Maria Amélia D’Assumpção: entre retratos e naturezas-mortas, o protagonismo de uma pintora no começo do século XX no Paraná

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/19843178182022e0031

Palavras-chave:

mulheres, arte, história, imagens, representações

Resumo

Este artigo tem o objetivo de abordar o protagonismo da pintora Maria Amélia D’Assumpção, no contexto da arte paranaense no começo do século XX, destacando aspectos de sua formação, trajetória, criação e inserção no círculo artístico da cidade de Curitiba, capital do estado. Partimos de uma perspectiva interdisciplinar, dialogando com o campo da história e das artes, para problematizar o contexto sociocultural, assim como as relações de gênero que implicaram na atuação e reconhecimento das mulheres artistas no período estudado, uma vez que nem todos os espaços sociais estavam abertos para elas. Utilizamos para a análise de algumas de suas obras - retratos e naturezas-mortas – os procedimentos metodológicos da análise iconográfica/iconologia de Erwin Panofsky, para compreendermos suas representações sociais, influências artísticas e significados presentes na construção de suas imagens. Desse modo, seu protagonismo é perceptível tanto na profissão de artista quanto na professora do ensino de artes que integraram a vida e história.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Claudia Priori, University of the State of Paraná

Doutora em História pela Universidade Federal do Paraná (2012). Profª Associada A no Curso de Licenciatura em Artes Visuais, na Universidade Estadual do Paraná/Campus de Curitiba II. Docente nos Programas de Pós-graduação em Cinema e Artes do Vídeo-PPG-CINEAV e no Programa de Pós-Graduação em História Pública (PPG-HP), da mesma instituição. Mestre em Historia pela Universidade Estadual de Maringá (2003). Graduada em História pela Universidade Estadual de Maringá (1999). Especialista em História da Arte (2015). Líder do Grupo de Estudo e Pesquisa em Educação, Diversidade e Cultura (GEPEDIC/CNPq). Membro do Grupo de Pesquisa em Arte, Cultura e Subjetividades (GPACS/CNPq), da Universidade Estadual do Paraná-Campus de Curitiba II.

Referências

ALVES, Caroline Farias. Entre os silêncios da história e as representações femininas: retratos de Georgina de Albuquerque e suas contemporâneas. XII EHA – Encontro de História da Arte –Unicamp, 2017, p. 153-164.

ANTONIO, Ricardo Carneiro. Imagem e História: o ensino da arte nas fotografias e pinturas de Alfredo Andersen. Cadernos de História da Educação, v. 14, n. 2, mai./ago. 2015, p.685-700.

ARAÚJO, Adalice. Arte Paranaense moderna e contemporânea: em questão 3.000 mil anos de arte paranaense. Curitiba: UFPR, Tese de Livre Docência, 1974.

BADEP. Panorama da Arte no Paraná. Curitiba, 1975, p. 8.

FREITAS, Danielle Gross de. Entre ofícios e prendas domésticas: a Escola Profissional Feminina de Curitiba (1917-1974). Curitiba, 2011.

HIGONNET, Anne. Mulheres e imagens: aparências, lazer, subsistência. In: DUBY, Georges; PERROT, Michelle. História das Mulheres: O século XIX. Porto: Edições Afrontamento, 1991, p. 297-323.

LOPONTE, Luciana Gruppelli. Gênero, educação e docência nas artes visuais. Educação e Realidade, jul./dez.2005, 30 (2), p. 243-259.

MELLO, Graciele Dellalibera de. As representações de gênero e a educação feminina no Paraná oitocentista (1849-1886). Dissertação de Mestrado (Educação). Curitiba, UFPR, 2018.

PANOFSKY, Erwin. Estudos de Iconologia. Lisboa: Estampa, 1982.

PANOFSKY, Erwin. Significado nas artes visuais. São Paulo: Perspectiva, 1991.

PRATES, Kátia. A imagem rarefeita: entre o vazio e o infinito. Tese (Doutorado em Artes Visuais). Porto Alegre: 2011, UFRGS, p. 38.

SALTURI, Luis Afonso. O Movimento Paranista e a Revista Illustração Paranaense. Temáticas, Campinas, 22, (43): 127-158, fev./jun. 2014, p. 133.

SANTANA, Luciana Wolff Apolloni. Escola de Belas Artes e Indústrias do Paraná: o projeto de ensino de artes e ofícios de Antônio Mariano de Lima, Curitiba, 1886-1902. Dissertação (Mestrado em Educação) – Setor de Educação, Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2004.

SCHNEIDER, Norbert. Still life: still life painting in the early modern period. Koln: Taschen, 2009, p.7.

VANALI, Ana Crhistina; KOMINEK, Andrea Maila Voss. João Pamphilo Velloso D’Assumpção: estudante negro e professor negro na universidade brasileira. Conhecimento Interativo, São José dos Pinhais/PR, v. 14, n. 2, p. 208-219, jul/dez. 2020.

WINKES, Rolf. Natura Morta. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, São Paulo, v. 10, 2000, p. 145-161.

Downloads

Publicado

25-07-2022

Como Citar

PRIORI, Claudia. Maria Amélia D’Assumpção: entre retratos e naturezas-mortas, o protagonismo de uma pintora no começo do século XX no Paraná . Revista Educação, Artes e Inclusão, Florianópolis, v. 18, p. e0031, 2022. DOI: 10.5965/19843178182022e0031. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/arteinclusao/article/view/19797. Acesso em: 15 abr. 2024.