1B356515E8B5D6D83257625006D7DA9/$File/NT00041F56.pdf>. Acesso em 31 Jul. de 2017.

SEBRAE. Bordados e rendas para cama, mesa e banho: estudos de mercado: 2008. Disponível em: <http://www.bibliotecas.sebrae.com.br/chronus/ARQUIVOS_CHRONUS/bds/bds.nsf/CA146DA3D21F877B832574DC00453EA0/$File/NT00039052.pdf >. Acesso em: 31 jul. 2017.b.

UNESCO. Convenção para a salvaguarda do patrimônio cultural imaterial. Brasília: Ministério das Relações Exteriores, 2006. Disponível em: <http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/Convencao%20Salvaguarda%20Patrim%20Cult%20Imaterial%202003.pdf> Acesso em 17 ago. 2017.

WENDHAUSEN, Maria Armênia Müller. Renda de bilros – um legado açoriano transcendendo séculos em Florianópolis. Blumenau: Nova Letra, 2015.

Downloads

Publicado

2018-01-01